Pular para o conteúdo principal

bom de bola, bom de fé e bom de farra

Na semana da Páscoa, a equipe de marketing do Santos Futebol Clube armou o evento perfeito. Seus meninos bons de bola iriam distribuir ovos de chocolate para portadores de paralisia cerebral e outras deficiências em uma instituição espírita, o Lar Mensageiros da Luz.

Tudo muito bonito e lustroso para a imagem. Só faltou combinar com a profissão de fé dos jogadores. O evangélico Roberto Brum, por exemplo, soube da visita agendada e pediu licença para não ir. Outros jogadores, como Paulo Henrique Ganso, Léo, Marquinhos, André, Fábio Costa e os idolatrados Neymar e Robinho, entraram no ônibus que foi até à instituição, mas ao chegar no local, não desceram do ônibus.

Muitos constrangimentos e arrependimentos depois, foram contar aos jornais que alguns jogadores não desceram temendo azar e outros declararam súbita iluminação espiritual que os orientou a não sair do veículo.

Segundo a Folha de S. Paulo, Robinho disse que a atitude “foi movida pela religiosidade de cada um”. Neymar, que é evangélico, falou que ficou sabendo dos rituais religiosos no local só quando chegou lá e que “tinha receio de não se sentir bem”.

Na disputa entre futebol e fé sempre quem perde é a segunda. Senão, vejamos as perguntas que muita gente gostaria de fazer aos jogadores de todas as crenças:

- Por que alguém aceita o evangelho cristão, mas fica só com a parte de amar os semelhantes que são semelhantes a ele mesmo?

- Como é alguém diz que não pisa em instituição espírita por motivo religioso mas frequenta boates e bares para espíritos inclassificáveis?

- Distribuir ovos de Páscoa é pagão e distribuir autógrafos é cristão?

- E como é que alguém que encara o pagode e o rebolation tem medo de “espíritos”?

De fato, as convicções religiosas de cada indivíduo devem ser respeitadas. O problema é que figuras públicas acabam sendo mais cobradas por suas atitudes e deles é exigida uma coerência de comportamento que não é praticada nem pelos seus críticos anônimos (incluindo este web-escriba).

A suma do que vistes, enfim, é: Tem jogador de futebol que é bom de fé e ruim de farra. Tem jogador com um pé na fé e outro na balada. E tem jogador bom de farra cuja fé está firmada na deusa-bola.

Li essa notícia aqui.

Comentários

Anônimo disse…
Caro Joêzer
Vou esboçar duas respostas à duas questões reflexivas que você deixou aqui. Faço isso na esperança que essas mesmas perguntas sirvam para reflexão adventista:

- Distribuir ovos de Páscoa é pagão e distribuir autógrafos é cristão?

E que dizer dos "popstars" adventistas (pastores, músicos, cantores...)? Mesmo o Arautos do Rei, quando de minha compra do CD "Por quê, óh Pai?", depois "Vale a Pena Esperar", promoveram a obra com autógrafos? Tenho-as aqui, agora mesmo... Tudo autografado!
Penso que, para nosso ganho, deveríamos encarar o "estrelato" de uma forma mais cristã.

- E como é que alguém que encara o pagode e o rebolation tem medo de “espíritos”?

Fácil. Dada a atual ênfase em "adoração contemporânea" que julga isonômicos todos os estilos musicais para a adoração, não se julgue a abordagem mundana desses mesmos estilos, uma vez que apenas rotular uma obra musical de cristã somente devido à letra, é um expediente fraco e irresponsável
Dizer que a farra é apenas com o samba secular e não com o gospel é, no mínimo constrangedor.

Que o episódio sirva de lição e questionamento, também a nós, pois a "célula-tronco" dessa escorregadela santista também possui seus hospedeiros adventistas.


Evanildo F. Carvalho
joêzer disse…
evanildo,
a pergunta "Distribuir ovos de Páscoa é pagão e distribuir autógrafos é cristão?" foi no sentido de que alguns jogadores evangélicos não compram ovos de Páscoa porque entendem que isso é paganismo. Ao mesmo tempo, encaram com naturalidade o estrelato secular. Os autógrafos dos jogadores não são de produtos ligados ao cristianismo.

Particularmente, não tenho problemas nem com chocolates na Páscoa nem com autógrafos, embora dê mais valor aos primeiros.
Entendi, amigo.
Só frisei que temos o embrião desse tipo de hipocrisia em muitos de nós... vale a reflexão.
Excelente artigo.

Evanildo

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta