Pular para o conteúdo principal

eu odeio música clássica

"Eu odeio música clássica: não a coisa, mas o nome. Há pelo menos um século, a música tem sido escrava de um culto elitista medíocre que tenta fabricar autoestima agarrando-se a fórmulas vazias de superioridade intelectual. Pensem nos outros nomes que lhe dão: música "erudita", música "séria", "grande" música, "boa" música. 

"Os compositores foram traídos por uma gente bem-intencionada que acredita que a música deveria ser comercializada como um bem de luxo, que substitui um produto popular inferior. Esses guardiões dizem: "A música que você adora é lixo. Em vez disso, ouça nossa grande música erudita". Mas a música é um meio pessoal demais para sustentar uma hierarquia absoluta de valores.

"Ao ouvir a palavra "clássica", muita gente só pensa em "morta". A música é descrita em termos de sua distância do presente, sua diferença da massa".

Esse foi um resumo canhestro das primeiras duas páginas do ótimo "Escuta Só: do clássico ao pop", livro de Alex Ross (Cia. das Letras). Concordo com ele sem tirar nem por.  

E eu também odeio a música clássica quando alguém me diz que:

1) A música de Mozart me deixa mais inteligente [curioso que não fez do próprio Mozart alguém sensato! Fora que o genial Mozart estava mais para um roqueiro irreverente ou um sambista boêmio].

2) A música clássica faz bem para a saúde [ah, claro, Beethoven virou mingau de aveia. No máximo, a música de Haydn é boa para a digestão. Aliás, uma enorme parte de sua obra era composta para ser tocada após as refeições do príncipe Ezterhàza que o sustentava financeiramente]

3) A música clássica eleva a alma [só que tem música que eleva a alma, mas torra a paciência. Tem gente que diz adorar música clássica, mas em casa só aguenta ouvir cinco minutos de cada sinfonia].

4) A música clássica ilumina o espírito [deve iluminar só o espírito, porque o corpo apaga devido ao ataque de bocejos generalizado. Pior só o ataque de tosse que acomete a plateia entre um movimento e outro de uma peça]

5) A música clássica é dos homens de bem [que o digam dois ilustres amantes da música erudita, Hitler e Stalin]

Para mim, a música de Chopin, Bach, Shostakovich, Beethoven e cia. está bem viva e não tem nada a ver com esse museu [ou cemitério] que criaram para ela. Amo a música clássica, mas não espalho por aí que ela é a única música que merece a posteridade. Muitas vezes ela é vista como a panaceia da educação musical, como a redentora do gosto cultural. Só que acabam fazendo dela uma ditadura tão agressora quanto a tirania absolutista do hit parade popular.

Comentários

Paula Roboredo disse…
Forte!!!
Paula Roboredo disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo Teus disse…
Rótulos, rótulos! Amo música clássica, mas colocá-la como superior só aumenta a despopularização dessa música que tem suas características e belezas únicas.
Anônimo disse…
Humor e Reflexão.

Para além do "minguau com aveia a la Beethoven".

Parabéns.

Jael Eneas
Alessandra disse…
ótimo texto.
No campo nacional, "Trenzinho Caipira" Heitor Villa Lobos, música nada "morta".
joêzer disse…
Paula, tem hora que a gente tem que falar mais alto que uma orquestra inteira, rs.

É isso mesmo, Marcelo. Cada gênero possui a sua beleza (e a sua feiúra) única.

Mr. Jael, não sei como não inventaram um biotônico Mozart, né?

Alessandra, essa e outras mais, hein?

obrigado a vocês pela leitura e comentários
Regina_Mota disse…
rsrsrs interessante reflexão. pra mim é pior, pq eu odeio, de verdade, grande parte da música classica (o período), mas amo o romantismo, o impressionismo e vários outros ismos que vieram depois. dureza é falar sobre isso com meus alunos acostumados aos rótulos que nos perseguem. que palavra vou usar pra resumir um gênero? a expressão clássica (ou erudita) acaba sendo como a sigla mpb: é um enorme guarda-chuva que abarca trocentas coisas que eu gosto e mais trocentas que eu não gosto… rs
joêzer disse…
Boa comparação. Por falta de um termo melhor, o jeito é "clássica" ou "erudita", o até "de concerto".

Tirando Bach e as últimas obras de Mozart, a música de Beethoven em diante fala muito mais a mim. Mas alguém me disse uma vez que grande música mesmo só a renascentista. Eu, hein!
Anônimo disse…
(Danielli Damasceno)

Me desculpe, mas sou obrigada a discordar seu comentário “A música clássica faz bem para a saúde. [ah, claro, Beethoven virou mingau de aveia. No máximo, a música de Haydn é boa para a digestão...”
Existem vários estudos que comprovam que a música clássica faz bem para a saúde ( coração, mente...) Você precisa se informar mais antes de ironizar algo que é comprovado cientificamente.
Respeito sua forma de pensar e em algumas coisas concordo com você, mas tem que tomar mais cuidado ao afirmar certas coisas. As pessoas geralmente acreditam com facilidade.

Tudo de bom pra você! ;)
joêzer disse…
Danielli,
o problema é o modo como essa questão que envolve música clássica e saúde é colocada. Isso é dito como se a única música que fizesse bem às pessoas fosse essa.
Como se a gente ouvisse música como se estivesse correndo pra manter a forma ou como se estivesse degustando uma salada?

Há também pesquisas que dizem que o que faz bem é a música que se gosta de ouvir, não importa o estilo. O que faz mal é o excesso de volume, é o fone de ouvido, é a música deprimente...
Anônimo disse…
Crítico demais! Passou do ponto. Imgagine se fosse sobre rock...
Anônimo disse…
Perfeito... Era tudo que eu achava sozinha, e não tinha coragem de dizer, pra não me "rotularem". Adorei.
Anônimo disse…
Eu até admirava a música clássica, mas depois que viajei com um amigo que me fez ouvir um CD do Bethoven mais de 10 vezes durante a viagem passo mal até quando escuto o caminhão do gás!!!
Anônimo disse…
"Eu até admirava a música clássica, mas depois que viajei com um amigo que me fez ouvir um CD do Bethoven mais de 10 vezes durante a viagem passo mal até quando escuto o caminhão do gás!!!"

Poxa amigo que bom que ouviu Beethoven e passa mal somente quando passa o caminhão do gás, imagine se tivesse ouvido Mitchel Teló então, que toca a cada 30 segundos em todos os lugares....acho que ia ser um pouco pior não.
Dilhermando Alves disse…
Grande trabalho, eu também gosto de música "clássica", e fiquei intrigado ao ver "odeio música clássica", depois que li,achei seu texto esclarecedor, me abriu a mente aos rótulos doados a essas melodias de outrora. Penso como você, nunca coloquei a música clássica acima de todas que gosto, para dar aquele ar de intelectual, gosto de Mpb, Jazz, instrumentais diversos, pop anos 70/80, rock pauleira, (até forró, de Gonzaga), e nunca me envergonhei de ouví-los. Na vida, o importante é ter personalidade e caráter.
GabrielGFS disse…
Voce não é músico!
Anônimo disse…
1) A música de Mozart me deixa mais inteligente [curioso que não fez do próprio Mozart alguém sensato! Fora que o genial Mozart estava mais para um roqueiro irreverente ou um sambista boêmio].
O autor do comentário confunde sensatez com inteligência. É verdade que ambos costumam andar de mãos dadas, mas nem sempre. Se o autor do comentário não sabe a diferença entre as duas virtudes, deveria procurar um dicionário e não culpar a música clássica. Mozart era um gênio, já o roqueiro irreverente ou o sambista boêmio têm que comer muito arroz com feijão para produzir arte com o nível de sofisticação e qualidade que Mozart produziu.

2) A música clássica faz bem para a saúde [ah, claro, Beethoven virou mingau de aveia. No máximo, a música de Haydn é boa para a digestão. Aliás, uma enorme parte de sua obra era composta para ser tocada após as refeições do príncipe Ezterhàza que o sustentava financeiramente]

O Autor do comentário confunde alhos com bugalhos salpicados por preconceito . A música clássica pode fazer bem para a saúde de quem ouve e pode não ter o mesmo efeito para os compositores clássicos, que muitas vezes não tinham o mesmo público de cantores de axé e pagode, e portanto não tinham tantos meios de manter a saúde e o sustento. Era difícil ganhar a vida com música clássica já naquela época, hoje nem se fala, e isso afetou com certeza a saúde de muitos compositores.
O fato de a música de Haydn ter sido sustentada pelos Ezterhazi não quer dizer que não faça bem a saúde também. Uma coisa não exclui a outra. Aliás, esse fato não desqualifica a obra de Haydn em nada. Se formos por esses raciocínios tortuosos, muito mais desqualificada estaria a obra dos compositores atuais pois esses servem, com poucas exceções, aos interesses econômicos de gravadoras. Parece que o autor do comentário quis desqualificar a obra do Haydn simplesmente por estar ligada à elite, demonstrando mediocridade de raciocínio e até o mesmo preconceito que acusa nas pessoas que critica em seu artigo. Uma coisa não é ruim tão somente porque uma família nobre a financiou.
3) A música clássica eleva a alma [só que tem música que eleva a alma, mas torra a paciência. Tem gente que diz adorar música clássica, mas em casa só aguenta ouvir cinco minutos de cada sinfonia].
Argumento sem sentido e sem lógica que somente parte para a ignorância e não apresenta fundamentos racionais. “Torra a paciência” de quem não está acostumado a ouvir, ou melhor , de quem está acostumado com o ruído dos "pocotó" da vida. O próprio autor do comentário se denunciou nesse sentido. Se tem gente que não aguenta cinco minutos de cada sinfonia, pelo menos tenta, o que é bem mais louvável que a tentativa frustrada de desqualificar e de diminuir sem apresentar fundamento algum. As pessoas que não aguentam 5 minutos de cada sinfonia pelo menos tentam se afastar dos “ai se eu te pego” e dão uma chance a uma música de qualidade. É verdade que não é fácil gostar de música clássica. Não existem somente obras perfeitas e maravilhosas na música clássica.


4) A música clássica ilumina o espírito [deve iluminar só o espírito, porque o corpo apaga devido ao ataque de bocejos generalizado. Pior só o ataque de tosse que acomete a plateia entre um movimento e outro de uma peça]
Mesmas considerações do tópico anterior.

5) A música clássica é dos homens de bem [que o digam dois ilustres amantes da música erudita, Hitler e Stalin]
Esse argumento é, sem dúvida, o mais ridículo de todos.
Se formos aferir a qualidade dos estilos musicais com base na malvadeza dos seus ouvintes, o autor do comentário deveria se dirigir a um presídio e lá verificar quantos são adeptos da música clássica. Sem mais.
Anônimo disse…
Mozart podia não ser muito sensato (olha só você colocando rótulos também), mas, sem dúvida, seu talento e genialidade ecoarão pelas eras vindouras. Já você... Aliás, quem é você mesmo???

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta