Pular para o conteúdo principal

ide e pregai x ficai e debatei

Como contar a velha e feliz história de um Salvador para um mundo radicalmente diferente do contexto original da história?

Vivemos numa sociedade de valorização das identidades culturais e de defesa dos direitos individuais. Surgem comunidades ou subgrupos que se formam por questões de gostos, interesses ou outras afinidades eletivas. Em nossos círculos estudantis e profissionais convivemos com pessoas de crenças diversas ou de descrença quase total. Alguns deles, nunca tiveram acesso ao conhecimento da Bíblia. Só conhecem a religião pela forma deturpada de evangélicos ajuntando fortunas ilegais, de católicos esfolando o joelho em romarias, de espíritas de novela da TV.

Como atingir pessoas bem-educadas e que argumentam contra a necessidade da religião em nosso tempo? Como alcançar indivíduos que vivem na mais abjeta miséria econômica? Como chegar até uma gente que passa os dias pressionada pelas cargas profissionais, sitiada pelas grades dos condomínios, assaltada pelas ofertas de felicidade da propaganda?

A seara está madura, os ceifeiros estão no campo, e nós aqui discutindo se esse ou aquele versículo condena os instrumentos de percussão, se esse ou aquele trecho corrobora minha interpretação sobre a Trindade, se esse ou aquele corte de cabelo rebaixa a consagração de desconfortáveis bancos de capelas e igrejas. Qual é o nosso chamado mesmo? Ide e pregai ou Ficai e debatei?

Não pense que estou desprezando a importância da pesquisa de temas doutrinários ou de assuntos relativos ao comportamento cristão. Ao contrário, creio piamente que perecemos se não buscamos o conhecimento. Eu mesmo, em meu contrariado anonimato, faço palestras e fico e debato questões de interesse da comunidade cristã.

Examinar estilos musicais e formas de arranjo e composição é válido: o “vale-tudo adoracionista” tende a criar dissensões quando imposto a uma congregação tradicionalmente distinta daquela para a qual foi previamente elaborada. Aprender a discernir a qualidade e a temática dos filmes a que se assiste é válido: ninguém precisa provar de tudo só para reter o que é bom. Estudar a revelação de Deus é sempre válido: é preciso conhecer a fundo a religião a qual se dedica a vida.

A mensagem cristã ainda é a mesma, o cerne da mensagem ainda é o mesmo, mas as estratégias do “ide e levai a mensagem” não poderão ser sempre as mesmas. Há cristãos que precisam gastar mais tempo elaborando novos métodos a fim de que a velha mensagem alcance novas pessoas. Há gente que precisa perceber que certos métodos que arrebanham um enxame acabam trazendo vexame ao evangelho. Outros de nós talvez nem precisemos de um novo método, mas de uma nova, genuína e diária conversão.

Comentários

Loren disse…
Amém!:)
Victor Meira disse…
Eu acho é que tem ide e pregai demais pra pouquíssimo ficai e debatei.
Joêzer

Esse problema pode ser enfrentado inteligentemente se resolvermos fazer as duas coisas.
Ninguèm daria a sua vida por algo que desconhece ou não entende.
Levar um evangelho mau resolvido, mau compreendido, não resolve.

EFCarvalho
joêzer disse…
a saudável tensão do equilíbrio, evanildo. não é fácil, mas deve ser a meta.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta