Pular para o conteúdo principal

Alex Klein: música para viver

Em 1998, Alex Klein consolidava uma brilhante carreira como o primeiro oboísta da Sinfônica de Chicago. Junto com o pianista Nelson Freire e o violoncelista Antonio Meneses, forma uma tríade de músicos brasileiros com livre trânsito nas grandes salas de música do mundo. Mas também foi há 10 anos, que ele percebeu os primeiros sinais da distonia, doença que viria a mudar por completo seus planos musicais.

A distonia focal é uma doença neurológica que provoca contrações involuntárias dos músculos, ocasionando deformações na postura e nos movimentos musculares. Segundo o próprio Klein, "para tocar oboé surgiu uma dificuldade que não existia antes. Danificou-se a linha de conhecimento que montei durante 30 anos para tocar de forma precisa e afinada, para soprar da maneira correta. Já a linha de conhecimento para tocar corne inglês não foi afetada. Parece misterioso, mas a neurologia explica".

Klein revela que "quando o diagnóstico se confirmou, comecei a pensar em outras opções, como ir para a Finlândia estudar regência. Ao mesmo tempo, recebi o convite para dirigir a Oficina de Música de Curitiba e comecei lá em janeiro de 2002". O músico também diz que entre 2003 e 2004 chegou "ao fundo do poço", enfrentado um divórcio, sofrendo com tendinite, depressão e altos custos do tratamento. Ele conta que, "sem emprego, tive que voltar para o Brasil. Estava gastando 3.500 dólares por mês em tratamentos médicos. Voltei para a casa dos meus pais. Em 2004, no que seria o ponto alto da minha carreira, eu estava no fundo do poço. Fiquei no sofá da sala três meses vendo televisão. Tentava estudar, mas logo vinha a tendinite. Eu ainda conseguia tocar alguma coisa de oboé e precisava fazer a transição de carreira para a regência".

Alex Klein começou a participar de um festival no Panamá e de outro na China. Este último chama-se "Festival de Oboé Alex Klein" e reúne estudantes que chegam a viajar três dias de trem para conhecê-lo, como diz em outra reportagem. Como regente, apresenta-se no Festival de Música Saint Barts, no Caribe, além de ser o principal regente convidado do Festival Sunflower no Kansas (EUA), que reúne músicos das grandes orquestra americanas. Desde 2006, está a frente do Festival de Música de Santa Catarina e em 2007 tornou-se professor de oboé do Conservatório Oberlin, em Ohio (EUA), onde ele mesmo se graduou nos anos 1980.

Como João Carlos Martins, Klein precisou redirecionar sua carreira musical, lutando para manter-se ativo no mundo da música. Se seus planos eram de aposentar-se após 30 ou 40 anos como oboísta, paradoxalmente alguns sonhos viraram realidade após sua dolorosa saída de Chicago. Ele não é mais um instrumentista. O também grande detentor de prêmios com o oboé(como os Grammys na categoria erudita) agora está tendo chances de realizar projetos acalentados anteriormente, como dar aulas para jovens músicos e reger orquestras. "Quanto à distonia", diz ele, "as coisas estão melhorando. Lancei recentemente um CD de [música de]câmara" .

Lições de vida nem sempre são bem-vindas em nosso mundinho da crítica da razão cínica, mas Alex Klein tem superado o que poderia ter sido o fim de uma carreira com o surgimento de outra: inesperada, traumática, mas extremamente recompensadora depois que se chega al otro lado del río. Agora, de um novo ponto de vista, ele já pode dizer: "aprendi que para ultrapassar problemas precisamos saber quem somos e para que somos. São poucas as coisas que importam. A vida, na verdade, é bem simples".

Leia aqui a entrevista completa que Alex Klein concedeu à revista VivaMúsica!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta