Pular para o conteúdo principal

Rio, ou Como depreciar um povo e ficar milionário

Quando o avião em que eu estava passou ao lado do Pão de Açúcar e vi aquele mar, aquela praia (e antes “da janela vi o Corcovado, o Redentor, que lindo”), eu me convenci: o Rio de Janeiro continua lindo... mas aqui de cima. Mas que nada. Passei 3 dias na cidade desfrutando a maior, ufa, tranquilidade.

A animação Rio te dá essa impressão logo no começo. Imagens aéreas da cidade maravilhosa. E logo a seguir, imagens nada maravilhosas do povo da cidade. O esplendor técnico do filme é de encher os olhos, mas a visão depreciativa do carioca (e por tabela, do brasileiro) só pode ser fruto de uma cegueira social.

Não estou pedindo que a Disney as produtoras roliudianas nos mostrem em nossa teia complexa de comportamentos. Até porque ninguém se importa com os estereótipos quando eles são texanos, mexicanos , muçulmanos ou portugueses, né? Mas a preocupação do diretor Carlos Saldanha (o mesmo de A Era do Gelo) em ser complexo e sofisticado está só no magnífico uso das cores para pintar os cenários e os personagens aves.

A história do filme se passa no carnaval. Então, todo mundo na cidade só pensa em cair no samba. Só o personagem principal, Blu, uma ave criada nos Estados Unidos, diz a certa altura que não gosta de samba: “É sempre o mesmo ritmo: tico-tico-lá-lá-lá, tico-tico-lá-lá-lá”. Essa fala irônica, claro, vai se converter em deslumbramento na passarela do carnaval.

Se de cima vemos as belezas naturais, de baixo só se mostra traficantes de aves, favela, criança abandonada, gente assistindo futebol, gente sambando, gente sambando na praia, sambando em casa, sambando na faixa de pedestre, cachorro sambando, arara sambando... e macaquinhos assaltando turista (yes, los macaquitos). Enfim, todo aquele mostruário já bem conhecido dos estrangeiros: o Brasil é só folia e carnaval. Ah, sim, e trombadinha também.

Rio tem lá seus momentos engraçados e criativos. Mas o saldo que ficou pra mim é outro: o filme consegue depreciar o povo de um lugar e ainda faturar uma grana com isso. Uma sátira ao país é uma coisa. Nós mesmos fazemos troça e rimos do Brasil. Outra coisa é tratar disso como algo tão natural e intrínseco do país como um pé de bananeira.

O Brasil não é só carnaval, mas nosso povo é carnavalizado até bem depois da Quarta-Feira.

E quem, assim como eu, não gosta de carnaval? Aí, bom sujeito não é; ou é ruim da cabeça ou doente do pé. Ou doente da asa, como Blu, que só aprende a voar, claro, no Brasil.

Comentários

Prof. Kelly disse…
Inicialmente, não acreditei... após assistir o filme, confirmei e concordei!! Também acho que outras perspectivas poderiam ser exploradas... o diretor "esculachou"!!!! kkkkk
Deise Carelli disse…
Pois é, eu gosto de carnaval, não assisti "Rio" e nem fiquei com vontade. Acho a sua crítica bem pertinente e estou cansada de ver os estereótipos rendendo dinheiro e falindo a nossa busca por verdades.
Abraço Joêzer.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…