Pular para o conteúdo principal

segura na mão do henry e vai


Em vez de converter-se com o tempo em um senhor centenário respeitável, o futebol está na verdade perdendo os últimos fios brancos de respeito e dignidade que ainda tinha. O último escândalo veio a ter lugar logo na civilizada Paris; e o relato que se segue ruborizaria até as damas suspeitas de suspeitas esquinas parisienses. O que lhes passo a contar envergonha a peruca de Voltaire e a calvície de Bonaparte, mas a verdade tem que ser dita ainda que tentem abafá-la tocando a Marselhesa em dez mil alto-falantes.

Conto-vos, pois: a aguerrida disputa entre França e Irlanda para garantir uma vaga na Copa de 2010 na África do Sul estava empatada em pleno Stade de France, onde onze anos atrás a seleção francesa tinha conquistado a Copa pela primeira vez na sua história.

Se essas duas nações quisessem mesmo demonstrar que vieram do berço da civilização ocidental, esses países convocariam seus homens para batalhas em outras arenas que não o simplório campo de futebol. O embate poderia usar armas letais como a leitura e explanação da obra Ulisses, do dublinense James Joyce, ou então obrigar o inimigo irlandês a assistir uma mesa-redonda sobre o Ser e o Nada.

A querela futebolística se resolve sem maiores intelectualidades, mas não sem a vontade dos gauleses de mandar os irlandeses de volta para os pubs da Grã-Bretanha. Os irlandeses, terra das altercações costumeiras entre católicos e protestantes, querem liquidar a França ateia. Atentai bem, que essa questão da religião ainda volta a aparecer por aqui.

Sendo que o empate em 1x1 não fede nem cheira à queijo Camembert, segue-se a peleja na prorrogação. É então que o jocoso Henry, atacante de bons pés e muita máscara que já tinha eliminado o Brasil em outro certame mundial, recebe uma bola em profundidade. Mas esta se lhe escapa do domínio lícito e, mais rápido do que alguém possa dizer “Athos, Porthos e Aramis”, o jogador dá um toque na bola com o braço, outra ajeitadinha com a mão e passa (com o pé, enfim) a bola para um companheiro marcar o gol da vitória e da classificação da França.

A jogada de Henry foi tão irregular que em qualquer outro esporte com bola seria ilegal também. No vôlei, seria marcado dois toques; no basquete, condução.

Com um tapinha indolor, Henry derruba o espírito olímpico do Barão de Coubertin e os ideais de fraternidade esportiva de Jules Rimet. Num ato impensado, a mão boba de Henry faz cair o pano envergonhado da Deusa da Razão.

Mas, peraí, e os jogadores irlandeses não reagem, não fazem parar a partida, não catimbam até que o Bono Vox sopre no ouvido do quarto árbitro que o gol foi ilegal, que a regra é clara, que nem uma legião de Carla Brunis pode fazer um irlandês aceitar esse engodo?

Qual o quê! Os irlandeses são um povo culto demais para um estardalhaço do tipo. Reclamam baixinho, correm atrás do árbitro, mas não insistem muito, não. É isso que dá ter uma população com altíssimo índice de leitura anual per capita. Fossem os jogadores brasileiros que se sentissem roubados na mão grande e duvido que nossos guerreiros com o ensino fundamental incompleto e meio livro lido do Paulo Coelho desistissem tão facilmente. Na hora de reclamar no futebol, verás que um filho teu não foge à luta!

Para Henry, se Deus não existe, então tudo é permitido, inclusive gol de mão e citação fora do contexto. Mas se fosse a Irlanda que tivesse marcado um gol ilegalmente, pode ter certeza, leitor mon ami, que o próprio Zidane desceria da tribuna e daria uma cabeçada no juiz.

As pessoas têm levado o futebol muito a sério. Daí as animosidades entre torcidas, daí a satisfação de ganhar mesmo com um gol de mão, daí que a França segura na mão do Henry e vai à Copa. Mas se existiu um momento para inserir a tecnologia do simples replay para diminuir as injustiças e punir os mandriões da bola, o momento é esse.

No entanto, desde que Maradona fez um gol ilegal com a mão na Copa do México de 1986 e matreiramente atribuiu o tento à “mão de Deus”, resta aos craques e também aos pernas-de-pau o cada vez mais cotidiano expediente de usar a santa mão de Deus em vão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta