Pular para o conteúdo principal

alienados de Fidel, engajados em Victor & Leo

Lembra daquela canção que diz que "ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais"? Tem muito de verdade nisso, mas não "somos universitários" como nossos pais. Enquanto a universidade se dividia em engajados vs. alienados nos conflitos ideológicos e políticos dos anos 60 e 70, hoje o destaque é dado aos fariseus universitários que jogam pedra nas Genis de minissaia e às donzelas engajadas na noite baladeira do sertanejo universitário.

Os engajados viviam segundo o evangelho comunista de Fidel e Che Guevara e só ouviriam canções “revolucionárias”. Os chamados “alienados” preferiam escutar a Jovem Guarda. Atualmente, os universitários estão mais distantes e alienados de Fidel, ainda bem. Muitos aderiram à causa engajada no entretenimento de Victor & Leo. Bem, cada geração tem a jovem guarda que merece.

Sim, a música sertaneja não larga o osso do sucesso passageiro. Mas estamos falando de festas de universitários, o que quer dizer que o sertanejo que eles ouvem vem da viola singela de Helena Meireles, da poesia de Almir Sater, do cancioneiro de Renato Teixeira, certo? Mas que nada. Os universitários andam curtindo mesmo é a linha decadente da música sertaneja que foi se diluindo, diluindo até desembocar no pula-pula e no chora-chora do "sertanejo universitário".

A trajetória do estilo pode ser resumida nos nomes dos cantores sertanejos. Em priscas eras, juntavam-se dois nomes caipiras e a cantoria começava: Tonico e Tinoco, Pena Branca & Xavantinho, Tião Carreiro e Pardinho. Ou uma dupla de cognome, digamos, "chamativo": Milionário & Zé Rico, Gavião Moreno e El Condor, Domingo e Feryado, e o inacreditável Bátima e Robinson. A dupla Chitãozinho & Xororó foi a última dos apelidos rurais.

Nos anos 90, os nomes eram mais urbanos, já que a patroa começava a assumir que gostava da mesma música que sua empregada ouvia: Leandro e Leonardo, João Paulo e Daniel, Gian e Giovani, Zezé di Camargo e Luciano. Hoje, os nomes escolhidos são tão mauricinhos quanto inodoros: Victor e Leo, Jorge e Mateus, João Bosco e Vinícius, Lucas & Matheus (este último não é dupla gospel). Ou se junta um nome citadino com um apelido caipira: Fernando e Sorocaba, Matogrosso e Mathias.

Enquanto nossos pais, ou pelo menos, os pais de alguns, cantavam as músicas de protesto de Geraldo Vandré e Chico Buarque, e eram obrigados a camuflar o "cale-se" da ditadura com um "cálice" na letra, nossos universitários de hoje, ou pelo menos, boa parte deles, cantam a música conformada dos amores chorosos e as letras que não camuflam nem o primarismo. Onde está o "cale-se" quando a gente mais precisa dele?

Não pense o leitor que vivo a sonhar com uma casinha branca de varanda, um quintal e uma janela para ver o sol nascer. Aguento firme só uns 10 dias nesse cenário bucólico. Não faço planos de me mudar para um rancho fundo bem pra lá fim do mundo (embora a canção No Rancho Fundo seja das melodias mais belas do repertório nacional). Mas a canção sertaneja já viveu dias mais interessantes.

O sertanejo moderno abusa da temática do amor perdido, embora as letras estejam menos embebidas em dor-de-cotovelo. Ainda há letras de duplo sentido, mas bem longe da pornofonia do batidão do funk. A melodia continua simples, mas os gogós, quanta diferença. Há menos trinados inalcançáveis, menos veias saltando na garganta.

Ao contrário do "forró universitário", que prefere as raízes pé-de-serra do estilo, o sertanejo universitário bebe no caldeirão pop que ergue ídolos e os esquece em uma estação. Essa rápida troca de guarda no topo das paradas tem lá suas vantagens. Já pensou o que seria do ouvinte passar 20 anos ouvindo Luan Santana?

Aqui, uma lista de nomes estrambólicos de duplas.

Comentários

douglas reis disse…
Muito bom o texto! Só o título me chamou a atenção (e isso desde ontem, quando eu escrevia alguma coisa...). Em grande parte, o esvaziamento de nossos universitários, no que tange às suas concepções musicais, reflete o fato de que a Universidade não é mais um centro de cultura, mas vem se tornando um ambiente hedonista e indiossincrático.
joêzer disse…
Ainda bem que os universitários estão menos soldados de Fidel. Mas não precisavam ter ido para o lado hedonista da "Força".
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta