Pular para o conteúdo principal

Deus na linha de fogo


A temporada de caça à religião está aberta. Na vanguarda ateísta estão Christopher Hitchens e Richard Dawkins. Na linha de fogo está, principalmente, o monoteísmo religioso e sua figura mais célebre: Deus. Mas, o que querem os cientistas-filósofos-ateístas-evolucionistas mesmo?

Os disparos do front da tropa de elite da “Razão” têm três destinos:

1º- Deus: a filosofia pós-Kant e a ciência pós-Darwin partiram do benefício da dúvida – Deus realmente existe? - para a certeza irretratável – Deus não existe! Se as especulações filosófico-racionalistas procuram excluir o sentido de Deus da existência humana, as elocubrações do naturalismo-evolucionista atribuem a existência de Deus a um delírio do sentido humano. Daí, surgem variantes de uma espécie de “sociologia evolucionista” que tem todas as respostas, inclusive as psicológicas, para o comportamento das comunidades humanas, capaz de explicar desde a milenar preferência feminina pela cor rosa até, claro, a fé religiosa;

2º- Religião: segundo Hitchens e Dawkins, a “religião é a raiz de todos os males”. Para os apólogos do Humanismo e da Modernidade Tecnocientífica, a ausência de religião pode propiciar ao mundo uma nova era de igualdade, liberdade e fraternidade. Entretanto, como soa ingênua essa oposição simplista entre ciência e religião! O filósofo francês Jacques Derrida percebe nessa questão “uma certa vigilância crítica e anti-religiosa, anti-judaico-cristã-islâmica, uma certa filiação “Voltaire-Feuerbach-Marx-Nietzsche-Freud”;

3º- Fiéis em geral: sem religião, sem religiosos. Os ateístas pavoneiam-se em declarações e juramentos de que jamais queimariam livros, como fazem os muçulmanos, ou que não queimariam os discordantes, como fez a Inquisição. É mesmo? Qual o atestado de idoneidade que dão? A queima de livros religiosos na Revolução Francesa e o banimento de cristãos e judeus na Revolução Russa?

Mas há explicações para as hostilidades em relação a Deus e a Religião?

1) Os cristãos têm culpa nessa ojeriza racionalista ao Cristianismo. É tamanha a vastidão de monstruosidade e barbárie perpetrada em nome de Deus que chega a ser admirável a persistência do cristianismo no mundo. Voltaire, no verbete ‘toleránce’ do Dictionnaire Philosophique, acusa a religião cristã e a Igreja. Mas, vejam só, ele invoca a lição do cristianismo originário, “os tempos dos primeiros cristãos”, Jesus e os apóstolos, abandonados pela “religião católica, apostólica e romana”;

2) Os protestantes e suas variantes dogmáticas também foram responsáveis por períodos de repressão e perseguição e hoje muitos dos seus adeptos servem de opróbrio ao evangelho de Cristo. Antigamente, o moralismo puritano e a intolerância denominacional reproduziam o farisaísmo insepulto, ou seja, casavam hipocrisia moral com soberba doutrinária. Hoje, se presencia uma religião de muito marketing, “tantas emoções” e nenhuma doutrina;

3) A fúria anti-religião reveste-se de tradição religiosa, passando-se por nova religião ao apenas substituir a verdade absoluta pelo relativismo absoluto, Deus pelo Homem-Deus, a fé pela ciência, o evangelismo cristão pelo proselitismo ateísta.

Anthony Flew, filósofo ateu e autor de The Presumption of Atheism, admite que “se a Ressurreição [de Cristo] fosse verdadeira provaria que todas as outras religiões e sistemas filosóficos estão ‘redondamente errados’”. Mais um motivo para reconsiderar a religião bíblica como parte do processo de religação do homem com o divino e também como narradora da história que confere sentido às existências de Deus e do homem.

Comentários

Anônimo disse…
Caro amigo,vaidades, vaidade vaidades é o que pude observar em seus comentários sobre o Meu Criados Jesus.
Pamem , pois a ti foi dado o direito de amar, e ver a vida ao teu redor desabrochar diariamente em quanto tu dormias, não me lembro de na calada da nolite, o teu nome ter sido citado pelo menos uma ves em qualquer livro como c0-participante do renovo das aguas, do ar e da vida ou sequer estar ligado a alguma investigação
dos milhares de milhoes de resucitações que Deus todos os dias
obra ao redor de ti. Certamente em sua opinião deva ser mais uma de Darwin o inexplicavel, que está a aprontar tais eventos.
Olha Senhor, procure olhar mais um puco, acerte a sua pontaria, foque o seu olho lá para os lados do Getsêmani, e veja o Senhor da cruz, se lá estiver a sua ossada sugiro que o Dr. vá rápido com o IML e faça pelo menos um exame científico do evento, pois ai sim, de acôrdo cpm o resultado de V.Sas. o Senhor terá efetivamente provas intelectuais oferecidas para uma verdadeira explicação, e então todos nós haveremos de saber que Jesus forneceu a V.Sas. subsídios de inteligência para que o ataque final a inexplicavel explicação possa ser entendida por qualquer humano que não conheça a verdadeira face de Deus.
Quer saber, o amor pode lhe explicar o que Jesus fês por voce
é simples, aceite agora o seu perdão, não há um justo sobre a façe da terra que não careça disto. é de graça, faz bem e torna-nos semelhante ao nosso Deus, inclusive inteligente.
joêzer mendonça disse…
caro anônimo, suas palavras são bem-intencionadas mas se dirigem ao alvo errado. Se suas linhas julgam as minhas mal-traçadas como anti-religiosas ou anti-cristãs, minhas linhas estão de fato muito mal-traçadas, porque você não entendeu o que eu escrevi.

Faço a maior tentativa de defender o cristianismo dos ataques ateístas e você me diz que sou eu que preciso olhar "para os lados lá do Getsêmani"?
Talvez você precise ler outra vez meu artigo e poderá entender que critico uma falsa religião que se traveste de marketing para atrair mais gente, critico o ateísmo incenssado pela mídia que não dá o mesmo espaço para o criacionismo ou "outra alternativa" (se existir) para explicação da origem do mundo (e não só da origem, como também do destino final desse mundo).

obrigado por ler meu texto e também lhe lembro que o site do michelson borges, que se destaca pela defesa da religião cristã e do criacionismo, referendou meu artigo para seus leitores. Fico sem entender portanto sua crítica.
abraços,
Joêzer.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta