Pular para o conteúdo principal

volta ao mundo da Copa em 11 notas

Foi uma Copa estranha. Craques consagrados refugaram (Cristiano Ronaldo, Messi, Rooney) e novos craques prevaleceram. A Alemanha jogou como artista, o Uruguai jogou como guerreiro e o Brasil como brahmeiro. A Itália foi embora sem ganhar e a Nova Zelândia foi embora sem perder. Foi uma Copa estranha e eis uma seleção de 11 motivos:

1 – Concerto para Vuvuzela: a tolerância para o ruído é diretamente proporcional à sofisticação do gosto musical. Se a Copa fosse na Dinamarca, a vuvuzela seria declarada como um bem cultural ou como uma máquina de fazer surdo? Quando ouço que o som da vuvuzela é “politicamente correto”, eu saco meus tampões de ouvido.

2 – A vingança é um empate que se come frio: 44 anos depois de ganhar da Alemanha com um gol ilegítimo que só o juiz viu, a Inglaterra perde para a Alemanha com um legítimo gol que só o juiz não viu. A justiça ludopédica falha, mas não tarda.

3 – O locutor que não quer calar: a ira tupiniquim contra o locutor mais famoso do Brasil criou uma tag campeã no twitter, o maldoso #calabocaGalvão, que durou o tempo das passageiras empolgações dos tuiteiros. Rouco como estava, o locutor e fumante inveterado precisava é de #compraumapastilhaGalvão ou #paradefumarGalvão.

4 – Um dia de Fúria: o esplendoroso toque de bola da Espanha deixou os adversários na roda, aliás, a chamada Fúria foi a seleção responsável pela roda de bobinho mais longa da história. No carrossel de Xavi, Iniesta e cia., o gol parece só um detalhe.

5 – Um técnico à beira de um ataque de nervos: Dunga gritando, batendo no chão e mordendo o banco foi a imagem de uma seleção com os nervos em frangalhos. O Brasil fez dois jogos na Copa: bestial no primeiro tempo vencendo a Holanda, uma besta no segundo tempo perdendo da Holanda.

6 – Kaká bad boy: conhecido pela tranqüilidade, o craque evangélico xingou (dizem que, na verdade, falava em línguas estranhas), irritou-se com a marcação dura dos adversários e foi até expulso de campo. Tem colega seu que jura que chegou a ouvir Kaká cantarolando o “rebolation” no chuveiro.

7 – Fraternidade zero: com um técnico mal-humorado que convocava os jogadores baseando-se em mapa astral, os jogadores franceses vagavam sem rumo pelos gramados sul-africanos. Então amotinaram-se. Virou caso de Estado. Mas fraternidade não dá jeito em mediocridade e a França foi eliminada na primeira fase. Saíram da Copa assim como entraram: pela porta dos fundos.

8 – A “voz” do polvo...: o polvo paranormal participou profetizando as partidas. Em conversa de fruto de mar, andam dizendo que a diferença entre a Copa e o Brasil é que o polvo acerta tudo e o lula não acerta nada.

9 – Jabulani, a bola que os homens rejeitaram: Forlán, Xavi, Iniesta, Villa, Muller, Özil e Sneijder demonstravam tanta intimidade com a Jabulani que os outros jogadores ficavam enciumados. No começo, muito jogador odiou a bola. No final, estava claro que, em certos casos, a recíproca era verdadeira.

10 – A mão que balança as redes: se os pés dos jogadores não conseguiam domar a Jabulani, o jeito era apelar para as malícias da mão. Henry levou a França à Copa na mão grande, Luis Fabiano, ajeitando a bola no braço, fez o gol ilegal mais bonito das Copas, e o atacante Luis Suarez fez a maior defesa da Copa ao meter a mão na bola e impedir o gol certo de Gana no último minuto da prorrogação.

11 – Novíssimo Dicionário do Futebol: seleção sul-africana: Bafana Bafana; juiz ladrão: Afana Afana; seleção campeã: Bacana Bacana; seleção que perde os nervos: Banana Banana.

Comentários

Prof. Kelly disse…
Estava sentindo falta de um post "light" como esse!! Muito bom!!
Prof. Kelly disse…
Ah... por "light" entenda a combinação entre ler e sorrir ao mesmo tempo! :o)
joêzer disse…
vez em quando a gente precisa aliviar a mão nos temas mesmo, kellinha.
Sara Rios disse…
nossa! muito bom!

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…