Pular para o conteúdo principal

A Maçã

Samira Makhmalbaf era uma jovem cineasta de 17 anos quando começou a dirigir seu primeiro filme, A Maçã (Sib, 1998, co-produção Irã/França), que apresenta a vida de duas irmãs gêmeas que há anos não tinham contato social. Tanto a mãe, cega e trajando uma burka indevassável, quanto o pai, um pedinte, não permitem que as meninas saiam de casa para brincar ou ir à escola. São os vizinhos, por meio de um abaixo-assinado, que fazem com que uma assistente social venha até aquela casa e dê início a um processo radical de libertação das crianças (por certo as assistentes sociais ocidentais não concordarão com o método usado pela colega de profissão iraniana).

A história é real e é vivida na tela pelos seus personagens reais: os pais e as meninas, as quais mal conseguem articular a fala, caminham estranhamente e não sabem como se comportar socialmente. Em entrevista ao jornalista Kleber Mendonça Filho, Samira Makhmalbaf explicou que a história das meninas presas em casa pelos pais ganhou enorme destaque na mídia, em Teerã. “Começamos a fazer o filme apenas quatro dias depois que toda a imprensa abriu espaço para a história. Isso significa que o que foi captado, nesse curto período de tempo, era o real, ou as conseqüências sociais e psicológicas do acontecido”. Misto de documentário e ficção, o filme é extremamente tocante no retrato das crianças que descobrem o sentido de liberdade ao andar pela vizinhança e ter o primeiro contato com outras crianças.

Não espere a narrativa melodramática e chorosa do cinema comercial. O relato não adere ao padrão fácil de comoção, sendo mesmo desconcertante por apresentar-se como narrativa de ficção, embora seja um registro de ações da vida real. Equilibrando cenas poéticas (como a caminhada das irmãs pelas ruas junto com um menino que carrega uma maçã), realistas (o pai, de 65 anos, que diz que ninguém nunca se importou com ele e agora está em todos os jornais e se sente desonrado) e enigmáticas (a cena final que se abre a vários sentidos), o filme é também uma chance de ver os habitantes do Oriente Médio retratados como pessoas e não como terroristas sem rosto.

Em A Maçã, ao explorar com rara delicadeza o cotidiano de pessoas invisíveis socialmente, a jovem diretora nos mostra uma metáfora sobre a condição da mulher no Irã e sobre a necessidade de socialização.

Como escreveu Carlos Drummond no final do poema O homem, as viagens, o ser humano precisa

"pôr o pé no chão
do seu coração
experimentar
colonizar
civilizar
humanizar
o homem
descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas
a perene, insuspeitada alegria
de con-viver".
Filme assistido no dia 26/10 no Canal Futura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta