Pular para o conteúdo principal

Leonardo Gonçalves: Viver e Cantar - III


A última parte do cd – Louvor e adoração – também começa com um interlúdio, de título Serviço. André Gonçalves, autor da música, escreve um belo arranjo a capella para as vozes cantadas por Leonardo. O arranjo é complexo e difícil mesmo para quatro cantores diferentes.



Em duas canções, Minha fortaleza e Salmo, a orientação do louvor e adoração parte da tradição judaica de fé e glorificação de Deus. Ambas estão claramente baseadas no livro dos Salmos, embora as letras não tenham a opulência metafórica dos originais bíblicos. Há também uma mudança de timbre na voz do cantor, de tons líricos e sem os habituais melismas.

A canção Obrigado (Samuel Silva) apresenta outra configuração, agora com ecos melódico-harmônicos do estilo Motown - um estilo, diga-se, fundamentado no gospel americano. Assim como a música seguinte (Somente a Ti, de Wendel Matos), a facilidade da melodia dá o tom de alegre reverência das modernas canções congregacionais adventistas.

Ao final do álbum, observa-se a marca mais importante de sua produção: seu sentido litúrgico. J. Von Allmen escreve que o sentido profundo do culto e da liturgia é a recapitulação da história da salvação. Ao recapitular a história da redenção, esse CD relembra o culto judaico-cristão e sua motivação pedagógica, missiológica e litúrgica.

O culto é uma devoção realizada como reconhecimento dos feitos divinos na vida individual e que a adoração é a resposta humana a esses feitos de salvação. Na sua divisão temática, o CD Viver e cantar segue essas interpretações.

Esse CD tem uma distinção lítero-musical que escapa do lugar-comum da mera colocação de letra religiosa sobre melodias de estilos populares da mídia. Antes, não há um gênero comum às canções – não é um cd de rock gospel, não é de “ministério de adoração”, não há baladas românticas. As melodias e arranjos parecem mais alinhados com a tendência da música alternativa ou independente contemporânea, que não busca alinhar-se a um gênero musical único, mas está em constante pesquisa de fontes sonoras. Isso leva a uma multiplicidade estilística (do coral gregoriano aos estilos modernos) e a uma capacidade de transcendência do padrão massificado de clichês melódicos e poéticos.

Nota-se também uma procura do cantor Leonardo Gonçalves para escapar do rótulo de artista. É que o termo “artista” está cada vez atrelado ao indivíduo transformado em ídolo, com direito a tratamento de popstar pelas mídias e pelos fãs. Embora o virtuosismo da sua voz melismática seja justificado pela adoção de estilos black norte-americanos, infelizmente isso também vem suscitando gritos histéricos de fiéis cada vez mais parecidos com o fã secular. Como a repetição dos melismas está sempre a um passo do maneirismo, e o maneirismo é o tique dos cantores, o recurso do melisma pode acabar sendo abandonado daqui a algum tempo (favor não achar que isto é uma profecia!).

O making of do CD é bem explicativo quanto às idéias centrais do álbum defendidas por Leonardo: suas entrevistas pessoais, a oportunidade dada aos compositores para que falem de seu processo de criação - uma valorização da figura quase sempre anônima do compositor -, a concepção de arranjo filmada nos estúdios e a sua declaração de amor à família, às tradições esquecidas e à música.

O álbum, em sua inteireza, nos faz ver que o artista Leonardo cede lugar ao artesão Leonardo. Artesão é o que procura tecer cuidadosamente cada minúcia de um objeto de arte, é aquele que trabalha nas filigranas invisíveis para o espectador, mas que salta aos nossos olhos e ouvidos se tivermos atenção.

Comentários

Anônimo disse…
Onde posso adquirir um cd deste novamente, pois o meu eu emprestei e nunca mais retornou, tem uma loja especifica onde possa comprar?

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…