Pular para o conteúdo principal

o capitão obama contra o odioso osama

Osama Bin Laden, o vilão globalizado, foi morto por Barack Obama, o xerife globalizado. Osama, que elegeu a civilização judaico-cristã-ocidental como alvo preferencial de sua fúria homicida, teria sido morto com um tiro na cabeça e jogado ao mar após os rituais islâmicos. Fica meio difícil de acreditar nessa reverência súbita, contando que militar americano só dá tratamento religioso à bandeira americana.

A Casa Branca decidiu não mostrar nenhuma foto do corpo estendido no chão. Só que, sem turbante e sem documento, o povo fica descrente.  Mas sejamos francos. Do jeito que as pessoas amam uma teoriazinha da conspiração, mesmo que os soldados tivessem filmado a ação espetacular, muita gente veria apenas uma bem editada encenação hollywoodiana, e colocariam as imagens na mesma seção histórica sob suspeita onde estariam os passos do homem na lua.

Não é que a civilização judaico-cristã-ocidental esteja reclamando da morte de Osama. Mas a porção Tomé-ocidental se acostumou a ver para crer.

Nem eu tampouco reclamo da civilização judaico-cristã-ocidental: muito pelo contrário, amo muito tudo isso. A gente só se queixa quando tem muita conversa de “guerra civilizatória” e pouca demonstração de “paz judaico-cristã”.

Perseguido em todas as cavernas da Ásia, Osama vagava de esconderijo em esconderijo como um fantasma do homem mais perigoso do mundo. Agora é provável que sua morte reúna órfãos ansiosos para dar continuidade a essa história de retaliação sem fim.

Surgiu também a pergunta: Obama teria agido como vários de seus predecessores, como um Capitão Nascimento (ou um Jack Bauer, pra ficar na terra dele mesmo), autorizando o assassinato do assassino? Uma coisa é certa: os Estados Unidos nunca abandonaram seu papel triplo de policial, juiz e executor.

A população norte-americana, que foi quem realmente sentiu o ataque do 11 de setembro, nem quis saber se os soldados atiraram primeiro e perguntaram depois ou se Osama reagiu ao ataque. Comemorou como se marcassem um gol decisivo na copa do mundo de caça aos terroristas . Não por acaso, alguém celebrou com um cartaz onde se lia o placar Obama 1 x 0 Osama.

Se Osama morre, Obama renasce. E Barack andava em apuros. Já tinha americano duvidando da autenticidade de sua certidão de nascimento de novo (olha o bloco da conspiração aí, gente!). O congresso não o apoiava, a economia cambaleava, o eleitorado chiava. Agora, a aprovação popular de Obama está em alta de novo. E muito pode a popularidade de um presidente.

Para a Casa Branca, uma guerra custa caro. Mas ver americanos eufóricos gritando “Iuessei”, não tem preço.

Comentários

Angelo Repetto disse…
IUESSEI! IUESSEI! hahahahahaha

E diz que o Obama mudou o slogan para: "YES, WE BANG! Nós matamos o Bin! Votem em mim"

Parabéns, mais uma vez, pelo maravilhoso blog...
Felipe Silvestre disse…
Excelente post! Bela e real reflexão. Eu as vezes penso que isso pode piorar. Essa turminha de lá pode querer vingar de uma maneira ainda mais terrível que o 11 de setembro, seria uma verdadeira 3ª guerra mundial. Se chegar a este ponto (queira Deus que não), vai sobrar só pau e pedra.
joêzer disse…
Angelo, Felipe,
provavelmente o Capitão Obama ainda vai ter muito trabalho.
Fénix disse…
Vc encontra uma excelente forma de expressar sua opinião com uma dose ótima de humor, gosto muito!

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…