Pular para o conteúdo principal

Leonardo Gonçalves: Viver e Cantar - I



Há cantores cujas gravações vão além do proselitismo religioso. Eles unem alta qualidade temática e artística. A exigência estética está junto com a eficiência da prédica. O título Viver e cantar, CD de Leonardo Gonçalves, expressa uma compreensão religiosa de vida cristã e adoração. Daí, talvez, o título não ser “viver OU cantar”, mas “viver E cantar”. Ou seja, o cantar-adorar não é uma opção entre vida e adoração. É viver em adoração.


O CD se divide em três partes. A primeira é uma sequência de canções sob o título História da Redenção. A seguir, vem a sequência intitulada Relacionamento com Deus, e uma última série designada Louvor e Adoração. Aqui, o entendimento teológico é luminar: o ser humano é salvo por Deus, relaciona-se com Ele e então O adora. A concepção bíblica de adoração, ou seja, o ato de louvar a Deus não é uma oferenda petitória para que o homem seja salvo. Antes, é exatamente por causa dos atos salvíficos de Deus já realizados é que o homem O louva.


História da Redenção.
Cada uma das cinco canções introduz um ponto doutrinário/teológico importante: a entrada do pecado no mundo, a morte sacrificial de Cristo, Sua ressurreição libertadora, Seu segundo advento e a esperança de vida eterna no céu. O álbum apresenta não somente a teologia cristã, mas também a teleologia bíblica. Isto é, a noção de finalidade, de propósito na história humana na Terra, que se dirige à resolução última de todos os conflitos.


A primeira música, É preciso apenas crer, tem a função de prólogo. A primeira frase é cantada em uníssono, reforçando o sentido da sentença inicial que diz Como por “um” homem o pecado começou. Daí em diante, entra um quarteto vocal que remete à música gregoriana na primeira estrofe e a padrões vocais modernos na parte seguinte. Talvez sem o perceber, os arranjadores iniciam o cd com vários símbolos indicativos de incoatividade (palavrinha difícil que diz respeito às “primeiras ações”): a gênese histórica (a entrada do pecado), o número “um” em Por um homem o pecado começou e Por um homem a salvação entrou, um só cantor gravou as quatro vozes do quarteto – o próprio Leonardo -, a primeira nota da música é dó (nota-símbolo inicial da escala musical) e a tonalidade da música se inicia em dó menor (o acorde final tem resolução em Dó Maior).


Moriá (Daniel Salles), a próxima canção, consegue abranger toda a simbologia cristã do sacrifício expiatório de Cristo. A música aponta para a prefiguração da morte sacrificial de Jesus na substituição de Isaque, filho de Abraão, por um cordeiro. Como diz a letra, Naquele dia o filho escapou e o cordeiro morreu em seu lugar.


A segunda parte fala da morte vicária de Cristo na cruz, morrendo como remissão dos pecados humanos. A letra da canção diz: Naquele dia, o cordeiro escapou e o Filho morreu em meu lugar. A didática bíblica é exemplar ao mencionar que no Moriá (monte do sacrifício de Abraão) Deus revelou o que faria séculos depois na cruz do Calvário.


Na parte final, o cantor, acompanhado por um coral, abandona a zona de conforto das notas musicais da região média e vai em direção às notas da região aguda. Na parte mais alta da música, voz e letra representam o maravilhamento humano diante da Redenção. A melodia se encerra habilmente num retorno à região média inicial após transcorrer toda uma gama de emoção costurada em tensão com a didática racional da letra.


Explicando: se a canção nasce da transformação da fala cotidiana em canto, podemos dizer que a subida dos tons na voz e os sons hiperagudos são o resultado do completo afastamento das regiões da fala. Isso funciona como um recurso musical próprio do transbordamento dos sentimentos e afetos humanos.


A terceira canção trata de um narrador que foi testemunha da morte de Jesus – o personagem diz que viu Os cravos em Suas mãos, o Seu corpo a sofrer, numa explícita referência à canção "Getsêmani", do 1º cd de Leonardo Gonçalves. A melodia expressa melancolia e uma quase resignação do narrador.


A segunda estrofe traz outro estado de espírito, agora confiante e feliz. Na repetição do refrão, Leonardo ganha a companhia vocal do quarteto Communion, que assume a condução da música enquanto a voz principal se dedica às notas mais agudas. Dessa vez, a liberdade de si mesmo (parafraseando o "já não sou mais eu quem vivo, mas Cristo vive em mim") é ressaltada pelos melismas do cantor.


O 2º cd de Leonardo apresenta um caráter judaico constante ao longo das canções. Há uma recriação musical do tradicional estilo melódico judaico: a faixa Nachamu, nachamu -, e uma música com base no modelo literário dos salmos: a canção Salmo (Gerson Salcedo). A música Ele virá (do próprio Leonardo) é um ponto de referencialidade judaica do álbum: na letra, vemos o tradicional modelo hebraico-profético de listar trechos bíblicos para corroborar um discurso - a canção cita passagens literais de Apocalipse 14:7, 12 e 15:3; na melodia, ouvimos trechos ao estilo judaico; e no arranjo instrumental, percebemos a rítmica moura (o violão percussivo e o recurso das palmas lembram a sonoridade ibérica do flamenco, mas no contexto relaciona-se a aspectos rítmicos do Oriente Médio).


Quanto à performance vocal, percebe-se que o molde dos melismas de Leonardo está inspirado no canto judaico. Ele utiliza esse recurso passando milimetricamente pelas notas das escalas musicais das regiões árabes e palestinas, por exemplo.


Na parte final da letra, as certezas da parte cantada dão lugar às dúvidas da parte recitada. O uso do condicional “se” no trecho falado reforça o estado de insegurança e hesitações espirituais vivido. Ao mesmo tempo, ouve-se repetidamente a expressão Ele virá. Esse vocal é de caráter grave e até solene e dá a entender que o narrador experimenta um conflito interno, dividido entre a certeza cantada da volta de Cristo e a dúvida falada tipicamente humana.


O acompanhamento instrumental vai se intensificando em proporção à ascendência e ao volume da voz recitada e do vocal cantado. A tensão dúvida/certeza é dissolvida pela esperança de ver a Cristo sem medo (vou vê-lO naquele dia sorrindo, termina a letra) e pela resolução instrumental serena.


Esta canção é fundamental para a compreensão das intenções da produção do cd Viver e cantar. O cd apresenta uma grande variedade de recursos e temas só na parte inicial. Temos a tradição judaica e a certificação cristã no retorno de Jesus à Terra. Os sentimentos humanos vão da dúvida à certeza. A voz do cantor vai da recitação verbal à expansão melódica. Os arranjos vão do estilo ocidental à musicalidade oriental.


O encerramento da sequência História da redenção só poderia ser com a descrição da eternidade concedida finalmente aos salvos, na canção Um dia. Toda a tensividade vocal e orquestral dá lugar a um quadro de placidez e quietude. Segundo um comentarista deste texto, tanto o uso da harpa quanto a suavidade de movimento melódico-harmônico estão, nesse arranjo, relacionados ao imaginário da atmosfera celestial da era medieval e ao sentido de perfeição da igreja da época. (Hoje, esta sonoridade está também associada à música minimalista e às paisagens musicais de relaxamento físico e mental). Importa, porém, a funcionalidade do arranjo e da canção ao usar modelos musicais e culturais variados.



Comentários

Julison disse…
E eu achava que só tinha música no CD... Parabéns pela análise, embora ela seja superior às minhas faculdades mentais...
Anônimo disse…
prezado joêzer,

li seus cometntários sobre a música "um dia", e senti a necessidade de fazer algumas correções que talvez passaram despercebidas. 1) o acompanhamento não é baseado em intervalos de quartas e sim de quintas; 2)dizer que a modulação ocorre sem 7° é ao mínimo engraçado, já que tanto o acorde "preparador" para a modulação e acorde de chegada a nova modalidade (e não tonalidade) são formado por 6 sons diferentes: 7°, 9° e 11°; 3) acho interessante quando você fala em falta de tensão, já que a música é baseada em acordes de 6 sons, e mesmo o backvocal da segundo coro é formado sobre estes acordes; 4) a utilização da harpa vai muito além da sua sonoridade, o objetivo da utilização deste instrumento foi porque dentro do imagnário cristão primitivo, medieval e renascentista a harpa é instrumento celestial, sendo sempre representado em afresco da igreja católica quando o assunto é o céu; a busca de uma linguagem sem grandes alterações de intensidade e dentro de uma estética minimalista, foi também porque dentro do pensamento grego - pensamento este, que influênciou o pensamento cristão de como seria o paraíso - a falta de movimento era sinal de perfeição, é por isso que sempre o santos apareciam em estado inerte.

atenciosamente,
JSM disse…
caro anônimo,
obrigado pelas correções. Vou usar a mesma numeração que vc utilizou.
1) As quintas, ok.
2) A modulação ocorre sem a característica preparação de tônica com sétima (I7)ou quinta com sétima (v7; ou ainda IV/V) da tônica da nova tonalidade;
3) creio que o nº 3 (embora não indicado no seu ótimo comentário) se refere a ausência de tensão: a forma como os acordes foram distribuídos no arranjo, mesmo sendo de 6 sons, não criam grande tensividade. Aliás, se criassem tanta tensão, provavelmente o arranjador não o teria usado. Como o arranjo é ouvido, a tensão está dosada equilibradamente.
4) a harpa, apesar de pertencer ao imaginário celestial de tantos séculos (primitivo-medievo-renascença), hoje está mais associada aos sons new age, para uns, e minimalista na linha de philip glass e michael nyman, como vc parece conhecer.

Para quem ainda não conhece, esses compositores, eruditos que hoje tb fazem música para o cinema, utilizaram a reiteração melódica e rítmica - procure ouvir Einsten on the Beach (de P. Glass), o uso de acordes "dissonantes" mas sem provocar grandes tensões, e suavidade timbrística.

Voltando: de qualquer forma, não importa a era, trata-se de um estereótipo cultural e musical.
E não pretendo relacionar nessa música o termo "estereótipo" à falta de criatividade.
No mais,
obrigado.
Joêzer
Anônimo disse…
agora ficou mais claro! obrigado!
André disse…
:)
o compositor é o arranjador
shalom
André

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta