Pular para o conteúdo principal

Música na escola: quem será o professor?

Palavras do presidente da ABEM (Associação Brasileira de Educação Musical), Prof. Dr. Sergio Luiz de Figueiredo, sobre a aprovação da Lei n. 11.769, que estabelece a obrigatoriedade do ensino de música na escola:

"Com relação à nova lei, existe um desapontamento por parte de muitas pessoas em função do veto ao parágrafo que incluía a necessidade de professores com formação específica para a área de música. O segundo parágrafo do veto parece lógico, na medida em que nenhuma área tem esta indicação na LDB, o que seria um precedente dentro do que diz a lei para todas as áreas do currículo. O problema foi o primeiro parágrafo do veto que estabelece uma grande confusão, já que menciona o artigo 62 da LDB, que trata da formação em nível superior em curso de licenciatura para atuação na educação básica, e ao mesmo tempo considera a possibilidade de pessoas sem titulação poderem atuar na escola com a área de música.

"(...) O que vale é a lei e não o veto. Isto quer dizer que nós hoje temos a música como componente curricular obrigatório na educação brasileira. Isto é uma vitória.

"Com relação à titulação, eu não tenho dúvida sobre a necessidade de curso de licenciatura para atuar na educação básica, conforme diz a LDB (Art.62). Mas todos nós sabemos que as leis no Brasil não são plenamente cumpridas e muitos sistemas educacionais não seguem esta normatização. Foi uma pena que esta parte da justificativa ao veto foi confusa permitindo diversas interpretações.

"Creio que o nosso trabalho será o de dialogar com as Secretarias de Educação de estados e municípios, assim como com os Conselhos de Educação, para a definição desta matéria nos diferentes contextos. Por exemplo, em Florianópolis existe legislação específica sobre a contratação de professores com curso superior para todas as áreas, incluindo os professores das séries iniciais que a lei faculta não terem a formação superior. Com isto quero dizer que é possível ter aulas de música com professores devidamente habilitados dependendo destes documentos dos estados e municípios que também têm a liberdade de organização de seus projetos político-pedagógicos.

"Nosso trabalho vai continuar nesta mobilização para que gradativamente se tenha professores habilitados nas escolas. Isto não quer dizer que a escola não possa ter atividades extra-curriculares contratando pessoas que não possuem graduação em música. Temos visto muitos trabalhos em parceria escola-comunidade que apresentam resultados muito positivos para a sociedade. Portanto, este trabalho de conscientização da necessidade do professor especialista no currículo da escola deve continuar.

"Devemos lembrar que temos muitos exemplos positivos no Brasil sobre educação musical na escola. Gostaria de divulgar muito mais estes exemplos para que a nossa luta também tivesse outra perspectiva, além desta que não favorece nem estimula as pessoas a contribuírem com este projeto de educação musical na escola. Todos nós poderíamos iniciar uma série de notícias para nosso informativo, relatando experiências na área de educação musical escolar, mostrando que é possível, sim, realizar este trabalho com qualidade, com professores habilitados.

"Decidi escrever esta mensagem para manifestar meus sentimentos atuais com relação a todo este processo e dizer que me sinto privilegiado por poder participar de um momento tão significativo para a educação musical no Brasil. Espero que minhas palavras não soem demagógicas ou artificiais. Não estou iludido com a nova lei, estou satisfeito porque realmente a considero uma conquista".

A íntegra do texto está no site da ABEM


* * * * *
Comentário: A lei que estabelece a obrigatoriedade curricular do ensino musical nas escolas, como qualquer outra lei, não tem poder para instaurar mudanças. Há um grupo de defensores do ensino de música que acredita que a educação musical é a panacéia que resolverá as dores de cabeça da escola: falta de atenção, desinteresse, baixa auto-estima, comportamento problemático, notas vermelhas, evasão escolar, ... Esse caráter messiânico dos educadores musicais é cheio de boas intenções, mas pode ser frustrante deparar-se com a crueza de escolas às ruínas, sem coordenação pedagógica, professores omissos e alunos mal-alfabetizados. Para piorar, muitos educadores musicais vêm de cursos de licenciatura que abarrotam o currículo de discussão teórica (noves fora o estágio mal-supervisionado) e não ensinam "o que" e "como" ensinar.
Se a música na escola tiver um papel de animadora de eventos ou for um caso de leitura de notas, então ela terá pouca importância. Mas se os professores trabalharem para que os alunos conheçam e compreendam as tantas formas de fazer musical, aprendam a relacionar-se criticamente com a música das mídias e transcendam o ambiente cultural do seu cotidiano extra-escolar, então a escola, de fato, estará começando a vivenciar as alegrias da música.

Comentários

Consegui concordar parcialmente com este comentário, mas, quem estuda música em uma universidade e, pretende ser um bom profissional , não consegue ter algum pensamento de que a música ira mudar a escola, o que se pretende mesmo é inserir a música novamente no currículo de forma superior a décadas anteriores, até ,que no tempo de Villa Lobos,hoje se tem muitos meios e as pesquisas nesta área foram bem aprofundadas, acho que havera mudança gradualmente pelo menos , relacionado ao gosto musical e a questão de criticidade, mas lembrando que, isso dependera muito da maneira como o professor ira trabalhar com os alunos,e, isso não ocorrera de uma hora para outra, mudanças ocorrem através de gerações, como ja disse, materiais de pesquisa existem e devem ser usados equilibradamente e conscientemente.
Tenho certeza de que a escola continuara sendo o que é, mesmo com a música no currículo, não sei o que sera pior, professores sem conhecimento ensinando música ou, professores mal formados ensinando de qualquer forma, oderam até piorar o que todos querem consertar. Prefiro pensar pelo lado bom, agora é uma chance de fazer algo bom acontecer, esta nas mãos dos professores em serem realmente bons no que fazem.
emidio marques disse…
acho que a musica devolveria estimulos ao ensino escolar infantil,é o que os jovens de hoje precisa,pois hoje eles não querem somente informação, querem tambem distração e precisa de consentração . tudo isso a musica tras e alem de tudo o respeito as regras, a musica realmente transforma sou uma prova viva,gostaria que tudo isso não fosse só lei no papel e fosse realidade,tambem me sentiria feliz em poder ajudar os jovens e crianças a terem noções de tempo de espaço e a saberem a contruir coisas maravilhosas , não só melodias ma amigos verdadeiros tambem... obrigado

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta