Pular para o conteúdo principal

3 anos de blog

Neste mês de novembro, o Nota na Pauta faz 3 anos de vida internética. Eu gostaria de dizer como aqueles megasites de venda que anunciam seus aniversários com slogans como “Nós fazemos 3 anos e quem ganha o presente é você!”. Mas como eu sou apenas um blogueiro pobre-de-má-ré-desci, esqueçamos isso de presente, ok?

Nesses três anos (com links):
o mensalão inspirou meus instintos mais primitivos e comecei a série inacabada “fábulas menores de moral mínima”;
Bush filho deu lugar à Pai Obama e a esperança venceu o medo nos EUA;
Ronaldo encheu a boca dos críticos com suas peripécias carnais e depois calou a boca dos críticos com o desconcertante drible da superação;
a Veja afirmou-se como a revista nacional mais tendenciosa quando o assunto é falar mal governo Lula e elogiar as teorias evolucionistas;
o Dunga largou o figurino da filha estilista e o Brasil passou a ganhar tudo o que disputava;
o papa foi à China e Madonna encontrou Jesus;
a música gospel tornou-se a mercadoria mais vendida porque é diversificada (ou mais diversificada porque é vendida);
os participantes dos reality shows, com ingratas exceções que confirmam a regra, despontaram para o anonimato;
as patricinhas viraram parisinhas (Hilton);
as companhias aéreas dispensaram a seus passageiros um tratamento só digno mesmo de quem oferece MaxiGoiabinha nos vôos;
as tramóias da Fórmula 1 mostraram o por quê do cognome “o grande circo da fórmula 1”;
a cantora Sandy Junior seguiu a indisfarçável carreira-solo que sempre teve, Michael Jackson morreu deixando-nos a imagem de pobre-gênio-rico;
o festival de asneiras musicais que assola o Brasil (só o Brasil, não, mas até a Bahia!) se consolidou no breganejo pseudouniversitário e no ritmo do axé-funk-pagode-gospel.

Nesses três anos:
Kaká mostrou como manter a integridade no meio religioso-midiático e no meio esportivo-midiático;
a senadora Marina Silva fortaleceu-se como faceta da dignidade no cenário político;
a necessária consciência ecológica se tornou a peça indispensável no circuito ecumênico e ECOmênico mundial;
o projeto de lei que insere a música na matriz curricular das escolas foi aprovado;
o quarteto Arautos do Rei ensinou como o básico pode ser elegante e sofisticado;
o grupo Novo Tom demonstrou como a inovação e a variedade podem ser elegantes e sofisticadas.

Em julho de 2007, eu estava atazanado com o início do mestrado e pensando em largar mão de atazanar os outros com meus textos. Foi quando o Michelson Borges reproduziu um texto meu sobre o Pan-2007 e aí resolvi insistir no labor virtual (de suor real, agarantcho-lhes). Um “muchas gracias” especial para ti, Michelson, pelo convite para fazer parte do time de colunistas do site Outra Leitura e mais recentemente pela cortesia de enviar um banner decente para o Nota na Pauta.

Dei meus primeiros passos para fora do museu do blogueiro desconhecido e fiz amigos virtuais como André Gonçalves, cujos comentários melhoram o blog, André Reis, que estimula nosso dever de pesquisar coerentemente o que se escreve, Matheus Siqueira, que me colocou na equipe do site Éoqhá, Douglas Reis, web-escriba de confiança, Levi Tavares, que faz um trabalho dedicado no Música e Adoração, Ingrid Oliveira. Agradeço à turma que critica, sugere e elogia na caixa de comentários, à quem reproduz textos com os devidos créditos (pra mim, um privilégio!), aos que somente leem e acompanham (outro privilégio), aos seguidores amigos do blog e do twitter do blog.

Em tempo: esta é a postagem de número 260. Faltam 740 para o milésimo post.
em tempo 2: valeu vivi, leitora atenta do blog que me corrige: o termo é 'pobre-de-má-ré-desci' (o certo) e não 'pobre-de-marré-de-si' (como escrevi).

Comentários

zierley rojard disse…
bela retrospectiva.
conto com mais e mais outras.
abraço!
André disse…
valeu pelo "atiçador" dos irmãos... hehehe
joêzer disse…
andré,
atiçador dos "irmãos", não. rsrs
atiça, estimula, move a pesquisa do que a gente escreve, o que é bom para que quem escreve sobre música - seja especialista ou leigo.
abraço
André disse…
Valeu pela alusão positiva a esse pobre contribuidor do seu augusto blog!
Ó lá eu lá ! risos

Joêzer, que você continue firme na esfera blogger com seus valorosos textos.

grande abraço
Anônimo disse…
Genial fill someone in on and this enter helped me alot in my college assignement. Thank you seeking your information.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta