Pular para o conteúdo principal

a Paixão de Cristo em 4 músicas

O gospel nacional tem abdicado de um dos temas mais decisivos do cristianismo: a cruz. Os compositores reduziram o evangelho a quatro itens: louvor, louvor, louvor e unção. O tema do Calvário foi deixado para os cineastas.

Relembro aqui quatro músicas que, além de ressaltarem o momento de maior dor e coragem do Deus feito Homem de dores, nos mostram o valor da compreensão da cruz para a aceitação da fé cristã.

Como devo ter omitido alguma música de sua preferência, fique à vontade para registrá-la nos comentários.

Monte do Calvário (On a rugged hill, de Keith Whitford)

A versão em português dessa música traduziu a aflição e a esperança que são o paradoxo da cruz. Retrata a solidão do Cristo agonizante (“Só, em agonia pereceu”), e mostra o choque dos contrastes que sintetiza o Calvário:

Puro, carregou meu fardo Para libertar-me do pecar Esse foi o dia mais feliz Pois morreu pra me salvar

Via Dolorosa (Billy Sprague / Niles Borop)

Sandy Patty celebrizou esta canção que rememora a via crucis de Jesus, em que a caminhada pelas ruas da cidade até o Gólgota é motivo de humilhação pública. As cordas da orquestração intensificam a lembrança da tragédia que se converteria em redenção (Perdi a conta de quantas vezes fiz piano solo com essa música).

Cenas (Daniel Salles)

A Paixão de Cristo como um espetáculo de horrores assistido pelo universo inteiro ("Cada anjo vê Jesus levando a cruz / Assumindo os pecados que não eram Seus"). A música parte do capítulo 53 do livro de Isaías para descrever que as cenas de horror representavam o mais puro amor. Assim como na canção anterior, o peso de solo, coro e orquestra reforça tanto a amplitude da dor de Cristo quanto a magnitude simbólica do ato de Jesus.

Pensando na Cruz (Jader Santos)

Enquanto as últimas duas músicas externalizam o drama do Calvário de forma grandiloquente, a canção Pensando na cruz tem uma retórica mais intimista, esta interpretada como uma meditação em piano, violoncelo e voz (Regina Mota) e aquelas transbordando uma intensidade quase sinfônica. Esse aspecto possibilita um refinamento de letra e harmonia. É uma canção que pergunta pelo sentido da morte e ressurreição de Cristo em nossa vida hoje.

Estilos diferentes, diferentes interpretações, arranjos variados. Em comum, a tradução emocional e inspiradora do centro da mensagem do evangelho, a Cruz, onde, como diz outra bela música, foi revelado "o pior do homem e o melhor de Deus".

No topo, Cristo levando a cruz (c. 1500), óleo sobre tela, de Jheronimus Bosch.

Comentários

Min. Daniel D. Salles disse…
O Joêzer, além de um parceiro de trabalho é um amigo. Possuidor de um olhar apurado e mãos habilidosas que, além de escrever de forma singular, produzem um ótimo som ao piano nas horas e que ele não está escrevendo e desenvolvendo seu doutorado. Ele ainda tem uma ótima família que o ama e o compreende em sua vida acadêmica (Silvia que o diga rs). Sem dúvida um grande homem cheio de predicados, dono de um raciocínio privilegiado. Enfim, um servo de Deus a quem eu dedico profunda adimiração e respeito.
joêzer disse…
puxa, brother, palavras generosas. até agora estou tentando trazer meu ego lá de cima. fico com a gentileza dos amigos e a alegria da família.
ah, sim, vou anexar esse comentário ao meu currículo na próxima vez que eu for ao Unasp...
felipe tonasso disse…
Deveria ser difícil escolher uma entra milhares de canções com este tema, mas realmente foi esquecido.

Estranho não falar da cruz e nem da volta de Jesus! É o reinado do existencialismo!

Vou pensar sobre isso na próxima letra!

Shabbat Shalom parceiro!

ps.: já ouviu abraça a cruz?
joêzer disse…
amigo tonasso,
'abraça a cruz' é bela por demais. ela faz parte do repertório do Curitiba Coral, do qual o Negão do comentário acima é o regente e eu sou o pianista.
aguardo essa próxima letra (não ouvi e já gostei.rsrs).
abraços
Realmente fica difícil, pois todas as músicas citadas tem uma mensagem incrível. Eu apenas acrescentaria "Ao ver a Cruz" (Remember Calvary), de Carl Harold Lowden, que na minha parca opinião traz uma mensagem belíssima, assim como as já mencionadas.

Graça e Paz
Alysson Huf disse…
As músicas sobre a Paixão são as melhores, por isso escolher uma não é fácil. Todas as músicas citadas até agora são belas. Mas uma que eu gosto muito e poderia estar na lista é "O pior do homem, o melhor de Deus". Belíssima!

abraço
Vanessa Meira disse…
"A Cor do Calvário" (Robson Fonseca)
Apenas descreve o que aconteceu, sem novidades, mas é tocante ao mostrar que é o culpado daquilo.
Willian disse…
Embora ainda não tenha sido lançada, a música "Ouço o som" interpretada pela Laura Morena e composta, se eu não me engano, pelo Jader Santos também tem uma letra interessante.
marcio disse…
...gosto de getsêmani tb...
joêzer disse…
naturalmente, meu caro márcio, naturalmente. rsrs
a sério, getsêmani é muito boa mesmo.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta