Pular para o conteúdo principal

a música brasileira foi rejeitada pelas igrejas protestantes devido ao preconceito?

A cultura musical brasileira é rica e multivariada. Estilos estrangeiros que aportaram por nossas bandas foram devidamente apropriados e tomaram novas formas. A miscigenação que ocorreu no trânsito de etnias teve um correlato nas misturas culturais. Práticas que eram consideradas fora-da-lei, como o samba, foram apropriadas institucionalmente e se tornaram orgulho de uma população.

O que teria motivado, então, a exclusão do ambiente litúrgico das formas musicais mais populares, como o choro, o samba, a modinha? Seria o preconceito do missionário norte-americano em relação à cultura de um povo considerado incivilizado e inferior?

Alguns estudiosos do cristianismo no Brasil, como Prócoro Velasques e Jaci Maraschin, têm relacionado o eurocentrismo (e o “americanocentrismo”) dos pioneiros como o fator que obstruiu a presença dos estilos musicais de matriz nacional nos cultos protestantes. Entretanto, essa visão etnocêntrica (que equivale ou valida as culturas autóctones) deixa de analisar outros fatores como:

a) A noção de santidade cristã: a música popular brasileira estava ligada tanto às diversões seculares quanto às festividades católicas. Desse modo, o princípio de resguardar-se de diversões inapropriadas até para filisteus afastava os primeiros protestantes de festas com música secular. Além disso, o anticatolicismo era algo muito comum e os levava a repudiar os estilos aceitos pelo sincretismo católico romano.

b) Segregação social: num país de dominante maioria católica, os conversos ao protestantismo no começo do século XX sofriam bastante com o preconceito e a perseguição. Os “crentes”, como passaram a ser chamados, eram discriminados socialmente. Sua posição sectária refletia tanto o isolamento social que lhes era imposto como o posicionamento excludente, pois não raro proclamavam-se depositários exclusivos da verdade.

c) Referencialidade sociogeográfica: a adoção dos hinos de origem americana e europeia pelos novos conversos não era uma simples imposição hegemônica cultural dos missionários. A origem daqueles hinos – se baseados em estilos populares, em marchas militares, em música folclórica – era distante geograficamente e desconhecida culturalmente para os novos protestantes. Sem referências diretas daquela música, eles podem ter aceitado aquela liturgia pela diferença musical em relação à missa católica e às canções seculares brasileiras. Os hinos lhes pareciam mais apropriados para os cultos do que os dançáveis estilos nacionais.

Pergunta: a cultura musical brasileira foi repudiada devido ao eurocentrismo dos missionários, verdade ou mito?

Se olharmos essa questão apenas pelo ângulo da noção de hegemonia cultural de um país sobre o outro, parece verdade. No entanto, quando se estuda a introdução do protestantismo no Brasil e os valores morais e eventos sociais mais acuradamente, nota-se que a rejeição aconteceu, mas a batida argumentação tradicional de preconceito é um MITO.
Na semana que vem: os estilos brasileiros são mesmo inadequados para o louvor cristão de hoje?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta