Pular para o conteúdo principal

Leonardo Gonçalves: Viver e Cantar - III


A última parte do cd – Louvor e adoração – também começa com um interlúdio, de título Serviço. André Gonçalves, autor da música, escreve um belo arranjo a capella para as vozes cantadas por Leonardo. O arranjo é complexo e difícil mesmo para quatro cantores diferentes.



Em duas canções, Minha fortaleza e Salmo, a orientação do louvor e adoração parte da tradição judaica de fé e glorificação de Deus. Ambas estão claramente baseadas no livro dos Salmos, embora as letras não tenham a opulência metafórica dos originais bíblicos. Há também uma mudança de timbre na voz do cantor, de tons líricos e sem os habituais melismas.

A canção Obrigado (Samuel Silva) apresenta outra configuração, agora com ecos melódico-harmônicos do estilo Motown - um estilo, diga-se, fundamentado no gospel americano. Assim como a música seguinte (Somente a Ti, de Wendel Matos), a facilidade da melodia dá o tom de alegre reverência das modernas canções congregacionais adventistas.

Ao final do álbum, observa-se a marca mais importante de sua produção: seu sentido litúrgico. J. Von Allmen escreve que o sentido profundo do culto e da liturgia é a recapitulação da história da salvação. Ao recapitular a história da redenção, esse CD relembra o culto judaico-cristão e sua motivação pedagógica, missiológica e litúrgica.

O culto é uma devoção realizada como reconhecimento dos feitos divinos na vida individual e que a adoração é a resposta humana a esses feitos de salvação. Na sua divisão temática, o CD Viver e cantar segue essas interpretações.

Esse CD tem uma distinção lítero-musical que escapa do lugar-comum da mera colocação de letra religiosa sobre melodias de estilos populares da mídia. Antes, não há um gênero comum às canções – não é um cd de rock gospel, não é de “ministério de adoração”, não há baladas românticas. As melodias e arranjos parecem mais alinhados com a tendência da música alternativa ou independente contemporânea, que não busca alinhar-se a um gênero musical único, mas está em constante pesquisa de fontes sonoras. Isso leva a uma multiplicidade estilística (do coral gregoriano aos estilos modernos) e a uma capacidade de transcendência do padrão massificado de clichês melódicos e poéticos.

Nota-se também uma procura do cantor Leonardo Gonçalves para escapar do rótulo de artista. É que o termo “artista” está cada vez atrelado ao indivíduo transformado em ídolo, com direito a tratamento de popstar pelas mídias e pelos fãs. Embora o virtuosismo da sua voz melismática seja justificado pela adoção de estilos black norte-americanos, infelizmente isso também vem suscitando gritos histéricos de fiéis cada vez mais parecidos com o fã secular. Como a repetição dos melismas está sempre a um passo do maneirismo, e o maneirismo é o tique dos cantores, o recurso do melisma pode acabar sendo abandonado daqui a algum tempo (favor não achar que isto é uma profecia!).

O making of do CD é bem explicativo quanto às idéias centrais do álbum defendidas por Leonardo: suas entrevistas pessoais, a oportunidade dada aos compositores para que falem de seu processo de criação - uma valorização da figura quase sempre anônima do compositor -, a concepção de arranjo filmada nos estúdios e a sua declaração de amor à família, às tradições esquecidas e à música.

O álbum, em sua inteireza, nos faz ver que o artista Leonardo cede lugar ao artesão Leonardo. Artesão é o que procura tecer cuidadosamente cada minúcia de um objeto de arte, é aquele que trabalha nas filigranas invisíveis para o espectador, mas que salta aos nossos olhos e ouvidos se tivermos atenção.

Comentários

Anônimo disse…
Onde posso adquirir um cd deste novamente, pois o meu eu emprestei e nunca mais retornou, tem uma loja especifica onde possa comprar?

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta