Pular para o conteúdo principal

o evangelho no photoshop

Há mais gente querendo ser entretida do que ser edificada dentro das igrejas. Um programinha light, pedem. Uma musiquinha gostosa, gente bonita passando, conversa agradável. Parece praça de alimentação de shopping, mas é nisso que alguns estão transformando o cristianismo. Como aquele sujeito comum que aparece na TV e ganha uma transformação visual completa, o cristianismo está passando por um total makeover. Antes, um Jesus amigo. Depois, um Jesus-é-o-cara. Antes, a cruz me salvou. Depois, sou 100% Jesus. Antes, “Eu Te Amo, meu Mestre”. Depois, “Sou Apaixonado por Jesus”.

É essa perspectiva moderna de alteração da imagem de Jesus que é abordada no livro “Sexy Jesus – Exchanging a beautiful Saviour for an attractive God” (Jesus sexy – trocando um belo Salvador por um Deus atraente).

A resenha editorial do livro diz:
“Sexy Quem?! (...) Deixe-me falar diretamente sobre o mundo cristão do século 21 em que vivemos A verdade é que sem perceber, muitas pessoas fizeram Jesus Cristo um pouco sexy. Em nosso desejo sincero de mostrar um Deus que apela para as massas (e às vezes, até mesmo para nós), temos trocado um belo Salvador por um Deus atraente. Queremos uma religião com o brilho, o glamour, e todos os modismos extras. Queremos um Jesus sexy, fashion. Inconscientemente, queremos que todos os benefícios de um relacionamento com Cristo, sem as etiquetas de preço bíblicas. E o resultado? Encontramo-nos secretamente descontentes com o cristianismo que estamos vivendo. Muitas vezes nos perguntamos, isso é tudo que há num relacionamento real com Cristo?”

Cada época necessita que o evangelho seja adaptado aos meios de comunicação e à linguagem do contexto social. Caso contrário, estaremos falando num idioma ininteligível. A mensagem cristã precisa ser relevante para as novas gerações, precisa fazer sentido. Contextualização é a palavra de ordem. E isso está absolutamente certo.

No entanto, alguns líderes religiosos estão levando essa contextualização ao extremo. Achando que estão facilitando a compreensão da mensagem muitas vezes acabam diluindo o teor da mensagem. Fazem o extremo avesso daqueles pregadores ferozes e fundamentalistas que despejam veredictos e regras a cada culto.

Numa sociedade que faz da beleza exterior a medida de todos os ibopes, passaram um photoshop no cristianismo. Cortamos mandamentos “difíceis”, aparamos as pontas da doutrina. Mas ficou a graça. Aliás, se me permitem, Jesus ficou uma graça. E só.

O evangelho precisa ser atrativo não por causa de uma relação custo-benefício. Ou porque precisa manter a audiência. Entre outras coisas, precisa ser atrativo para ganhar a confiança de nossa geração que desconfia do autoritarismo, dos milagreiros, da monotonia.

Mas não convém alguém querer ser personal stylist de Deus. Torná-Lo pop e atraente pode resultar numa atração imediata que corre o risco de assemelhá-Lo a um ícone do entretenimento. E isso não é tudo que há num relacionamento com Deus.

Mais:

Comentários

Léo Fontes disse…
Esse costume de tornar as coisas bonitas precisa mesmo ser posto sob os holofotes da verdade, só sendo claro e é claro verdadeiro que o evangelho do amor pode ser pregado, não há amor sem verdade, verdade e amor na mesma medida.
Parabéns pelo artigo. Maravilhos!!

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…