14 julho, 2009

sigam-me os bons

Amigo leitor, amiga leitora: os números têm força, acabei de comprovar. Semanas atrás decidi inserir o link "amigos do blog" na coluna ao lado. É uma ferramenta nova e mal sei como usá-la. Acontece que, hoje, ao abrir esta página, me deparei com um número que seria natural se não fosse incômodo. O número é o 12. Se esta fosse a quantidade de leitores desse blog, eu não me incomodaria. Hum, me incomodaria, sim. Deixemos de modéstias incoerentes.

No entanto, quando doze é o número de "seguidores" inscritos no blog, aí eu tenho medo. O que vão dizer por aí? Que eu tenho doze seguidores? Veja que esse número é forte demais. Não sou o Zagallo, mas se chegar a treze, cai melhor do que doze. Ou não?

Agradeço aos bravos que me acompanham até aqui. Uma página virtual em branco pode assustar tanto quanto a página de papel em branco. Começar é o mais difícil, porque assuntos há aos montes. Que valham a pena repartir com os amigos, aí é outra história.

Aproveito para indicar o link com o meu texto publicado na Revista do Conservatório da UFPEL: "O Evangelho segundo o gospel". Aqui, a página inicial da revista. Aqui, o link direto para o texto.

2 comentários:

Julison disse...

Agora você já passou da "maldição" dos doze (Judas!)... mais ainda tem a "maldição" dos quarenta... rsrsrs quarenta eram os "companheiros" de Ali-Babá... quarenta foram os "companheiros" de Lula processados no mensalão... boa sorte! rsrsrs

joêzer disse...

isso não é "praga" de bento carneiro, o vampiro brasileiro, não, né?
valeu!