Pular para o conteúdo principal

Rio, ou Como depreciar um povo e ficar milionário

Quando o avião em que eu estava passou ao lado do Pão de Açúcar e vi aquele mar, aquela praia (e antes “da janela vi o Corcovado, o Redentor, que lindo”), eu me convenci: o Rio de Janeiro continua lindo... mas aqui de cima. Mas que nada. Passei 3 dias na cidade desfrutando a maior, ufa, tranquilidade.

A animação Rio te dá essa impressão logo no começo. Imagens aéreas da cidade maravilhosa. E logo a seguir, imagens nada maravilhosas do povo da cidade. O esplendor técnico do filme é de encher os olhos, mas a visão depreciativa do carioca (e por tabela, do brasileiro) só pode ser fruto de uma cegueira social.

Não estou pedindo que a Disney as produtoras roliudianas nos mostrem em nossa teia complexa de comportamentos. Até porque ninguém se importa com os estereótipos quando eles são texanos, mexicanos , muçulmanos ou portugueses, né? Mas a preocupação do diretor Carlos Saldanha (o mesmo de A Era do Gelo) em ser complexo e sofisticado está só no magnífico uso das cores para pintar os cenários e os personagens aves.

A história do filme se passa no carnaval. Então, todo mundo na cidade só pensa em cair no samba. Só o personagem principal, Blu, uma ave criada nos Estados Unidos, diz a certa altura que não gosta de samba: “É sempre o mesmo ritmo: tico-tico-lá-lá-lá, tico-tico-lá-lá-lá”. Essa fala irônica, claro, vai se converter em deslumbramento na passarela do carnaval.

Se de cima vemos as belezas naturais, de baixo só se mostra traficantes de aves, favela, criança abandonada, gente assistindo futebol, gente sambando, gente sambando na praia, sambando em casa, sambando na faixa de pedestre, cachorro sambando, arara sambando... e macaquinhos assaltando turista (yes, los macaquitos). Enfim, todo aquele mostruário já bem conhecido dos estrangeiros: o Brasil é só folia e carnaval. Ah, sim, e trombadinha também.

Rio tem lá seus momentos engraçados e criativos. Mas o saldo que ficou pra mim é outro: o filme consegue depreciar o povo de um lugar e ainda faturar uma grana com isso. Uma sátira ao país é uma coisa. Nós mesmos fazemos troça e rimos do Brasil. Outra coisa é tratar disso como algo tão natural e intrínseco do país como um pé de bananeira.

O Brasil não é só carnaval, mas nosso povo é carnavalizado até bem depois da Quarta-Feira.

E quem, assim como eu, não gosta de carnaval? Aí, bom sujeito não é; ou é ruim da cabeça ou doente do pé. Ou doente da asa, como Blu, que só aprende a voar, claro, no Brasil.

Comentários

Prof. Kelly disse…
Inicialmente, não acreditei... após assistir o filme, confirmei e concordei!! Também acho que outras perspectivas poderiam ser exploradas... o diretor "esculachou"!!!! kkkkk
Deise Carelli disse…
Pois é, eu gosto de carnaval, não assisti "Rio" e nem fiquei com vontade. Acho a sua crítica bem pertinente e estou cansada de ver os estereótipos rendendo dinheiro e falindo a nossa busca por verdades.
Abraço Joêzer.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta