Pular para o conteúdo principal

Brasília, olha pra cima

Brasília faz aniversário. A capital planejada para ser o centro decisório das ações políticas nacionais, a cidade traçada para representar o arrojo arquitetônico faz 50 anos. No plano urbanístico foi construída sob o ousado lema “50 anos em 5”, o mote de Juscelino Kubitschek para erguer uma nova nação. Já no plano político, há cinquenta anos não sai dos cinco, avança pouco, parece que ainda dá os primeiros passos no republicanismo.

Não preciso lembrar as personalidades de mente colonial que usam Brasília como uma capitania hereditária. Às vezes, bate um niilismo no coração do eleitor que julga que todos os políticos são iguais (e nem mudam de endereço). Os muitos discursos revelam que de boas intenções Brasília também está cheia.

O projeto urbano de Brasília foi uma aventura épica. Em contrapartida, não se pensou nos habitantes. Muito concreto para pouco espírito? Reclama-se que é uma cidade antipedestre: locomoção coletiva deficiente; e pró-carro particular: a cidade “sem esquinas”. Talhada para tombamento do patrimônio histórico ficou também famosa pelo saqueamento do patrimônio público.

A canção de Noel Rosa perguntava: Onde está a honestidade? Onde estão os homens e mulheres que verdadeiramente querem legislar com probidade? Esqueçam a lanterna de Diógenes, procurem com faróis de milha e acharão uma minoria.

É preciso recolocar na posição correta a capital de cabeça para baixo. Há quem acredite que são as estruturas sociais e políticas que facilitam o desmando e a corrupção do homem. Eu, porém, vos digo: com homens e mulheres sem força moral e boa vontade política, nenhuma estrutura sociopolítica pode dar certo. Fica a utopia: Mude o coração dos homens e as estruturas mudarão também. Então, Brasília, olha pra cima, sem deixar de olhar para os lados:

Como será o futuro do nosso país?
Surge a pergunta no olhar e na alma do povo
Cada vez mais cresce a fome nas ruas, nos morros
Cada vez menos dinheiro pra sobreviver

Onde andará a justiça outrora perdida?
Some a resposta na voz e na vez de quem manda
Homens com tanto poder e nenhum coração
Gente que compra e que vende a moral da nação

Brasil, olha pra cima
Existe uma chance de ser novamente feliz
Brasil, há uma esperança
Volta os teus olhos pra Deus, o justo juiz.

Música de João Alexandre. Escolha aqui a versão em vídeo da música cantada a capella pelos Arautos do Rei - arranjo de Jader Santos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta