Pular para o conteúdo principal

o grão da voz

Luiz Tatit. Aprendi muito no mestrado com esse professor da USP. Uma das frases do Tatit nunca me saiu da cabeça: "Se você não gosta de uma música, experimente ouvi-la na voz do seu cantor predileto".

Eu nunca fui fã da dupla Zezé di Camargo e Luciano e do esforço para gritar "É o amoooor, que mexe com minha cabeça lalaiá lalaiá...". Até o dia em que assisti o biofilme Dois Filhos de Francisco e ouvi a mesma música na voz de Maria Betânia. Não, também não sou fã de Betânia. O que gostei, na verdade, foi da voz sem berreiro, em voz mais grave, dita sem afobação, no arranjo sem a batidinha repetitiva e efeitos de teclado Casio. Percebi que a música tinha prumo, tinha uma melodia boa. De fato, aprecio vozes femininas mais contidas e arranjos mais intimistas e sem grandiloquência. Enfim, gosto do famoso "menos é mais".

Talvez aconteça de pessoas gostarem mais da música da Maria Betânia se a ouvirem na voz de Zezé di Camargo. Conheço pouco de ambos os cantores, mas isso não desautoriza minha afirmação, baseada no que disse o Tatit, de que gostar do estilo vocal de um cantor nos leva a preferir músicas naquele estilo.

Outros exemplos: há pessoas que não gostam do estilo e da voz de Chico Buarque, mas apreciam a mesma música desse compositor quando a ouvem na voz de uma cantora de sua preferência. Não sei se esse fenômeno se dá com todo e qualquer estilo. Prefiro não experimentar. Mas talvez seja possível tirar leite de pagode.

Um exemplo possível na música cristã: as músicas dos Arautos do Rei ou do Gaither Vocal Band talvez sejam apreciadas quando são cantadas na voz dos grupos Novo Tom e Take 6. Esses grupos não cantarão aquelas músicas da mesma maneira que os dois quartetos, pois as apresentarão com seu jeito peculiar, idiossincrático de cantar e fazer os arranjos.

Roland Barthes chamava essas particularidades vocais de "o grão da voz". O modo de cantar equivaleria ao modo de dizer as coisas. E, assim como cada indivíduo possui um jeito único de falar, cada cantor demonstra sua singularidade vocal ao cantar. E percebemos vozes especiais quando ouvimos o timbre e o modo único de dizer as coisas pela voz de Silvio Santos, William Bonner, Lula. Ouvimos esse "grão da voz" ao notar a distinção vocal de Elis Regina, Diana Krall, Roberto Carlos, Tim Maia. A canção parece adquirir a personalidade de quem a está entoando. 

Além disso, às vezes essa mesma canção vem apresentada em estilos diferentes de arranjo instrumental, com uma forma peculiar de usar banda e/ou orquestra.  

Não gosta de uma música? Experimente ouvi-la na voz do seu cantor predileto.

Comentários

Jayme Alves disse…
Dois exemplos admiráveis de como o sabor de uma canção pode mudar quando ela é temperada por novas vozes e arranjos:

- Diego Moraes transmuta "Garçom" (sim, o hit do Reginaldo Rossi!): http://www.youtube.com/watch?v=jt-fgNGNV5Y

- Jamie Cullum remodela "Please Don't Stop The Music" (hit planetário da Rihanna): http://www.youtube.com/watch?v=kYhT7oCDoqM

Vários outros experimentos da culinária musical poderiam integrar esse menu...
joêzer disse…
bons exemplos mesmo, jayme. quando caetando regravou aquele "brega" do peninha ("às vezes no silêncio da noite...) muita gente gostou.
Preto disse…
"é o amor" não saiu da minha cabeça, quando vi o filme. pra mim, parece que ela só existe na voz de maria betânia. ficou linda.
tem um exemplo bacana no meio gospel que é a música "com cristo é vencer ou vencer", lançada no estilo pentecostal de Cassiane. virou um hino, todo mundo cantava. mas nunca gostei desse estilo. um dia ouvi uma cantora baiana, que já fez vocais pra ivete sangalo e hoje é adventista, não lembro o nome dela, cantando essa música com uma voz doce e num estilo bem mpb. sensacional!
Jayme Alves disse…
Mais um exemplo interessante: nos anos 70, João Gilberto, o papa da bossa nova, surpreendeu sua audiência sofisticada ao depurar boleros e outras canções popularescas("Besame Mucho","Eclipse", "Estate"...).
joêzer disse…
jayme, não ouvi a regravação do João Gilberto, mas aposto que ele estragou os originais. hehe
Prof. Kelly disse…
Adorei esse post...

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…