Pular para o conteúdo principal

afinal, o que querem as mulheres do pop?

Sabe a pole dance, aquela dança em que uma mulher fica seduzindo um poste? Pois é. A música pop virou concurso de pole dance. Britney Spears, Rihanna, Beyoncé, Shakira, Fergie, Kate Perry, Nicky Minaj, Ke$ha e congêneres viraram dançarinas de pole dance, barganhando a atenção do público por meio de megavoz (nem todas) e mini-roupas (todas).

Mas, afinal, o que querem as divas do pop? Vestir-se como stripper e rebolar pelo resto de suas vidas? Taí a Madonna, há 30 anos como porta-estandarte do rebolation made in USA.

Não estou atacando de moralista contra as belas moçoilas, que são bem grandinhas pra saber o que fazer da vida e podem se vestir e cantar do jeito que bem entenderem. E nem tenho moral pra ficar jogando pedra na Geni. Mas tem que ser moralista para se preocupar com o arrastão do sensualismo glamourizado das novas estrelas da música pop? Tenho outras razões.

A primeira é esse engodo sofisticado de parte de sociólogos e feministas dizendo que Beyoncé e cia. representam o “empoderamento da mulher contemporânea”. Então é isso? A mulher ganhou mais poder pra vestir lingerie de couro, passar a mão em dançarino sarado e mostrar o corpão para o delírio da galera? O poder conquistado serve para imitar os roqueiros descamisados e priápicos dos anos 70? Grandes proezas.

Empoderamento de fato é a mulher ganhar o mesmo salário que um homem quando ambos exercem mesma profissão. Empoderamento seria a mulher ter direito a muito mais tempo de licença-maternidade para cuidar dos pequenos. Empoderamento é não mais ser usada como isca em propaganda sexista na TV. Empoderamento é a mulher não entrar em casa noturna que facilita sua entrada anunciando, com um machismo atroz, que “até meia-noite mulher não paga”. 

O segundo motivo é o fato de que as maiores estrelas do pop aderem ao “padrão stripper”. Sobra pouco espaço para outro tipo de música e outro tipo de cantora. Madeleine Peyroux? Esperanza Spalding? Sem chance. Estas duas não usam ventilador de palco para cabelos esvoaçantes, nem fazem coreografias com dez dançarinas, nem cantam refrões robotizados.

Por isso, para cada Adele que aparece, surgem dez Shakiras. Já há quem chame a jovem e bem-comportada estrela Taylor Swift de ingênua. Não demora e vão transformar a menina em mais uma periguete do pop do jeito que fizeram com Mariah Carey e Miley Cyrus.

E o Brasil? Oh, yes, nós temos material girls tupiniquins! O calypso, o funk e o axé fazem despontar as novas Gretchens. Os gringos mandam o poperô? A gente responde à altura com o “píri-pirí-pirípi”. A indústria pop americana reduz a mulher a uma caricatura de caras e bocas e pernas? Nossa indústria orgulhosamente apresenta a mulher-pomar (Melancia, Morango...)

Uma Britney Spears sozinha não faz verão. Mas, e a repercussão de uma legião de britneys e rihannas na cabecinha atenta das adolescentes, o que faz? 

Comentários

Prof. Kelly disse…
Ótimo texto!! Há algum tempo compartilho dessa indignação. Confesso que, apesar da minha fase Adele, sempre gostei de um pop, um vozeirão e muitos melismas, como vc bem sabe!! Mas, nunca gostei da apelação. Os melhores álbuns da Mariah são da era pré-silicone, shorts e rappers. Nunca vou entender pq alguém com uma mega voz tem que dançar enlouquecidamente no palco! Como se isso não bastasse, a onda agora é ser bizarro. Rihanna já era chegada na bizarrice, Lady Gaga é a própria, Beyonce está se tornando. E os adolescentes, meus alunos, achando o máximo! :o(
P.S: Brother, comprei o último cd da Adele no iTunes, e é bom demais! Qualquer hora dessa a gente ouve e troca impressões...
joêzer disse…
maravilha,teacher.
Anônimo disse…
Eu sempre me pergunto COMO pode essas mulheres saberem que estão no palco somente como objeto sexual e aceitarem isso. Na minha opinião, há pouca diferença entre elas e as go go girls - sendo que estas recebem o dinheiro das mãos dos espectadores, e aquelas dos contratantes.

Abç,
Cilene
junior disse…
elas ta perguntando se e imoral etc? qerem e por no bolso! pior e kem reclama jogador e cantor ganha muito mas continua comprando CD , camisa, indo estadio! culpa de quem apoia direta ou indiretamente!
Jaime Chacale disse…
Essa é uma situação complicada. A exposição sensualizada de mulheres que foram criadas a imagem de Deus "se é que elas já ouviram disso". O mais agravante é a repercussão de tamanha falta de moral apresenta por essa turma. Lamento muito.
Jayme Alves disse…
Palavras da Esperanza Spalding numa entrevista concedida ontem aqui no Brasil:

"Quando surge uma nova mulher no jazz, os críticos tendem a super sexualizar a artista. O que você acha disso?"

Isso acontece em todos os lugares, porque vivemos em uma era de de super sexualização. Isso se aplica a muitas coisas. Sexo vende e por isso muitos artistas incorporam esse aspecto da sua imagem, porque eles entendem que o seu principal objetivo é sua carreira, é tocar. Então eles pensam: O que vai fazer minha carreira ir pra frente?. Eles têm talento, um som único, beleza e sexualidade também. É só uma questão de o que as pessoas ficam confortáveis mostrando. Para algumas mulheres isso não é algo que as envergonhe. Talvez a mídia incentive , mas o artista também aceita e projeta isso. Também existem casos em que o artista não usa esse aspecto como parte da sua apresentação, mas a mídia não vê essa situação e isso pode magoar um pouco.

Como você lida com essa situação?

Não promovo minha sexualidade, nem me visto sexy, nem coloco isso como um atrativo para que as pessoas ouçam a minha música. Não é a minha natureza e não é assim que eu me defino. Quando as pessoas escrevem sobre mim, citando o que eu faço como uma novidade só porque sou mulher, acho bem frustrante. Penso que é uma pessoa de 50 anos que escreve sobre música, cresceu em uma época diferente. Não levo como pessoal. Mas parece que sou uma mulher fazendo algo reservado especialmente para os homens... Isso representa uma mentalidade ultrapassada, que está morrendo. O preconceito com mulheres está muito enraizado, até as mulheres mais independentes podem se pegar impressionadas por seus próprios estereótipos."

Link: http://revistatpm.uol.com.br/so-no-site/entrevistas/esperanza-spalding.html

Assisti à apresentação dela ontem: estupendo! Ao invés de um espetáculo musical, ela prefere oferecer uma música espetacular.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta