Pular para o conteúdo principal

jovens velozes + sons furiosos

[O site da revista Rolling Stone destacou uma pesquisa sobre música e velocidade no trânsito. Meus comentários sobre os resultados seguem depois].

Os adeptos do cooper sabem que não há nada como uma música agitada explodindo nos ouvidos para aumentar o pique da corrida. Não dá para ouvir canções calminhas ou você vai é querer voltar para a cama.

Agora, essa mesma lógica, quando aplicada a um motorista, pode ser perigosa. É isso que mostra uma pesquisa realizada pela empresa fabricante de peças de automóveis Halfords, que entrevistou condutores para saber se o comportamento deles é afetado pela música que ouvem enquanto estão atrás do volante. 60 % dos participantes responderam que sim.

A análise continuou para saber quais faixas afetavam esse comportamento e o resultado foi o seguinte:

As mais perigosas
1 - Beastie Boys - "Sabotage"
2 - The Prodigy - "Firestarter"
3 - Papa Roach - "To Be Loved"
4 - Kanye West - "Stronger"
5 - Rachmaninoff - "Prelúdio em Dó Sustenido Menor"


Foi feita também uma lista de músicas tranquilas:


As mais calmas
1 - Vivaldi - "As Quatro Estações"
2 - Jack Johnson - "Breakdown"
3 - Adele - "Someone Like You"
4 - Coldplay - "Yellow"
5 - Fleetwood Mac - "Landslide"


Fonte: Rolling Stone Brasil (música + volante: perigo constante?)

*****
Nota na Pauta: a soma de música + volante pode ser perigosa. Mas apesar do trocadilho, não dá pra fazer uma ligação direta. Há outros fatores envolvidos, como: faixa etária - jovens entre 18 e 30 anos; consumo de álcool e outras drogas; pressa; velocidade; desatenção; desprezo pelo código de trânsito. Agora junte um grupo de alcoolizados velozes ouvindo sons furiosos. Aí é perigo constante. Principalmente se eles seguirem a letra da música que estão ouvindo. Confira alguns trechos:

Firestarter (a segunda mais "perigosa"): "eu sou o iniciador do problema, sou o perigo ilustrado, sou um incendiário" e assim a letra segue com o cara no maior orgulho de ser um detonador. Parece o hino do homem-bomba.

To be loved (terceira no Top Danger): "aumente o volume, eu quero ouvir você berrar, fique pronto para por o pé na tábua". Puro desejo de potência, porque no refrão ele entrega a carência: "Eu quero respeito, eu só quero ser amado". A levada é pauleira, mas a auto-estima é de dar inveja ao Restart.

Mas o perigo não é só rap e eletropunk. Até músicas lentas oferecem risco à segurança. A quinta colocada nada mais é do que o lento e doloroso Prelúdio em Dó Sustenido Menor, de Rachmaninoff. Entendo. Tem canções do grupo português Madredeus que na voz pungente de Teresa Salgueiro também deixa a gente pensativo e distante. E carro não é bem o lugar pra ficar pensando na morte da bezerra.

A ligação entre música e fisiologia humana às vezes é superestimada. Mas a despeito da importância dos fatores culturais e sociais envolvidos na escuta musical, essa pesquisa sobre música e velocidade no trânsito demonstra que nossa reação psicossomática (mente e corpo) imediata não pode ser menosprezada.

Comentários

Evanildo Júnior disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Evanildo Júnior disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Evanildo Júnior disse…
Fiz questão de ouvir todas as 5 músicas 'perigosas'. Os vídeo-clipes são de bizarros à surreais. Essa do Rachmaninoff me assusta em algumas partes! rs

Quero mesmo uma música que me ajude a sair da cama de manhã! Sugestões? =)
joêzer disse…
Para levantar inspirado, "Assim falou Zaratustra", de Richard Strauss, pra gente pensar que está na aurora da humanidade.
Agora, se for pra levantar correndo, meu professor de regência dizia pra gente colocar "Acorda, Maria Bonita...".rsrs

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta