Pular para o conteúdo principal

novo tom: pode cair o mundo

A proposta musical do grupo vocal adventista Novo Tom pegou a corrente do pragmatismo musical do cristianismo moderno? O grupo teria cedido ao "vale-tudo" a fim de falar do evangelho para a juventude atual? Com as mal-traçadas a seguir, argumento que esse tal pragmatismo é uma falácia sem tamanho, ao menos quando se trata do grupo Novo Tom.

Uma das correntes do pragmatismo religioso pós-moderno é a apresentação de mensagens de teor ético: os direitos humanos, a defesa do ecossistema, a paz no mundo. O grupo Novo Tom também aborda o tema da paz. Porém, não fala da paz como uma espécie de fraternidade demagógica.

O título do CD já introduz sua idéia de paz: Pode Cair o Mundo, Estou em Paz. Assim,a paz não é a unificação do pensamento global, mas um sentido de segurança exterior e placidez interior, só inteiramente adquirido pela confiança em Deus. Como exemplo, metade das doze canções do CD menciona a palavra “paz” relacionando-a a ações e atributos divinos: a frase-título (na canção "Estou em paz"),o autor da eterna paz (em "Nosso lar não é aqui"), na oração encontro paz e em seu perdão encontro paz(em "Falar com Deus"), só em Teus braços encontro paz (em "Descansar"), frutos de paz Ele quer nos doar (em "Deus tudo pode"), este nome traz a paz e Príncipe da Paz (em "Cristo").

Alguém vai argumentar que essas frases são quase obrigatórias nas canções cristãs. Mas talvez a palavra "paz" não seja casual nesse álbum do Novo Tom. Duas prováveis razões: 1) o letrista principal é Valdecir Lima, o que é uma certidão de propósito literário e teológico; 2) a “paz divina” é uma ideia recorrente ao longo das canções desse CD.

Nos anos 70, uma canção jocosa chamada “Pare o Mundo, Eu Quero Descer”, fez sucesso no Brasil. Mas a música “Estou em Paz” não pede para sair do mundo, nem por brincadeira. Certificada pela oração de Jesus (João 17:15), que pediu ao Pai que não nos tire do mundo, mas que nos livre do mal, a canção declara o “estar no mundo, mas em Deus confiar”. Seu refrão,

(...) Não temo o futuro, pois tenho Deus comigo / Pode cair o mundo, estou em paz

é cantado no final com bastante força em “(pode) cair o mundo”. Nesse trecho se faz um contraste sonoro: ofortissimo vocal e orquestral em “cair” é subitamente interrompido pelo pianissimo em “mundo”. O verso final “estou em paz” completa a frase e encerra a música de forma serena, com um vocal em uníssono.

Há outro tipo de contraste que pode ser visualizado nas fotos do CD antes mesmo de tirá-lo do invólucro - que como todas as demais embalagens de CDs do planeta, exige um conjunto de técnica e paciência para abrí-lo civilizadamente. Na capa frontal, há uma criança sentada numa escadaria com a típica placidez infantil de quem está entretida com um brinquedo. A parte de trás do CD traz a habitual ordem das músicas e também uma foto ao estilo do artista futurista Marinetti, que traduzia com traços velozes o movimento urbano. Os veículos passando velozmente no ruído caótico das cidades faz um significativo contraponto com a calma confiante de uma criança em paz.

O homem pode espalhar a paz no mundo, mas isso só é possível com a efetivação da paz de Deus em cada indivíduo. Na canção do Novo Tom, sai a narrativa grandiloquente de paz global, como se as diferenças pudessem ser resolvidas por discurso ou decreto, e entra em cena a vivência individual da comunhão com Deus como propiciadora de uma verdadeira fraternidade, endossando os versos daquele hino, “haja paz na Terra, a começar em mim”.

As canções “Nosso Lar Não é Aqui” (também de Lineu e Valdecir) e“Cenas” (Daniel Salles) também se valem da alternância entre potência e serenidade musicais. Na primeira, ouvimos um coro infantil breve em baixo volume seguido de introdução instrumental estrondosa com bateria, metais e guitarra. Essa introdução é contrastada subitamente pela leveza da voz de Joyce Carnassale acompanhada apenas de violão e alguma percussão. Durante a música, a simplicidade do coro infantil contrasta com os acordes sofisticados e a quebra de acentuação rítmica.

A música “Cenas”, que começa sobrepondo vozes recitando versos bíblicos, descreve as imagens da paixão de Cristo com a característica dramaticidade evangélica. O martírio é amplificado em versos (com Seu corpo a sangrar; não podia respirar; as feridas abertas; açoites tão cruéis) que visam a comoção. As imagens descritas detêm a força das palavras emocionalmente necessárias para o propósito espiritual da música, que alcança seu clímax com um vocal de grande potência.

...

OBS: Esse é o texto revisado de uma postagem publicada em 2007, nos primeiros meses de vida desse blog. Se for o caso, volte e deixe seu comentário nesse texto atualizado e não no texto antigo, ok? Gracias.

Leia a parte 2

Comentários

Willian disse…
Boa análise, embora tenha falado somente de algumas músicas do cd.

Rapaz...seria possível fazer uma análise sobre o novo cd dos Arautos, "O Dia Enfim Chegou" ? Este cd tem gerado opiniões bem divergentes - não necessariamente visões de conservadores e liberais, ou seja, não por conta de estar balançado demais ou não, mas sim pela nova roupagem e grandiosa inovação, o que torna este cd completamente diferente do trabalho anterior "Vale a Pena Esperar" e de tudo que já foi feito pelo quarteto.
Pessoas do público mais jovem têm gostado muito deste cd.

Agradeço a atenção.
joêzer disse…
valeu, willian. vou ouvir o novo cd dos arautos e depois a gente escreve e conversa a respeito.
Anônimo disse…
Olá, Joêzer.

Esse Cd do Grupo NTom me traz uma profunda contradição: embora eu seja teimosamente tradicionalista - no que tange à música - as letras desta obra me levam à profunda reflexão, ademais de não gostar, em absoluto, do estilo contemporâneo.
É agradável e contraditória a sensação que tenho ao ouvir, no mesmo CD, cançaõ calma como "Falar com Deus" e barulhenta como "Noso Lar não é Aqui"...
joêzer disse…
veja você que o conteúdo poético e teológico da letra usou como embalagem alguns estilos mais contemporâneos de música. para algumas pessoas, o jeito é pular de faixa no cd. outras apreciam bastante. dificil, hein?
Victor Meira disse…
"pode cair o mundo" me lembrou "Jai guru deva om.... Nothing is gonna change my world..."

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta