Pular para o conteúdo principal

perdoa-me por não consumir


Logo após a II Guerra Mundial, o mundo estava falido, faminto e sem crédito. Mesmo o vigoroso parque industrial dos Estados Unidos via seu futuro ameaçado. Quem compraria os produtos fabricados pelos EUA? E onde os milhares de soldados que voltavam pra casa iriam trabalhar?

A solução veio de Victor Lebow, um consultor norte-americano especializado em varejo. A saída era a aceleração do ciclo de produção e consumo: “Nossa economia enormemente produtiva requer que façamos do consumo o nosso modo de vida, que convertamos a compra e o uso de mercadorias em rituais, que busquemos a nossa satisfação espiritual ou do nosso ego no consumo. Nós precisamos de coisas consumidas, destruídas, gastas, substituídas e descartadas numa taxa continuamente crescente” (Carta Capital, ed. 675).

E assim se fez. Houve tardes e manhãs e substituiu-se a “economia de abastecimento” pela “economia de consumo”. E o parque industrial “curtiu” muito tudo isso.

A média de durabilidade de 99% dos produtos comercializados nos EUA é de seis meses. Antigamente, as pessoas compravam bens duradouros. Hoje, precisamos retornar constantemente às lojas. Não para reclamar de defeitos do produto, mas para adquirir o mesmo produto agora com outra cor, outro tamanho, outro acessório. O tempo de fossilização de um telemóvel (o celular) ou de um automóvel se conta em lapse-time, o lapso de tempo das imagens aceleradas.

A esse processo de rápido envelhecimento dos produtos chamamos de obsolescência planejada. Parece teoria da conspiração, mas na verdade, foi uma solução bem prática para o mercado. A questão não era mais só abastecer/vender para pessoas que não tinham determinado produto. O negócio do século XX foi vender o mesmo produto várias vezes para as mesmas pessoas.

Nossa economia está organizada para vender produtos para a porcentagem da humanidade que é capaz de comprar. Claro que sempre vai ter gente que faz como fazem os países falidos do Euro: tomam empréstimos para pagar dívidas. Ou seja, são cidadãos e governos que vivem de acordo com suas posses, ainda que tenham que se endividar para fazê-lo!

O círculo produção-consumo viciou a população: o povo para de comprar, o setor industrial para de produzir, o governo diz “sim” ao lobby dos eletrodomésticos e das montadoras e lá vem de novo a gritaria dos comerciais de carro, fogão e TV. Quer pagar quanto?

Mas eu já tenho! Mas o seu não faz isso, nem isso, nem é assim! Mas eu não posso! Mas nós parcelamos em suaves prestações! E aí, mesmo sabendo que “suaves prestações” são duas palavras tão inconciliáveis quanto “puxe/empurre”, você leva o produto.

Já nos deram espelhos e vimos um mundo doente. Agora, nos dão cartões de plástico. E isso divide a doença em 24 vezes.

Mas se eu paro de ir às compras, a loja despede funcionários, e é mais gente que não irá mais ao shopping, e então as indústrias pedem um corte de juros ao governo, que corta os juros, o que me levará ao shopping, o que aumenta minha dívida no cartão, o que me fará parar de ir às compras, fará a loja demitir...

Parece até que a culpa pela falência mundial do capitalismo é minha. Endividado, vou lá quitar a honra do planeta. Digo ao atendente: “Perdoa-me por não consumir”. E pago. O gerente olha o débito quitado e me diz “Perdoadas estão tuas dívidas”. E saio. Uma voz difícil de atender me diz “Vai e não consumas mais”. E volto pra casa contrariado, mas aliviado. 

Comentários

Prof. Kelly disse…
Vc se inspirou no 'História das coisas'?!?!
Alessandra disse…
tb me lembrei "História das coisas" http://video.google.com/videoplay?docid=-7568664880564855303#

belo texto, "curti". Podemos estar tão ocupados em querer e ter e esquecemos de "ser".
joêzer disse…
kelly e alessandra, um mês atrás assisti esse curta da "história das coisas". deve ter vindo à tona meio inconscientemente na hora de escrever. o que me motivou a escrever foi uma matéria da Carta Capital dessa semana sobre consumo e meio ambiente. tks pela leitura!
Rogério - RJ disse…
Irretocável!
joêzer disse…
obrigado pela leitura, Rogério.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta