Pular para o conteúdo principal

a última missão de Obama, Fidel e Lula

Os trágicos e altos números de mortos e desabrigados causados pelas fortes chuvas no Rio de Janeiro infelizmente logo vão se juntar a outros números sobre inundações na capital carioca e se tornarão uma estatística para ser citada no próximo desastre pluvial. Os governantes já começaram a empurrar a responsabilidade para os governantes do passado, Como ninguém começou a tratar dessa situação antes?, ou para o mundo do abstrato, Foi uma calamidade imprevisível.

O presidente Lula, entre uma multa e outra por fazer campanha ilícita para sua candidata nas eleições de outubro, esteve no Rio e recitou o bordão: “Quando o homem lá de cima fica nervoso o jeito é pedir pra Ele parar a chuva”.

Ahã! Deus estava nervoso, então? Isso equivale a dizer que Jeová teve um dia difícil no escritório com empregados indolentes, esqueceu de levar casaco de frio, não conseguiu comprar um casaco na Renner pois estava com parcelas em atraso no cartão, almoçou pela eternésima vez no mesmo restaurante self-service, enfrentou fila pra pagar o carnê do fogão Dako 4 bocas, entrou num ônibus lotado com gente ouvindo funk no celular sem fone de ouvido, chegou em casa e a internet caiu, e isso tudo levou o Todo-Paciente a virar uma divindade à beira de um ataque de nervos?

Já que entramos no mundo fantástico dos que acham que Deus seria um ser bipolar, noves fora os que acham que quem crê em Deus também vive no mundo da fantasia, só me resta tentar explicar a relação dos presidentes com Deus por meio de uma parábola. Avante:

A última missão dos presidentes

Como seria se Deus, que não faz coisa alguma sem o revelar primeiro aos Seus profetas, em vez de pedir a Noé que anunciasse que o mundo seria destruído por meio do dilúvio, convocasse uma reunião presidencial com Barack Obama, Fidel Castro e Lula e lhes pedisse que dessem essa notícia a suas nações? Eles se dirigiriam a suas nações mais ou menos assim:

Obama: Ladies and gentlemen, e simpatizantes de todas as cores e credos. Deus Himself, me chamou para uma reunião a portas fechadas e hoje trago duas notícias importantes. A primeira é que Deus de fato existe, God really lives, o que até o nosso darling dollar já sabia. "Trust in God", remember? Em segundo lugar, Ele me fez Seu mensageiro para anunciar que, por causa da impenitência dos palestinos e por causa dos republicanos que procrastinaram a votação da reforma de saúde, amanhã o mundo e nosso amado american way of life será destruído por um dilúvio.

Fidel: Camaradas revolucionários, uni-vos para este que será mi menor discurso. Yo fue llamado para uma reunión importantíssima e trago duas noticias para vosotros. La primera é que, ao contrário do que pensávamos, Dios existe mismo, yo vi com mis proprios ojos revolucionários. La segunda é que Dios me pedió para anunciar a vosotros que, por causa de la impenitencia de los países imperialistas y devido a falta de fé em la revolución de nuestros compatriotas que se fueran para Miami, amanhã el mundo será destruído por um dilúvio e non sobrará una alma, digo, un compañero.

Lula: Companheiros e companheiras, tive um conversa ontem à noite com Deus e eu lhe informei do PAC, aí falei de como a vida do povo ia ficar melhor, eu disse que nunca antes da história do nosso país a população tinha comprado tanto celular e geladeira branca, que a gente ia fazer Olimpíada e Copa do Mundo, que o Sarney, o Collor e o Chávez no fundo eram boa gente, aí Ele me disse: “Lula, meu bom brasileiro, você não desiste nunca, hein?”. Só que tem mais uma: Ele me pediu pra avisar pra vocês que amanhã vai cair uma chuvinha meio forte, mas é só o sinal de que nossos problemas vão acabar e no Brasil nunca mais vai ter desemprego, nunca mais vai ter fome, não vai mais ter roubalheira,...

Moral mínima da história: Deus chamou profetas com diferentes personalidades e profissões para revelar Seus desígnios ao mundo. Mas, em Sua infinita sabedoria, nos poupou de profetas-políticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta