Pular para o conteúdo principal

o natal de todas as horas

No famoso Conto de Natal de Charles Dickens, um ricaço aprende a sublime lição de partilhar na época do Natal. Assim, é o espírito de Natal que entra no coração endurecido do endinheirado e o faz passar de um Tio Patinhas mão-de-vaca a um generoso doador de felicidade.

O Natal tem dessas coisas: após um ano sendo um executivo mal-criado e grosso, o sujeito é subitamente tocado por uma liberalidade que o leva a fazer doações a granel e dar presentes a rodo. O Natal é o Yom Kippur (o dia do perdão) dos megaempresários de consciência pesada.

O que é o Natal, pergunta a repórter do telejornal? É um momento para reconciliação com a família, com os amigos, responde uma transeunte carregada de sacolas. É a hora em que desejamos paz e felicidade para todos, responde outra passante no shopping. Com mil renas voadoras, agora é o chester que será responsável pelo congraçamento do núcleo familiar. Coma o tender e love me tender.

Torramos nossos décimos-terceiros sem dó, ceamos a fauna e a flora disponíveis (mais fauna do que flora, não minta, menino).

Mas percebo como nós, humanos cheios de desumanidade em geral, só doamos, partilhamos e compartilhamos quando há uma grande campanha beneficente, tipo o Criança Esperança, ou quando uma efeméride, como a Páscoa e o Natal, enche nossos corações de pedra com sentimentalismo e piedade.

Segue um poemeu de última hora, feito, talvez sem o perceber, com as digitais dos sentimentos do Natal impregnando-se nas palavras escolhidas:

Se a hora é essa e não todas as outras do ano,
então que os valores de uma boa mesa,
mesmo que cara,
não sejam mais preciosos do que os valores de uma boa amizade,
mesmo que rara.

Tenho dificuldades em relacionar dezembros a estrelas-guia
Me parece uma data inventada
Mas se a hora é essa e não a de todos os meses
Então que a benção seja maior que a dos magos
Ainda que os cartões demorem a ser pagos

Não entendo o que tem a ver um velhote barbudo,
neve, Coca-Cola, pinheiros e presépio
mas sei que não há chaminé nem lareira
que aqueçam famílias se estão quebradas,
amizades se estão divorciadas,
conversas se estão ausentes,
se Cristo não está no coração das gentes.

Se a hora é essa e não a de todas as horas
Então que se renovem os votos de boa vontade
entre os homens
(e principalmente, entre homens e mulheres)
Se o dia é esse e não o de todos os dias
Que se reencontrem os abraços partidos
Que se rebeijem os amores queridos

Feliz você nesse natal!

Comentários

felipe tonasso disse…
perfeitas palavras do poe-seu!rs

vc podia continuar mais versos, tava bom de ler! feliz natal cheio do melhor que vc desejou ao mundo!

abraço natalino!
e continue nos presenteando com as ideias desse e de todos os dias.
a criatividade é um dom,,, continue usando e fazendo agente rir, ou refletir.. hehe

o melhor é o ""tender e love me tender.. hehehe

feliz natal ou, feliz desencargo de consciência hehe
joêzer disse…
valeu, marcos the violinist!

mr. tonasso, vou levar adiante minha trova natalícia.
abraços!
cândido gomes disse…
muito bonito. abraço da família.
joêzer disse…
abraços a sua família, caríssimo.
Daniella disse…
ADOREI o post!
Catia disse…
impressionou-me a criatividade inteligente,a sensibilidade divertida,tudo "a sua cara', em cada linha. Mestre e amigo Joezer, maridão da minha amiga Si e paizão dos nossos gatinhos,é bom demais ter vc(s) com a gente. Desejamos um 2010 pleno de realizações e recheado de boas surpresas. Bjão grande pra vcs 4, de todos nós da "Fofucholand" :)

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta