Pular para o conteúdo principal

música na sala de aula


O ensino de música tem prazo oficial para voltar à sala de aula como disciplina escolar. Quem será o professor? Os formados com licenciatura em música ou a "tia de artes" é quem vai dar a aula de música também? E por que mesmo a escola deve inserir nos inflacionados currículos a educação musical? Que tipo de educação musical será incentivada? Que músicas estarão no programa?


Na questão da importância da educação musical está um mar de pesquisas que revelam:
- a existência de afinidades entre o desenvolvimento musical e o desenvolvimento intelectual dos estudantes;
- a relação entre música, comportamento e relacionamento interpessoal;
- o sucesso de projetos sociais que se valem do ensino da música nas áreas urbanas mais pobres.

No entanto, muita gente ignora os atributos do fazer musical na sala de aula e pensa que o ensino de música deve dirigir-se apenas aos "mais talentosos". Essa ideia causou um grande mal à democratização da música, cuja instrução formal se tornou um privilégio de famílias economicamente mais abastadas. Outro argumento dominante e também contrário à educação musical nas escolas condena o caráter de entretenimento e diversão tradicionalmente ligado à música e acusa uma suposta futilidade das aulas de música. Fora aqueles que dizem que música não se aprende no colégio, mas em práticas musicais intuitivas longe da escola. É muita torcida contra!

Uma das primeiras tarefas da educação musical será a de justificar-se enquanto disciplina “séria” perante os pais de alunos e a sociedade. Terá que esclarecer que a educação musical na escola não pretende formar músicos profissionais (e a escola, porventura, forma geógrafos ou físicos?).

Em vez de servir apenas de objeto promocional de escolas ou como repertório de festejos cívicos e folclóricos, a música na sala de aula deve contribuir para a formação geral do estudante, aguçando sua sensibilidade estética, desenvolvendo sua capacidade de criação e ampliando seu universo cultural.

Então, por que música na escola? Liane Hentschke, pedagoga musical, argumenta que a música pode proporcionar ao aluno o desenvolvimento de sua sensibilidade artística e de sua imaginação criadora, um sentido histórico de nossa herança cultural, meios de transcender o mundo musical do seu ambiente social e cultural, o desenvolvimento cognitivo, afetivo e psicomotor, o desenvolvimento da comunicação não-verbal. Dito assim, parece a salvação da lavoura escolar. Mas não podemos subestimar as razões e os efeitos de uma bem-sucedida experiência com a música na sala de aula.

Referências:
Ilza Joly, "Educação e educação musical". Em: Ensino de música: propostas para agir e pensar em sala de aula (Liane Hentschke & Luciana Del Ben, org.), 2003, pp. 113-126.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta