Pular para o conteúdo principal

atrás do trio elétrico gospel

O primeiro mandamento do gospel nacional é: não há mandamentos. Não há regras. A música gospel já está parecendo uma final eterna do Ultimate Fight, um vale tudo cada vez mais liberado. Funciona mais ou menos assim: alguma mente bem-intencionada descobre que, para chegar junto da moçada de sensibilidade amortecida, é preciso usar as mesmas músicas que levam a galera à loucura, uhu, tira o pé do chão! Daí, meu bom, a parada é evangelizar com a unção do axé e do funk, bota pra ferver, brother!

Até outro dia o povo andava esperando por milagre. A turma até pode estar esperando, mas não em pé, que em pé cansa. Nem sentado também. Enquanto a benção não vem, a turma sacode o esqueleto que crente não é de ferro, e uma micareta santificada não faz mal a ninguém, faz a dança do quaquito aê pra gente se animar, Aline Barros! (Please, Aline, você não, por favor).

A controvérsia da vez é a cantora Jake e a canção Pó pará com pó. E como toda controvérsia em forma de música, já virou sucesso. A moça de cabelos, voz, energia e passinhos no melhor/pior estilo Daniela Mercury se tornou uma celebridade via youtube. A música, do gênero axé-pop-gospel (se isso não existia, acaba de vir à existência), apresenta a cantora animadíssima no programa Vozes da Igreja da TV Aparecida.

A letra seria um instrumento de combate às drogas (“pó pará cum pó aí”, traduzindo, pode ir parando de cheirar pó... aí). A cantora alerta que, em vez de cocaína, o melhor é tomar “uma overdose de Jesus” e, na metáfora do ano, “injetar na veia o sangue que correu na cruz”. Onde estava essa música na hora que Jimi Hendrix mais precisava dela?

Ainda tem os versos enlouquecidos de “overdose de alegria” e “Shekinah doidão, doidão”. No vídeo, Jake diz que “católico também tem muito axé”. É ou não é o samba ou o axé do crente doido?

Não faz muito tempo e o grupo secular Asa de Águia cantava que “na casa do Senhor não existe Satanás, xô Satanás,...”, e o público se esbaldava de tanta folia. A canção era uma sátira às célebres sessões de descarrego e exorcismo de algumas igrejas neopentecostais. A canção da católica Jake parece produzir um efeito semelhante ao das canções carnavalescas. Letra divertida, muita dança e finalidade de entreter. Se ela acha que as pessoas serão conscientizadas em meio a tanto barulho, badalação e folia...

Não quero dar ideia, mas reúna a axé-saltitante Jake e a pop-crente Cláudia Leitte para cantar esse hit no palco do carnaval. Não há ecumenismo que resista a esse som. E mais, nem como alerta antidrogas a música vai funcionar. Será tragicômico saber de muita gente “doidona” viajando e pulando ao som de Pó pará com pó. Será que atrás do trio elétrico gospel só não vai quem já morreu?


Comentários

Anônimo disse…
Essa música tem menssagem. Diferente de outras por aí. Não sei qual o problema com essa música.
joêzer disse…
caro anônimo,
você acha que sobra alguma "mensagem" quando se canta essa música nos trios elétricos do axé? as pessoas que dançam lá embaixo estão interessadas em letras com "mensagem edificante"?
sou nova por aqui ! .. voltarei para xeretar melhor,

1beijo
joêzer disse…
ingrid,
a casa é sua.
Lux disse…
ahahhaha "pó parar com pó" não lembra a máxima do carnaval baiano ultra-vocálico que é "ó o auê aí"? Não é preciso letra, só um bom refrão-chiclete. Bem, amigo, eu sou das que pensam que Deus pode atuar pelos meios mais imprevisíveis, mas esse repertório aí está de amargar. Só com muita piedade divina mesmo, porque os anjos devem ficar realmente confusos.
Ah, a dança do quaquito é uma nova roupagem da dança do pinguim. Este segundo álbum da Aline para crianças só repete tintim-por-tintim a fórmula do primeiro, que deu muito certo.
Thiago Ferreira disse…
Graaaande Joêser,
Olha só...pra essa música estourar assim como " Créu", Baba Baby", "éguinha Pocotó", só falta uma coisa!? Tocar numa rádio Popular.
Realmente, não vi mensagem nenhuma. É vergonhoso, se é que posso expressar minha opnião assim, ver cada dia mais a música gospel se enfiando nessas ondinhas populares, pra tentar atrair a grande massa...
Fico me perguntando: realmente qual a intenção dessas pessoas..[??]
Não deixa de ser engraçado ver a performance dela no vídeo, bem no estilo Daniela mercury como vc citou, e ainda com bailarinas, de shortinho apertadinho, pernas de fora,

é rir pra não chorar!!!
Ou melhor...da mesmo vontade de chorar!!!!
Thiago Ferreira disse…
" Anônimo disse...
Essa música tem menssagem. "

heeeiiinnnn?!
none disse…
Apenas retribuindo a visita.

[]s,

Roberto Takata
coisasdestavida disse…
Só esquecem que Deus é um Deus de ordem e decência. E que a emoção é bem importante mais Deus espera de nós uma DECISÂO racional, não pura emoção.
Letra por letra???

Um abraço!

Lídia
Olá Joézer, como é mesmo? Shekinah "doidão", essa é a mensagem? Estamos orando pouco pelo visto. Saudações em Cristo.
Olá Joézer, como é mesmo? Shekinah "doidão", essa é a mensagem? Estamos orando pouco pelo visto. Saudações em Cristo.
joêzer disse…
josé carlos,
o nível de letra e música de boa parte do gospel parece acompanhar a decadência de letra e música de boa parte da música popular.
Luciano disse…
Não vai longe o dia em que veremos algumas igrejas adventistas nessa onda. Algumas vozes se levantam tentando alertar para tal, mas são sufocadas por "mestres" e "baixaréis". Sem querer ofender, mas vale a pena lembrar que o pecado começou com um músico e no céu. Ele sabe o que a música pode fazer. Estão deixando ele entrar. Abre-se algumas portas e depois será impossível fechá-las. Fico feliz por ver a profecia se cumprindo, mas entendo o que Paulo queria dizer quando falou: 2 Timóteo 3:1 Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis... Na NVI diz: "...será difícil ser cristão"... Jesus está voltando... Ora vem Senhor...
joêzer disse…
luciano,
às vezes mestres acadêmicos podem alertar para o sensacionalismo e o terrorismo de algumas palestras sobre música sacra que abusam de pseudoreferências.
por outro lado, é certo que bom senso e equilíbrio não se aprende nas faculdades, você está certo. isso, sim, pode fazer com que BACHARÉIS se tornem "baixaréis".

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta