Pular para o conteúdo principal

o capitão obama contra o odioso osama

Osama Bin Laden, o vilão globalizado, foi morto por Barack Obama, o xerife globalizado. Osama, que elegeu a civilização judaico-cristã-ocidental como alvo preferencial de sua fúria homicida, teria sido morto com um tiro na cabeça e jogado ao mar após os rituais islâmicos. Fica meio difícil de acreditar nessa reverência súbita, contando que militar americano só dá tratamento religioso à bandeira americana.

A Casa Branca decidiu não mostrar nenhuma foto do corpo estendido no chão. Só que, sem turbante e sem documento, o povo fica descrente.  Mas sejamos francos. Do jeito que as pessoas amam uma teoriazinha da conspiração, mesmo que os soldados tivessem filmado a ação espetacular, muita gente veria apenas uma bem editada encenação hollywoodiana, e colocariam as imagens na mesma seção histórica sob suspeita onde estariam os passos do homem na lua.

Não é que a civilização judaico-cristã-ocidental esteja reclamando da morte de Osama. Mas a porção Tomé-ocidental se acostumou a ver para crer.

Nem eu tampouco reclamo da civilização judaico-cristã-ocidental: muito pelo contrário, amo muito tudo isso. A gente só se queixa quando tem muita conversa de “guerra civilizatória” e pouca demonstração de “paz judaico-cristã”.

Perseguido em todas as cavernas da Ásia, Osama vagava de esconderijo em esconderijo como um fantasma do homem mais perigoso do mundo. Agora é provável que sua morte reúna órfãos ansiosos para dar continuidade a essa história de retaliação sem fim.

Surgiu também a pergunta: Obama teria agido como vários de seus predecessores, como um Capitão Nascimento (ou um Jack Bauer, pra ficar na terra dele mesmo), autorizando o assassinato do assassino? Uma coisa é certa: os Estados Unidos nunca abandonaram seu papel triplo de policial, juiz e executor.

A população norte-americana, que foi quem realmente sentiu o ataque do 11 de setembro, nem quis saber se os soldados atiraram primeiro e perguntaram depois ou se Osama reagiu ao ataque. Comemorou como se marcassem um gol decisivo na copa do mundo de caça aos terroristas . Não por acaso, alguém celebrou com um cartaz onde se lia o placar Obama 1 x 0 Osama.

Se Osama morre, Obama renasce. E Barack andava em apuros. Já tinha americano duvidando da autenticidade de sua certidão de nascimento de novo (olha o bloco da conspiração aí, gente!). O congresso não o apoiava, a economia cambaleava, o eleitorado chiava. Agora, a aprovação popular de Obama está em alta de novo. E muito pode a popularidade de um presidente.

Para a Casa Branca, uma guerra custa caro. Mas ver americanos eufóricos gritando “Iuessei”, não tem preço.

Comentários

Angelo Repetto disse…
IUESSEI! IUESSEI! hahahahahaha

E diz que o Obama mudou o slogan para: "YES, WE BANG! Nós matamos o Bin! Votem em mim"

Parabéns, mais uma vez, pelo maravilhoso blog...
Felipe Silvestre disse…
Excelente post! Bela e real reflexão. Eu as vezes penso que isso pode piorar. Essa turminha de lá pode querer vingar de uma maneira ainda mais terrível que o 11 de setembro, seria uma verdadeira 3ª guerra mundial. Se chegar a este ponto (queira Deus que não), vai sobrar só pau e pedra.
joêzer disse…
Angelo, Felipe,
provavelmente o Capitão Obama ainda vai ter muito trabalho.
Fénix disse…
Vc encontra uma excelente forma de expressar sua opinião com uma dose ótima de humor, gosto muito!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta