Pular para o conteúdo principal

as músicas de 2011


Alguns dos álbuns que ouvi esse ano, e que considero importantes e bons, eu já gostei na primeira audição, como, entre outros, os trabalhos de Fernando Iglesias, Daniel Lüdtke e Athus (este, por se tratar de músicas já consagradas e ainda com aquelas pequenas joias musicais infantis). E alguns precisaram de mais audições. Faltou escutar outras músicas e cantores, mas aí está minha lista do que consegui ouvir quando meus filhos deixam eu mudar de cd em casa ou no carro:
Um CD que celebra o encontro entre a musicalidade popular e a sofisticação orquestral: Peças de Francis Hime e Nelson Ayres, gravadas pela OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo)

Dois gigantes da música instrumental brasileira na interpretação de dois grandes músicos: GismontiPascoal – A música de Egberto e Hermeto, de André Mehmari e Hamilton de Hollanda

Um CD com obras de um gênio do Romantismo interpretadas por um gênio do recato do sentimento: Chopin – The Nocturnes, de Nelson Freire

Um DVD que vale a pena ouvir de novo e que agrada todas as faixas etárias aqui de casa: Vai Começar, do Quarteto Athus

Um CD calmo, sereno e tranquilo; e inspirador: Madrugada, de Fernando Iglesias

Um CD que entende que a música pop contemporânea pode estar a serviço do evangelho se houver integridade e refinamento artístico: Daniela Araújo 

Um CD que é um bem-vindo sopro de novidade para as melodias de louvor congregacional acompanhado de um DVD que motiva a adoração reverente e alegre: Salmos, de Daniel Lüdtke

Quando voz, poesia e estilo se equilibram em um CD sem medo de ser feliz e cristão: Multiforme, de Paulo César Baruk

Um CD menos preocupado com modernidade sonora e mais centrado numa poesia que foca o amor perdoador e a comunhão: Quem Imaginou, de Vagner Dida

Não é um CD, mas é um testemunho de vida que tem muito mais a dizer que todo um catálogo de extravagância gospel: Rodolfo Abrantes no programa Altas Horas (veja aqui)

Comentários

Fabio Justino disse…
Ontem eu conversava com um amigo, a maior licao que Deus me deu em 2011 (pelo menos ate agora), foi aprender a conviver com pessoas que pensam (e vivem) completamente diferente de mim. Mas, sejamos sensatos, e bom demais ler e ouvir pessoas com opinioes bem parecidas com a nossa e foi isso que eu acabei de sentir ao descobrir este blog.

Deus honre as maos de quem digita e esclareca mais e mais a mente de quem o pensa.

Gostei demais,

Um 2012 Feliz!

Fabio Justino
joêzer disse…
Fábio,
obrigado pela gentileza do comentário. Um ótimo 2012 pra você!
lmmc disse…
várias sugestões anotadas :)

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta