Pular para o conteúdo principal

de coices e dribles

Qual a diferença entre cavalos bufando antes da largada e vinte e dois homens perfilados antes de uma partida de futebol? É que os cavalos não sabem cantar o Hino Nacional. A piada, para alguns, ofende a criatura humana. Se bem que, dependendo do jogo, a piada ofende os cavalos.

Brasil e Itália entram em campo, perfilam-se respeitosamente, toca-se o hino pátrio, mão no peito, voz tímida, olhar tenso. Comecemos com o hino. No ano passado, ouvimos direto de Goiânia a interpretação de Zezé de Camargo do famoso “Ouviram do Ipiranga”, verso cuja única razão de existir parece ser a de servir de pegadinha em provas de português (quem é o sujeito? Ipiranga? As margens plácidas? Povo heróico?).

Esquecendo que o cantor romântico, quando cantava as sílabas maiúsculas de “ó pátria aMAda, idolaTRAda”, desviava-se das notas certas, até que ele não se saiu mal. Nem sentiu falta do irmão Luciano.

No jogo dessa terça-feira (10/02), uma fanfarra acelerou tanto o andamento do nosso hino que desafiava até a dicção de locutor de jóquei. Vai ver o maestro tinha percebido nos ensaios que o hino nacional brasileiro divide-se em: 1ª estrofe – duração de três minutos; com a 2ª estrofe – dura três dias. O hino é tão belo quanto interminável, principalmente com aquela introdução triunfal (repetida entre as estrofes).

Mas, e o jogo? A história explica. Alguns historiadores dizem que os renascentistas italianos já praticavam o futebol, mas não como aquele que os ingleses viriam a “inventar”. Dizem que Leonardo era um gênio do esporte, fazendo carreira como técnico de estratégias indecifráveis, daí a existência de um código Da Vinci que só ele sabia ensinar aos jogadores.

Voltando a história real, o esporte chamava-se Calcio (e assim é chamado até hoje na Itália). Esporte nada. Aquilo era uma disputa para ver quem se saía melhor no domínio de uma bexiga de boi e o evento era uma verdadeira batalha. Táticas, espírito guerreiro, rivalidade. Calcio designava “pontapé”, “coice”. O resto é por conta da sua imaginação.

No Brasil pós-Charles Muller, o futebol virou sinônimo de diversão, arte, de algo lúdico. Por isso chamamos de jogo (giuoco), uma brincadeira. Na Itália, chamam de “gara” – disputa, competição. No primeiro tempo da partida entre as seleções, ambas tentaram o jogo, mas foram os meninos brasileiros que se divertiram mais. Na segunda etapa, a Itália partiu para o ataque, em ambos os sentidos. Atacou o Brasil, sem eficiência européia e atacou as pernas dos jogadores brasileiros, revivendo o sentido original do Calcio. O resultado é que o giuoco venceu a gara por 2x0.

Não é sempre assim. Na Copa de 1982, o Brasil jogava um futebol-fantasia, um futebol encantado. Mas a seleção italiana estava num dia competitivo e Paolo Rossi não quis saber de brincadeira ou diversão. Minha meninice não suportaria a arte sair de campo derrotada daquela forma e não tive mais grandes prazeres com os jogos da nossa seleção. Nem mesmo com as futuras conquistas de Copa do Mundo (94 e 2002). Aquela seleção de Junior, Falcão, Sócrates e Zico é meu pé de laranja lima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta