Pular para o conteúdo principal

A culpa não é do amor

Em Crime e Castigo, Raskolnikov é um niilista com mania de grandeza que mata friamente e depois é tomado do sentimento humano de culpa que acreditava ter exterminado junto com a vítima. Fico pensando se a elite de negociação paulista não esperou que o seqüestrador da moça Eloá incorporasse Raskolnikov e que ele, não suportando mais os reclames da consciência, rumasse pacificamente para os braços do Pai-Estado. Esqueceu-se, porém, que na história de Dostoiveski, o personagem primeiro mata e só mais tarde é que se entrega devorado pelo remorso.

No entanto, uma sucessão de gestos tresloucados começou desde que Lindemberg, o rapaz acometido de ciúme doentio - e como todo ciúme, mesmo o “saudável”, já carrega o vírus da loucura passional -, tomou Eloá como refém, como que obrigando a garota a sentir os mesmos carinhos que outrora nutriram mutuamente. Esses moços, pobres moços, ignoram que o coração das adolescentes é um passarinho que desde antes do orkut não tem gaiola que prenda por mais de duas longas semanas.

Da menina Eloá pouco se pode dizer nesses primeiros momentos. Porém, mesmo o desamor da menina pelo ex-namorado ou o típico exibicionismo juvenil pela internet, nada disso justifica um assassinato. Além do mais, culpar a adolescente é só uma amostra do atávico machismo que não ousa perder uma paixão.

O que dizer ainda da refém Nayara, que inacreditavelmente retornou ao cenário do cativeiro, seja por conta própria ou por conta da polícia. Por causa da intimidade com a amiga Eloá e por conhecer o relacionamento anterior de ambos, teria ela deixado de enxergar a terrível situação em que se encontraria outra vez?

Da polícia: confiou-se que tudo estava mais para briga de namorados? Suspeitou-se de que meramente se tratava de um destempero passional.? Apesar das negociações, dos diálogos, o que a população registrará da ação policial é: uma refém morreu, outra está hospitalizada, o seqüestrador passa bem.

Dos presos: as celas se acham mais dignas do que o rapaz assassino, os presos exercem um estranho senso de justiça e ameaçam a quem poderiam receber como um igual, pois todos erraram gravemente e não há um justo sequer, não nenhum.

Um fato que passou despercebido, mas não surpreende, é que Lindemberg, em suas últimas conversas pelo celular com os policiais, disse que estava ouvindo duas vozes diferentes. Uma lhe dizia para se acalmar e perceber a insanidade dos seus atos ali. A outra lhe dizia para “cobrar”, para ir até o fim. Desta última voz o seqüestrador dizia que era de um “diabinho”. Vale perceber que antes do trágico desfecho o rapaz tinha noção do certo e do errado, do bem e do mal. Some-se a fome, o sono, a fadiga física e mental, e vê-se que a escolha que fez obedeceu ao desejo de vingança.

De todos os crimes, aqueles cometidos em nome da paixão não-correspondida são, se é possível dizer assim, os mais indesculpáveis. Alcança pobres, remediados e ricos. O assassino passional não pode justificar-se na pobreza nem na riqueza, nem pode culpar a família, a escola ou a sociedade. Ele só pode assumir-se como o único responsável que ainda tenta pôr a conta nos desatinos do amor. Do amor? Culpar o amor é mais uma invenção humano-diabólica, porque só se mata por não amar.

Comentários

André R. disse…
Pura tragédia, desde a incompetência da polícia até a insanidade dos pais de deixar a filha namorar qualquer doido da rua.

É uma tragédia para todo o Brasil...
Julison disse…
O André citou um ponto importante no comentário anterior: "a filha namorar qualquer doido da rua"... Apesar de, na minha opinião, ser muito difícil os pais proibirem (acabam namorando escondido), seria bom tanto em casa quanto na escola e até igreja, que esse assunto fosse discutido... e o meu conselho para as mulheres: CONHEÇAM ANTES COM QUEM VOCÊS VÃO SE "ENROLAR"!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta