Pular para o conteúdo principal

ocupado em palestras

Nesse fim de semana, estarei no Encontro de Músicos da Associação Sul-Paranaense (ASP) realizando duas palestras (o que tem me impedido de atualizar o blog nos dois ultimos dias):

Música no Culto: doxologia, adoração, mensagem - sobre elementos musicais apropriados para as atividades musicais que fazem parte da programação do culto. Os tópicos relacionados são: o processo inicial antes da pregação pastoral que inclui música para a entrada das pessoas que comporão a plataforma, música para o ofertório e para o louvor congregacional; foi me pedido especialmente para falar sobre a música para os momentos finais do sermão.

O Uso dos Instrumentos na História do Cristianismo - vou apontar os registros históricos que falam da música no culto cristão primitivo, na Reforma Protestante, nos movimentos avivalistas norte-americanos e na igreja adventista do sétimo dia. Claro que metade da palestra será dedicada aos instrumentos de percussão nas igrejas. Nesse item, vou destacar alguns mitos que têm eclipsado uma compreensão mais abrangente e aprofundada sobre os instrumentos de percussão, como as experiências pseudocientíficas e as falas que atribuem "maldade inerente" a instrumentos musicais.

Minha participação será no domingo, dia 05, de manhã e de tarde. Para quem está em Curitiba, o evento será no Colégio Adventista do Portão, a partir das 9 da manhã.

Na semana que vem comento aqui o teor das palestras e a resposta dos participantes.

Comentários

zierley rojard disse…
beleza. estamos esperando. abraço.
Teólogo disse…
Brother se tiver um tempo da uma olhada na versao mais atual do artigo no meu blog... Tem uns dados intetessantes sobre a resposta da igreja a msg da carne santa no que tange à percussão que vc poderia mencionar... e obviamente faz um plug do artigo lá... Hehe

Abraço
joêzer disse…
caro andré,
estive olhando a última versão (última?rsrs). atualizar e melhorar o que se escreve é sempre bom. como eu lhe disse, há alguns tópicos (como a interpretação de que os estilos e a falsa doutrina se repetiriam no futuro) nos quais ainda não tenho uma opinião totalmente formada. penso que, EW podia estar se referindo a sua própria época, pode ser uma profecia condicional, pode estar relacionada a outras igrejas de hoje e pode representar atitudes e comportamentos isolados (e não oficiais) da iasd.
mas creio que fiz bom uso das informações.
Teólogo disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Teólogo disse…
exatamente e creio que explorei bem esses conceitos na ultima versão 67.002 rsrs

o problema que há com a interpretação oficial da profecia é de que isso vai acontecer na IASD a todo custo e não é profecia condicional não...

junto com essa tem a "apostasia ômega" que creio ser outro abuso de interpretação.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta