Pular para o conteúdo principal

Alex Klein: música para viver

Em 1998, Alex Klein consolidava uma brilhante carreira como o primeiro oboísta da Sinfônica de Chicago. Junto com o pianista Nelson Freire e o violoncelista Antonio Meneses, forma uma tríade de músicos brasileiros com livre trânsito nas grandes salas de música do mundo. Mas também foi há 10 anos, que ele percebeu os primeiros sinais da distonia, doença que viria a mudar por completo seus planos musicais.

A distonia focal é uma doença neurológica que provoca contrações involuntárias dos músculos, ocasionando deformações na postura e nos movimentos musculares. Segundo o próprio Klein, "para tocar oboé surgiu uma dificuldade que não existia antes. Danificou-se a linha de conhecimento que montei durante 30 anos para tocar de forma precisa e afinada, para soprar da maneira correta. Já a linha de conhecimento para tocar corne inglês não foi afetada. Parece misterioso, mas a neurologia explica".

Klein revela que "quando o diagnóstico se confirmou, comecei a pensar em outras opções, como ir para a Finlândia estudar regência. Ao mesmo tempo, recebi o convite para dirigir a Oficina de Música de Curitiba e comecei lá em janeiro de 2002". O músico também diz que entre 2003 e 2004 chegou "ao fundo do poço", enfrentado um divórcio, sofrendo com tendinite, depressão e altos custos do tratamento. Ele conta que, "sem emprego, tive que voltar para o Brasil. Estava gastando 3.500 dólares por mês em tratamentos médicos. Voltei para a casa dos meus pais. Em 2004, no que seria o ponto alto da minha carreira, eu estava no fundo do poço. Fiquei no sofá da sala três meses vendo televisão. Tentava estudar, mas logo vinha a tendinite. Eu ainda conseguia tocar alguma coisa de oboé e precisava fazer a transição de carreira para a regência".

Alex Klein começou a participar de um festival no Panamá e de outro na China. Este último chama-se "Festival de Oboé Alex Klein" e reúne estudantes que chegam a viajar três dias de trem para conhecê-lo, como diz em outra reportagem. Como regente, apresenta-se no Festival de Música Saint Barts, no Caribe, além de ser o principal regente convidado do Festival Sunflower no Kansas (EUA), que reúne músicos das grandes orquestra americanas. Desde 2006, está a frente do Festival de Música de Santa Catarina e em 2007 tornou-se professor de oboé do Conservatório Oberlin, em Ohio (EUA), onde ele mesmo se graduou nos anos 1980.

Como João Carlos Martins, Klein precisou redirecionar sua carreira musical, lutando para manter-se ativo no mundo da música. Se seus planos eram de aposentar-se após 30 ou 40 anos como oboísta, paradoxalmente alguns sonhos viraram realidade após sua dolorosa saída de Chicago. Ele não é mais um instrumentista. O também grande detentor de prêmios com o oboé(como os Grammys na categoria erudita) agora está tendo chances de realizar projetos acalentados anteriormente, como dar aulas para jovens músicos e reger orquestras. "Quanto à distonia", diz ele, "as coisas estão melhorando. Lancei recentemente um CD de [música de]câmara" .

Lições de vida nem sempre são bem-vindas em nosso mundinho da crítica da razão cínica, mas Alex Klein tem superado o que poderia ter sido o fim de uma carreira com o surgimento de outra: inesperada, traumática, mas extremamente recompensadora depois que se chega al otro lado del río. Agora, de um novo ponto de vista, ele já pode dizer: "aprendi que para ultrapassar problemas precisamos saber quem somos e para que somos. São poucas as coisas que importam. A vida, na verdade, é bem simples".

Leia aqui a entrevista completa que Alex Klein concedeu à revista VivaMúsica!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…