Pular para o conteúdo principal

O que é música mesmo?

Definir o que é música tem sido uma tarefa bem movimentada para os enciclopedistas. O conceito é renovado periodicamente toda vez que um especialista vem a público ressemantizar a palavra. Na era dos blogs então...

Lisa Hirsch define: música é som organizado se movendo no tempo. Para Scott Spiegelberg, autor do blog Musical Perceptions , este é um conceito muito estrito, pois criaria problemas para as músicas de John Cage e toda a música aleatória.

Ele sugere que música é som considerado como arte. Esta definição permite considerar a canção dos pássaros e outros sons naturais como música, mesmo que não tenham sido “organizados”. Permite que o som da estática seja música, desde que alguém o perceba de um modo artístico (podem até chamar de música ruim caso suas conexões artísticas sejam demasiado tênues). Essa definição também remove o problema a respeito do criador musical, realocando a questão de definir música para o espectador.

O problema dessa definição, creio eu, está na classificação do conceito de arte. Primeiro, o conceito do que pode ser considerado arte está sempre em mutação, basta lembrar que aquilo que não era tido como arte pelos críticos parisienses do fim do século XIX, hoje é admirado por muitos como Impressionismo. Atualmente, o conceito de arte está tão dissolvido que qualquer curadorzinho “pós-pós-muderrrno” inflaciona o valor artístico de uma sala vazia – dirão que é um protesto contra o esvaziamento da arte no contexto da contemporaneidade enquanto locus viabilizante de elaborações refletidoras do humano e blábláblá. Que depois não reclamem que os museus estão servindo de abrigo para moscas.

Segundo, se toda a autoridade foi dada ao espectador para definir o que é arte, teremos então cada indivíduo como um hermeneuta pessoal dos atributos artísticos. Assim, qual seria o papel da crítica? Resenhar a programação do fim-de-semana do cidadão entediado, pois se o espectador vai ele mesmo apontar o que tem ou não valor artístico, sua interpretação é auto-suficiente e não precisará de nenhum especialista para indicar os modos de percepção da arte.

Se o espectador julga determinada obra com seu senso comum ou a partir de seu arquivo sonoro especializado, isso já não parece ser relevante. Se o espectador diz que tal música não pode ser chamada de música (tipo as reinações de John Cage ou Stockhausen), quem poderá contestar? Mas se o espectador diz não gostar dessa ou daquela música e pronto, estaria ele-nós, segundo o poeta Drummond, ao nível do gato que não gosta do sabor daquele leite e pronto?

Mesmo assim, nada como um concerto após o outro para que o conceito de arte dado pelo espectador se modifique. Em 1913, a Sagração da Primavera de Stravinski foi vaiada e nem chegou ao final da exibição. Isso é arte? Isso é música?, discutiam os atônitos espectadores. Foi só baixar a poeira dos assentos do teatro e a peça já estava sendo considerada uma obra-prima, o marco zero da música do breve século XX. Mas, e o juvenil espectador desprovido do contexto histórico da Sagração? E a gentil senhora acostumada a suspirar com a brancura do piano e do paletó de Richard Clayderman?

Por último, se o criador disser que sua obra é arte, quem poderá lhe contestar? Mas também, quem poderá nos defender?

To be continued...

Comentários

douglas reis disse…
Recebi o mesmo e-mail (o meu não violou a barreira "anti-spam"; foi uma amiga que me mandou!) e ele só mostra a degradação dos valores, que, por sua vez, se apresenta tanto na degradação dos relacionamentos, como na degradação musical.

Quem dera cristãos espressassem musicalmente o amor conjugal com a beleza e riqueza que o conhecimento da Palavra de Deus poderia trazer à cultura popular....

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…