Pular para o conteúdo principal

duas avenidas, duas músicas

Há duas avenidas para encurtar a vida de um ídolo pop: decadência musical e degradação física. Amy Winehouse trafegou sem volta pelas duas. São avenidas que se cruzam, uma leva a outra. Para achar um caminho alternativo é preciso tempo e vontade. É preciso sumir do mapa, encarar, yes, yes, yes, uma reabilitação e só voltar quando se estiver bem longe daquelas avenidas letais. Como fizeram os atores Robert Downey Jr e Anthony Hopkins. Como até agora não conseguiu fazer a dublê de atriz e cantora Lindsay Lohan.

Rodolfo Abrantes, ex-Raimundos, saiu daquelas duas avenidas a tempo. Ele fez uma conversão no rumo e escapou para contar a história. Sua nova vida dedicada ao evangelho cristão impressiona. Sua nova música é, principalmente, sua nova vida. Ah, dirão alguns, mas ele faz rock gospel e rock é coisa do... Eu me arrisco a dizer que se todo cantor gospel tivesse sua simplicidade no falar e sua atitude ao testemunhar e cantar, eu recomendaria a adoção desse estilo para todos. Mas tem muita pose no mundo do pop/rock gospel. Muita pose e pouca atitude.

Outra conversão surpreendente e agradável foi a de Valéria Valenssa, a ex-globeleza que saiu da larga avenida do carnaval para entrar em rua estreita. No entanto, se o evangelho de Cristo é um caminho estreito, muita gente se encarrega de alargá-lo até ficar bem parecido com uma enorme e conveniente estrada de promessa onde mana “prosperidade e unção”. Aliás, no final dessa estrada tem um cofre cheio de dólares ungidos. E às vezes um fiscal da receita federal esperando.

O casal Kaká e Carol Celico acordou no meio da estrada e resolveu fazer o retorno. Sem apontar diretamente para a Igreja Renascer, a esposa de Kaká diz: “Hoje eu sei que não preciso de certas coisas para ganhar um milagre”. Ela completa dizendo que as pessoas precisam aprender a ler a Bíblia para não serem enganadas.

As descobertas de Carol Celico não a levaram a desacreditar do cristianismo, mas das interpretações e leituras falsificadoras do texto bíblico. Sem desaparecer à sombra da famosa figura de Kaká, ela agora apresenta uma nova faceta: a de cantora. Embora ela mesma não se defina como tal, mas apenas como alguém com oportunidade de falar do evangelho que preza por meio da música.

Tanto Rodolfo Abrantes quanto Carol Celico se viram diante de avenidas largas e aparentemente boas e prósperas. Mas fizeram o retorno; e ambos descobriram que “há caminho que ao homem parece direito, mas o seu fim dá em os caminhos de morte” (Provérbios 16: 25). Com seu novo modo de ver e entender as coisas, eles falando e vivendo do amor que transforma. E isso deve ser música para os ouvidos de Deus.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta