Pular para o conteúdo principal

Quem não gosta de berimbau, bom sujeito não é


A Bahia é boa terra / Ela lá, eu aqui, Iaiá

Os versos do samba Quem São Eles, de Sinhô, datam de 1918 e dirigiam-se aos baianos concorrentes das rodas de samba. A essa provocação seguiram-se réplicas e tréplicas em forma de música com a participação do baiano Hilário Jovino Ferreira, um dos pais das escolas de samba cariocas, e dos descendentes de baianos João da Baiana e Donga (autoproclamado autor de Pelo Telefone), e até Pixinguinha.

Noves fora a polêmica entre os compositores populares, a canção popular oriunda dos festejos dos negros era combatida oficialmente e contraditoriamente era celebrada em festas com a presença da elite política que elaborava as leis. Como conta João da Baiana, certa noite seu pandeiro foi tomado pela polícia quando se dirigia a uma festa no palacete do senador Pinheiro Machado, o qual, ao saber do fato, mandou fazer outro pandeiro para o sambista, agora com a seguinte dedicatória, que lhe serviria de salvo-conduto: "A minha admiração, João da Baiana. Pinheiro Machado".

A Bahia era tida como exportadora de mão-de-obra e de folguedos populares, e sua presença na então capital brasileira era descrita por Olavo Bilac numa crônica de 1906 em que se indignava ante a "selvagem presença negra na recém-inaugurada Avenida Central", via a "ressurreição da barbaria" e a "idade selvagem" perturbando a "idade civilizada", e também lamentava que a multidão não se "confinasse na Penha" e fosse "como uma enxurrada vitoriosa para o centro da urbs".

Na crítica de Bilac transparece a condenação das manifestações culturais negras, porém, a despeito das tentativas de expurgo da cultura popular, a Bahia acabou tornando-se ponto de referência elogiosa já nos anos 30. O mineiro Ary Barroso a exaltava em canções como Bahia, No tabuleiro da baiana, Na baixa do sapateiro ou Quando eu penso na Bahia, e Dorival Caymmi louvava a boa terra, seus jangadeiros, seu mar, seus locais encantatórios de Abaeté a Itapoã. Logo, a Bahia, de lugar e povo desprezados, passou ao imaginário brasileiro e mundial como locus de confluência de todos os santos e todos os gostos.

Entretanto, a vida não é uma aquarela brasileira cordial e apaziguadora e o vento do preconceito que bate lá é a ventania da injustiça que bate cá. Apesar da opressão social que sempre marcou as classes populares (entenda-se pobres e/ou negros), seus compositores não deixavam a peteca da auto-estima cair e cantavam sua cultura, sua história e sua geografia. As canções também traduziam sua visão das classes econômicas abastadas, que eram o público e o carrasco daqueles músicos. Assim, as letras traziam crítica social, crítica aos manda-chuvas da política e crítica até a quem desdenhava do samba:

Quem não gosta de samba, bom sujeito não é
É ruim da cabeça ou doente do pé

Estes versos de Dorival Caymmi respondem com moeda musical aos que acusam as danças e os ritmos negros de não terem "estética nem arte" , não possuirem "tom nem som" ou mesmo "espírito e gosto", e que os instrumentos musicais dos negros são "rudes", "bárbaros" e fazem uma "algazarra infernal". Estas acusações, transcritas de declarações dos anos 20 e 30, denotam o preconceito e a distinção etnocêntrica da noção de música. Mas, ora só, eis que da Bahia do século XXI surge uma voz distoante. O coordenador do curso de Medicina da UFBA "diagnosticou" a suposta lerdeza mortis do estudante baiano: a musicalidade que lhe toma o tempo dos estudos. A reação pública foi ligeira: quem não gosta de berimbau, bom sujeito não é.

Aí é que está a questão: é possível NÃO GOSTAR de samba, e por extensão, de música popular e ser um bom sujeito? Ora, isso é fato tão claro como o sol que arde em Itapoã. Os homens de "bom-gosto" e as senhoras de "bom costume" têm na vida outros cuidados que não o de sair atrás do trio elétrico, o que fazem questão de "provar" com as pesquisas que indicam que os ritmos da cultura popular promovem violência, reprovação escolar e rebelião juvenil. Não é preciso fazer apologia nem do Créu nem do Bel (do chiclete com banana) para perceber que pedagogos, psicólogos e moralistas insurgem-se contra os cantores e o público e esquecem das questões sócio-econômicas e culturais ligadas à música.

Por outro lado, há antropólogos "de bom coração" e etnomusicólogos "engajados" que fazem questão de ressaltar que a estética é relativa, que a cultura é relativa, daí o apreciador musical não poder criticar os gêneros musicais populares, pois estaria sendo preconceituoso e, pior das ofensas, elitizado. Vale lembrar que a questão não seria de apreciar estilos, mas de respeitar os sujeitos, o que certamente não o fez o coordenador citado.

É possível GOSTAR de samba e também ser um bom sujeito? A resposta "sim" deveria ser óbvia, mas, para muita gente, é mais fácil o rico e o camelo passarem juntos pelo buraco duma agulha do que um percussionista entrar no paraíso.
Citações do texto foram extraídas desse artigo.

Comentários

gladstone disse…
pois é. sou baiano e o pior que vejo preconceito vindo de todas as classes e cores. mas, Joezer, quer saber sinceramente? Ninguém pode criticar certos estilos de música popular que já tacham a gente de preconceituoso.
abraços
Anônimo disse…
E eu? q não gosto de samba, nem de rock, nem de funk, nem de axé-music? será preconceito eu preferir pixinguinha e villa-lobos?

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…