Pular para o conteúdo principal

Everybody loves Zeca Pagodinho

A charge do Amarildo apresenta o que se pode chamar de "armas de destruição em massa". Não adianta as propagandas de cerveja se encerrarem com os dizeres "se dirigir, não beba" ou "se beber, não dirija". Isso é tão inócuo quanto colocar ao final de uma propaganda de carro a frase "não corra, não mate, não morra". Mesmo porque os anúncios de carros são irmãos univitelinos dos comerciais de cerveja. Ambos vinculam seu produto à equação do mundo-macho jovem: prazer de dirigir/prazer de bebericar + uma(s) mulher(es) no banco/à mesa = velocidade/alegria com ou sem moderação. Não vai demorar e vão mostrar um sujeito dirigindo que não sabe se olha pra frente, pra Juliana Paes do lado ou pra latinha de cerveja que o Zeca-Feira Pagodinho lhe oferece do banco de trás.

Nesse ano, o lobby das cervejas fez um escarcéu dizendo que queriam acabar com "a liberdade do consumidor" e com "a liberdade de expressão" pois as cervejarias não poderiam mais anunciar seus produtos. E não é que agora e na hora da sua morte as danadas invocam até a Santa Madre Liberdade de Expressão, ela mesma, que de defensora dos ideais iluministas passou agora para o lado ambev da Força?

Acontece que o projeto de lei pretendia restringir a veiculação de propagandas de bebida alcóolicas no rádio e na TV entre as 6h e as 21 h. Os anunciantes e as emissoras saíram então de braços dados vociferando contra a suposta censura e o cerceamento da escolha do consumidor, este sim, o grande responsável pela (des)ordem nas estradas e pelo progresso do faturamento das cervejarias. Enfim, o lobby funcionou, o projeto de lei foi engavetado e tudo parece que vai acabar em pizza com rodada de cerveja pra todo mundo, êêê!

Coincidência? O investimento dos fabricantes de cerveja em publicidade saltou de 180,4 milhões em 2000 para 961,7 milhões em 2007, segundo o Ibope. Dos 513 parlamentares, 87 têm concessões de rádio e televisão e/ou receberam doações de campanha da indústria de bebidas e de comunicação. 33 deputados eleitos receberam 2.130.120 milhões das fábricas de cerveja em sua campanha eleitoral.

Uma pesquisa apontou que das 16 regras estabelecidas pelo Conar, conselho de auto-regulamentação publicitária, 12 foram desrespeitadas pois "têm apelo imperativo ao consumo, despertam a atenção de crianças e adolescentes, mostram pessoas que aparentam ter menos de 25 anos, exploram o erotismo, não são veiculadas apenas em programas de TV destinados ao público adulto e mostram a cerveja relacionada ao sucesso profissional, social ou sexual".

A saída para alguns fabricantes e publicitários espertos foi relacionar o "brahmeiro" ao brasileiro trabalhador que não desiste nunca. Vide a letrinha do jingle. O brahmeiro é incansável ("acorda cedo, vai trabalhar, ralou para conquistar o que tem"), honra pai e mãe (tudo o que sabe deve aos pais), é honesto (tem nome limpo), é um homem de família (sente-se um rei em casa), celebra a vida e a amizade ("a vida não tem graça sem ter os amigos e o que celebrar"), que lindo, tão lindo e limpo que parece um comercial de banco.

O brahmeiro não é mais do jeitinho brasileiro (é do batente e da luta). Agora pertence à categoria dos guerreiros brasileiros e ninguém segura esse país.

Leia mais sobre a mídia, o lobby e os deputados

Comentários

sergio maia disse…
será que vai chegar o dia em que os comerciais de cerveja serão coisa do passado como os comerciais de cigarro?
Julison disse…
Já que não querem impedir os comerciais, pelo menos deveriam mostrar, após cada comercial de cerveja, um vídeo de 15 segundos com um acidente envolvendo alguém dirigindo alcolizado...
douglas reis disse…
Parabéns pela abordagem do assunto - Genial! Creio que há dois pesos e duas medidas: veja o rigor nas propagandas de cigarro e a liberalidade nos comerciais de cerveja. Sobre as baboseiras deste últimos, ver http://questaodeconfianca.blogspot.com/search/label/Publicidade

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…