Pular para o conteúdo principal

volta ao mundo da Copa em 11 notas

Foi uma Copa estranha. Craques consagrados refugaram (Cristiano Ronaldo, Messi, Rooney) e novos craques prevaleceram. A Alemanha jogou como artista, o Uruguai jogou como guerreiro e o Brasil como brahmeiro. A Itália foi embora sem ganhar e a Nova Zelândia foi embora sem perder. Foi uma Copa estranha e eis uma seleção de 11 motivos:

1 – Concerto para Vuvuzela: a tolerância para o ruído é diretamente proporcional à sofisticação do gosto musical. Se a Copa fosse na Dinamarca, a vuvuzela seria declarada como um bem cultural ou como uma máquina de fazer surdo? Quando ouço que o som da vuvuzela é “politicamente correto”, eu saco meus tampões de ouvido.

2 – A vingança é um empate que se come frio: 44 anos depois de ganhar da Alemanha com um gol ilegítimo que só o juiz viu, a Inglaterra perde para a Alemanha com um legítimo gol que só o juiz não viu. A justiça ludopédica falha, mas não tarda.

3 – O locutor que não quer calar: a ira tupiniquim contra o locutor mais famoso do Brasil criou uma tag campeã no twitter, o maldoso #calabocaGalvão, que durou o tempo das passageiras empolgações dos tuiteiros. Rouco como estava, o locutor e fumante inveterado precisava é de #compraumapastilhaGalvão ou #paradefumarGalvão.

4 – Um dia de Fúria: o esplendoroso toque de bola da Espanha deixou os adversários na roda, aliás, a chamada Fúria foi a seleção responsável pela roda de bobinho mais longa da história. No carrossel de Xavi, Iniesta e cia., o gol parece só um detalhe.

5 – Um técnico à beira de um ataque de nervos: Dunga gritando, batendo no chão e mordendo o banco foi a imagem de uma seleção com os nervos em frangalhos. O Brasil fez dois jogos na Copa: bestial no primeiro tempo vencendo a Holanda, uma besta no segundo tempo perdendo da Holanda.

6 – Kaká bad boy: conhecido pela tranqüilidade, o craque evangélico xingou (dizem que, na verdade, falava em línguas estranhas), irritou-se com a marcação dura dos adversários e foi até expulso de campo. Tem colega seu que jura que chegou a ouvir Kaká cantarolando o “rebolation” no chuveiro.

7 – Fraternidade zero: com um técnico mal-humorado que convocava os jogadores baseando-se em mapa astral, os jogadores franceses vagavam sem rumo pelos gramados sul-africanos. Então amotinaram-se. Virou caso de Estado. Mas fraternidade não dá jeito em mediocridade e a França foi eliminada na primeira fase. Saíram da Copa assim como entraram: pela porta dos fundos.

8 – A “voz” do polvo...: o polvo paranormal participou profetizando as partidas. Em conversa de fruto de mar, andam dizendo que a diferença entre a Copa e o Brasil é que o polvo acerta tudo e o lula não acerta nada.

9 – Jabulani, a bola que os homens rejeitaram: Forlán, Xavi, Iniesta, Villa, Muller, Özil e Sneijder demonstravam tanta intimidade com a Jabulani que os outros jogadores ficavam enciumados. No começo, muito jogador odiou a bola. No final, estava claro que, em certos casos, a recíproca era verdadeira.

10 – A mão que balança as redes: se os pés dos jogadores não conseguiam domar a Jabulani, o jeito era apelar para as malícias da mão. Henry levou a França à Copa na mão grande, Luis Fabiano, ajeitando a bola no braço, fez o gol ilegal mais bonito das Copas, e o atacante Luis Suarez fez a maior defesa da Copa ao meter a mão na bola e impedir o gol certo de Gana no último minuto da prorrogação.

11 – Novíssimo Dicionário do Futebol: seleção sul-africana: Bafana Bafana; juiz ladrão: Afana Afana; seleção campeã: Bacana Bacana; seleção que perde os nervos: Banana Banana.

Comentários

Prof. Kelly disse…
Estava sentindo falta de um post "light" como esse!! Muito bom!!
Prof. Kelly disse…
Ah... por "light" entenda a combinação entre ler e sorrir ao mesmo tempo! :o)
joêzer disse…
vez em quando a gente precisa aliviar a mão nos temas mesmo, kellinha.
Sara Rios disse…
nossa! muito bom!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta