Pular para o conteúdo principal

Penalidade máxima para Edmundo


Edmundo, vulgo Animal, perdeu a senha quando estava na fila dos predestinados à glória dos estádios lotados. Como penalidade, não poderia pisar jamais o gramado prometido dos heróis do futebol. Relembremos sua trajetória de proezas tão espetaculares quanto funestas.

Após a conquista de um bicampeonato brasileiro e no auge da fama, a apaixonada torcida do Palmeiras via tudo e a tudo perdoava: o Animal era um insensato dentro e fora do campo, mas resolvia todas as duras paradas da equipe. Porém, Edmundo é seduzido por times italianos, resolve trocar as aventuras tupis do Maracanã pelos triunfos eternos do Coliseu e deixa a torcida gritando à toa: “Fica Edmundo / Você vai ser campeão do mundo”. Ingênuo Animal. Chega à terra dos Césares e nem late nem morde. Uma frustração só.

Em 1997, ninguém jogou mais do que Edmundo. Um dia, ele tem a chance de bater o recorde de gols numa mesma partida do campeonato. Só há um problema: esta chance é um pênalti. Como aluno formado na Academia Roberto Baggio de pênaltis decisivos, Edmundo não decepciona e perde o pênalti. Mesmo assim, é campeão e, como prêmio, convocação para a seleção canarinho que chega à final da Copa do Mundo de 98. Ronaldo desmaia e Edmundo é escalado contra a França de Zidane. Na hora de entrar em campo, Zagallo opta por um Ronaldo alquebrado e Edmundo, mais uma vez, sofre a penalidade máxima de quase poder mudar a história.

Dois anos depois, o animal renegado está na final do primeiro Mundial de Clubes da FIFA. Hora do pênalti. Como em outras vezes, o animal se desconcentra, se apequena, vê onze goleiros debaixo da trave, cada um com o rosto daqueles em que deu uma cotovelada, parece possuído por um chutador de futebol americano e deixa escapar a vitória. Condenado a carregar o peso de todos os pênaltis perdidos, ele é o único ser humano a ser atingido pelo bug do milênio. No ano 2000, ele veste as brancas túnicas do Santos e nem assim está longe das trevas: erra dois pênaltis contra o Vasco. Na mesma partida. Se os santos não ajudam, ele vai para o Cruzeiro e perde outro pênalti. Contra o Vasco.

Depois de cometer todas as barbaridades possíveis fora do campo, de atropelamento à empréstimo pro Luxemburgo, e dentro do campo, perdendo de novo aquilo que ele quer esquecer em decisões contra o Flamengo e o Sport, o animal está cansado, injuriado, abatido. Raspa a cabeça como que para não ter que olhar no espelho e encarar um anti-herói, um perdedor que tem o drible de manés, o chute de pelés, o fôlego de cafus e a cabeça dos edmundos. Ao ser perguntado se confirma a aposentadoria, ele responde, resignado: “Se Deus quiser”.

Mas deus, digo, Eurico, não quis: “Não aceito. E quando digo que não aceito, não se fala mais nisso”, vocifera sem um pingo de espiritualidade, a não ser aquela com a qual comanda o Clube de Regatas Vasco Miranda.
* * *

Pobre Animal. Nem direito a um deus de verdade ele tem. Já é tarde, ele dorme, ele sonha. Sonha que Zagallo tira Ronaldo na final da Copa da França. Sonha que ele entra e com três lances geniais, chamados pela imprensa francesa de “le carnaval des animaux”, empata a peleja. E se a final está empatada, a decisão só pode ser com cobrança de... Na cama, Edmundo prende a respiração, o animal agoniza, mas por misericórdia, agora sim, divina, ele acorda antes de ser relacionado para a marca do pênalti.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…