Pular para o conteúdo principal

Música na escola

A votação do projeto de lei 2732/2008 que trata da educação musical na escola foi adiada para o dia 28 de maio, no plenário 10 na Comissão de Educação e Cultura da Câmara.
Apesar do apoio que o projeto tem recebido de vários setores da sociedade, a população não parece bem informada das propostas do projeto que traz a educação musical de volta para a sala de aula. Há pessoas que desconhecem o caráter do projeto em pauta e acabam desvalorizando ou superestimando essa iniciativa pedagógico-musical.

Os que superestimam crêem que a musicalização dos estudantes brasileiros resolverá problemas estéticos, afetivos e psico-motores das crianças e adolescentes, como uma panacéia que sarará a terra brasilis da indigência cultural e falência moral. As notas dos alunos subiriam vertiginosamente devido aos benefícios para a inteligência e para a memória, revelando mozarts e jobins tupiniquins à rodo.

Os que desvalorizam esse projeto chegam ao cúmulo da ignorância, como certo articulista da revista Rolling Stone nacional, o qual, mesmo admitindo não conhecer o teor do projeto, já saiu dizendo que este deveria ser aborrecido, pois os músicos que ele conhece teriam pulado o muro da escola exatamente para formar bandas. Como se a educação musical coletiva e a prática musical extra-escolar excluíssem uma a outra. Esse falso romantismo e desatento anti-intelectualismo diz muito sobre a qualidade de certa crítica musical no Brasil.

Nem tanto ao mar, nem tanto ao rio. Nem a música na escola pode salvar o mundo e nem sua presença na escola inibe ou limita o talento musical do adolescente. A volta da música à sala de aula não prevê a formação de músicos assim como a disciplina de biologia não pretende formar biólogos ou a de educação física quer formar esportistas. As matérias escolares trabalham com a oferta de conhecimento sobre o mundo em que vivemos e a pedagogia musical não poderá nunca limitar-se ao ensino de notas e escalas, mas também terá que auxiliar na contextualização e interpretação do universo musical das sociedades humanas antigas e contemporâneas, daqui ou d'além mar. A educação musical pode contribuir para a sensibilização da criança às sonoridades diversas, ao ritmo e à prática vocal, mas também pode ajudar o adolescente a compreender o mundo musical-midiático em que está inserido e a descobrir outras formas de se fazer música, outras culturas musicais afastadas de seu ouvido.

Conhecer outras práticas musicais, interpretá-las e ter a possibilidade de reproduzí-las no espaço escolar. As músicas indígenas e folclóricas, as músicas de outras nações latino-americanas, africanas e asiáticas colaboram para o reconhecimento e o respeito às práticas culturais diferentes daquelas que o aluno vivencia no seu dia-a-dia. E ainda, desde que não haja uma celebração acrítica dos gêneros populares e dos estilos pop, se o aluno é levado a entender a música das mídias, sua história e seu contexto extra-musical, ele pode aprender a escutar, pode desenvolver um "ouvido pensante".

Para ler mais sobre o projeto, clique aqui.

Para participar do abaixo-assinado "Quero educação musical na escola", aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta