09 novembro, 2009

a intolerância e o vestidinho indefectível

A moçoila ousada e descolada se arruma em frente ao espelho, experimenta uma, experimenta duas, na terceira roupa ela se decide. Portando apenas um vestidinho vermelho, ela anda pelos corredores da faculdade e transtorna um grupo de universitários. O vestidinho causa furor e uma entidade moralizante “baixa” nos universitários, que veem no curto figurino da moça uma profanação do solo sagrado da academia.

Eles (e elas), movidos pelo zelo escandalizado típico dos jovens universitários tupiniquins, seres pouco afeitos a baladas, raves e que tais, não somente atiram a primeira e a segunda pedra na Madalena suburbana metida em trajes tão sumários, como também expulsam-na do prédio acadêmico. Só faltaram levá-la até a direção e gritar “Eis aqui essa mulher, magnífico reitor. Foi apanhada nos provocando, essa mulher deve morrer!” Teria Geisy Arruda, a dama-estudante de vermelho em questão, transtornado a turba com seu vestidinho vermelho indefectível?

Vejamos. Não, ela não passou pelos tubos de ventilação e deixou as intimidades à mostra como Marilyn Monroe. Não, ela não dançava sobre a mesa e as carteiras como as meninas teúdas e manteúdas dos filmes adolescentes. Não, ela não deixou a calcinha em casa como Britney Spears. Não, ela não descia na boquinha da garrafa como as chacretes modernas do axé. O que fez a moça, então, para disparar os instintos mais primitivos da malta?

Geisy teria faltado com o decoro ao usar um vestidinho vermelhinho tão pequeninho que mal cabia na palma da mão. Mas seria essa roupa mais inapropriada para o ambiente acadêmico do que o chinelão e a bermuda dos mancebos ou do que os tops mínimos das donzelas tropicais? Mais inadequado do que tudo isso é a intolerância e a violência dirigidas à qualquer pessoa, caloura ou veterana.

Para os moralistas espiando da janela, Geisy foi culpada pela agressão que sofreu. É o típico pensamento de quem acha que a vítima estuprada é que atrai a violência sobre si. Esses enxergam a mulher como uma lobinha sexy perturbando as mentes sadias dos homens cujos instintos de macho predador e pegador vêm à tona de forma incontrolável. Não basta à vítima a humilhação física; descarreguem-se nela as mais abjetas acusações: “Ela deu mole”, “vacilou”, “com essa roupa, ela tava pedindo por isso”...

Podem as moças passar a tarde escolhendo e cantando “Com que roupa eu vou?” e ainda que elas não saiam vestidas para arrasar, haverão machos famintos que salivarão olhudos ao menor sinal de exposição de carne feminina.

Tome-se a divulgação de algumas festas universitárias. O convite anuncia que até à meia-noite mulher não paga. Outros bares alardeiam que até à meia-noite mulher não paga bebida, e assim por diante. Apesar das celebradas emancipações femininas, ainda há mulheres que se servem de isca para a diversão masculina. Não que elas não queiram se divertir, afinal nesta terra de estudante de muitas baladas e poucos engenhos o prazer é um mandamento irresistível. E após a meia-noite, cinderelas e abóboras encontram príncipes e sapos ao som de qualquer música sem palavra difícil.

Mesmo que todas as festas de faculdade fossem de uma austeridade puritana, ainda assim os jovens intolerantes não tinham a mais ínfima justificativa para constranger, xingar e malhar aquela estudante como se ela fosse uma judas de minissaia. Até porque ninguém sabe de nenhum movimento universitário contra as peripécias amorosas e BBBices transmitidas ao vivo, não se sabe de manifestação de graduandos em prol da erudição das letras do funk.

De repente, os alunos da UNIBAN, faculdade onde ocorreu a inquisição da semana, foram acometidos de um pudor que arrepiaria até as tradições das ligas de senhoras em defesa da moral e dos bons costumes. Qual a providência tomada pela reitoria? Investigar o caso, punir os culpados pela cena de intolerância e sugerir um enxoval mais circunspecto à moça ousada e descolada, que usou aquele vestidinho porque iria emendar a aula com uma saída noturna, certo?

Qual o quê! A direção da faculdade houve por bem expulsar a moça do quadro de seus respeitáveis e honoráveis alunos. Assim, a vítima foi transformada em vilã e os agressores em juízes e protetores da ordem social. Ai daquele jovem universitário que acende os archotes da intolerância e desmoraliza a própria moral.


Imagem tirei daqui.

12 comentários:

Daniel Freitas disse...

Mestre Joezer!

Apavorou, como sempre!

Abs.

Anônimo disse...

Excelente artigo !

joêzer disse...

caríssimos,
valeu!

Daniella disse...

Muito bom, muito bom mesmo!

joêzer disse...

gracias, daniella. não sou ombudsman do mundo, mas não deu pra ficar quieto vendo os intolerantes posando de guardiães da moral.

Julison disse...

Conta simples: Reparação Financeira (óbvio!) por Danos Morais + Reparação Moral (!) com texto de igual tamanho em jornais de circulação nacional... isso valeria um estudo de caso no curso de Direito... da Uniban!

joêzer disse...

julison,
a Uniban acaba de dizer que vai anular a expulsão da aluna. mas a garota vai ter clima pra estudar lá ainda?

Thiago Ferreira disse...

Grande Joeser!Excelente visão sobre esse fato tão inusitado! Parabéns.
Abrasss

Kelly disse...

Muito bom!! :o)

joêzer disse...

tiaguinho, kellinha,
thanks!

José Luís disse...

Genial, genioso e gentil!

Prossiga com textos tão recheados de metáforas e ironias. Como nunca te li antes bixo?

Parabéns Joêzer

joêzer disse...

josé luís,
se você ainda não conhecia meu blog é porque não tem o que me desgrude do monumento ao blogueiro desconhecido.
vou aceitar a hipérbole do seu elogio só por causa da bonita aliteração das palavras com "g".
gracias