Pular para o conteúdo principal

Por que Deus não prova que existe operando milagres hoje?

Richard Dawkins disse certa vez que se encontrasse Deus diria a ele: "Desculpe por não ter acreditado antes. Não havia evidência suficiente". Muitos que não acreditam em Deus exigem provas factuais e evidências palpáveis de Sua existência. Alguns perguntam: se Deus realmente existe, por que ele não faz milagres espetaculares hoje como fazia antigamente?

Mas eu perguntaria de volta: após ver um milagre espetacular ou após Deus revelar-se no céu, as pessoas iriam reconhecer Sua glória, aceitar Seu amor e buscar compreender Seu plano de salvação? Parece que só o fato de Deus revelar-Se não muda muito as coisas. Lembremos do povo de Israel no deserto, que mal tinham passado por um mar miraculosamente aberto, começou a agir como se Deus não existisse. No vídeo, está uma pergunta e o argumento de resposta de William Lane Craig:


Comentários

Loren disse…
Olá Joêzer, coerente e de muita sensibilidade essa declaração de Pascal. Se posso, acho q cabe lembrar o episódio de Lázaro e do rico (Lc16). No inferno este pede q algum dos mortos ressuscite pra testemunhar, pra q sua família se arrependa (veja bem, e não pra q creia!). Abraão responde q não creriam nem se um dos mortos ressuscitasse, como de fato aconteceu da ressurreição do nosso Senhor e Deus Jesus Cristo.
Quem não crê está realmente inescusável, como advertiu Paulo (Rm1:20).
Bom fim de semana,
Shalom!
Vanessa Meira disse…
Boa postagem!

Não temos motivos para acreditar que se Deus atendesse às exigências dos ateus e fizesse tais milagres, muito mais pessoas teriam um relacionamento de amor com Ele (Lc 16:30 e 31).

Na Bíblia, grandes milagres e manifestações de Deus foram seguidas de grande apostasia e rejeição

Escrevi algo sobre isso em:
http://vanessinhameira.blogspot.com/2010/01/ausencia-de-evidencia-nao-e-evidencia.html
Anônimo disse…
Não, não adianta dizer que será uma experiência pessoal. Dizer que deus não precisa se provar é vago.

Experiência pessoal e calor de oração pode ser simplesmente um efeito placebo.

O fato de ser necessário ter fé para acreditar em um poder sobrenatural é inversamente proporcional a qualquer forma de razão. Você não pode acreditar que a bíblia é real, você tem que ter fé que a bíblia é real, e cegamente. Porque você não tem evidência alguma de sua autenticidade como você não tem evidência qualquer de que deus existe.

Nunca poderá se dizer "eu tenho prova que deus existe", pois você pode acreditar por várias maneiras, como herança espiritual de seus pais (ou avós, criadores, etc) e ser doutrinado desde criança, mas você nunca consegue extrais lógica disso.

Fato.
joêzer disse…
Por isso mesmo dizemos que é uma experiência pessoal. Para você tudo isso sugere um efeito placebo. Para outros, isso tudo tem um efeito rico e real. E nem todos esses foram criados ou doutrinados em igrejas.
O cristianismo repousa na fé.
provar que Deus existe é algo que vai bem mais além desse vídeo e dessas palavras, certamente.
Pouco a pouco vou tentar colocar novos argumentos, os quais serão sempre (e bem) rebatidos, mas talvez nem sempre refutados.
abraço
Anônimo disse…
Exatamente, mas como você consegue diferenciar 'experiência pessoal' de 'motivação positiva'. Acho que esse seria o único ponto para você afirmar, seria ser correspondido.

Como diz no vídeo, 'uma vez que você se entrega'. Mas você se entregando é estar sendo positivo à uma coisa que pode te trazer um benefício/conforto, mas onde nisso você estará partindo de um ponto onde dependia somente de você (fé) para onde há um trabalho mútuo?

Pois assim você poderia ter algum argumento para dizer, "olha eu tenho convicção no que creio, pois na minha experiência pessoal..."

Na maioria das vezes os relatos não são tão convincentes. Esse é o problema que encontrei.
joêzer disse…
è vero, meu caro. Mas pensemos assim:
O centro da religião não são as tais "provas racionais" de Deus. O Deus da religião pode ser alcançado pelo conhecimento conceitual nem por meio da rendição intelectual às teorias que 'justificam' Deus.
Estou resumindo o que dizia o pai da teologia protestante moderna, o alemão Schleiermacher, para quem Deus só é entendido/alcançado quando o sujeito se dá conta de que "depende radicalmente de um Outro do qual deriva a fonte e sentido de sua existência". Deus seria encontrado na experiência viva e real.
No cristianismo bíblico, a motivação positiva é entendida como a resposta humana aos atos salvadores de Deus. Há uma passagem bíblica que diz: "O amor de Cristo nos motiva". Essa consciência de necessidade de salvação/redenção e compreensão de que isso vem de Deus confere significado à fé e à esperança daquele que crê. Daí a "entrega".
espero não ter complicado o bom debate.
Anônimo disse…
POR QUE HOJE NÃO HÁ TANTOS MILAGRES COM ANTIGAMENTE?

http://pastordanielaguiar.blogspot.com.br/2013/07/porque-hoje-nao-ha-tantos-milagres-com.html

Vale a pena ler!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta