Pular para o conteúdo principal

Raiz Coral: qual é o seu idioma?


O Raiz Coral cantou no "Qual é o Seu Talento?", do SBT, e foi aprovado pelos jurados do programa. Esses jurados costumam ficar encantados com cantores gospel. Talvez porque no meio gospel ainda se valorize a qualidade do timbre e da performance vocal.

Certa vez me perguntaram por que o Raiz Coral, sendo um grupo brasileiro, faz música de tradição tão americanizada.

Uma das respostas para esse paradoxo está no fato de que, no Brasil, as músicas de cultos de raiz africana estão nas origens do samba. E de samba, como se sabe, só não gosta quem é ruim da cabeça ou doente do pé. Ou então evangélico, já que o samba, entre outros motivos, por sua intensa relação com os festejos seculares, não foi integrado aos cultos protestantes. 

Nos Estados Unidos, as religiões de matriz africana não têm representatividade nas músicas seculares. Nem na black music se ouvem nomes de divindades de cultos africanos. Assim, se a música afro-brasileira é "mundana" demais, a saída é a música afro-americana com origens no gospel.


O Raiz Coral também representa um dilema: para uns, é um coral gospel que usa o idioma musical que o mundo entende; para outros, é um coral mundano que usa o idioma gospel

Esse dilema não é novo. No século 19, o compositor brasileiro Carlos Gomes pedia que Deus o livrasse de usar a linguagem da ópera para cantar temas cristãos. Já Giuseppe Verdi, seu colega de profissão italiano, dizia que para falar de Deus era preciso usar a língua musical dos homens.

Acontece que muita gente está dando cada vez mais valor à performance vocal e gestual dos cantores. Letra, melodia e harmonia recebem menor atenção. Importa a sensação causada pela interpretação. A apresentação no Raiz Coral no programa "Qual é Seu Talento?"(QST) é sintomática: a canção (Eu deixo a tristeza para me alegrar) era bem simples, os arranjos vocais nada tinham de excepcionais e sua letra se refere mais à sensação de pular, dançar e gritar em nome da "glória do Senhor neste lugar".

Não quero dizer que seja errado prestar atenção no modo de cantar de alguém. Nós vamos a concertos exatamente porque queremos ver e ouvir os cantores cristãos de nossa preferência, senão ficaríamos em casa  escutando só os CDs deles. Não estou dizendo que canções e arranjos não podem ser simples ou que o calor da emoção deve ser banido. Na verdade, grande parte da música protestante é memorável justamente por sua simplicidade e pelo grau de emocionalidade. Além disso, o Raiz Coral participava de um concurso que valoriza justamente a performance cênica e vocal. 

Também não pretendo discutir se a apresentação do Raiz Coral "foi o testemunho da nossa salvação", como disse um fã. Deixo isso para os admiradores e críticos mais exaltados (os comentários dos vídeos no YouTube e no Twitter falam por si).

O que quero dizer é que o Raiz Coral, e qualquer outro grupo ligado à música cristã, precisa sempre fazer a pergunta: quando o talento é inegável, qual deve ser o idioma musical? Quando se participa de um concurso, qual é a linguagem mais adequada?

A participação do coral, segundo estão dizendo na internet, foi editada. O coral cantou uma música a capella (Eu avistei) que teria impressionado os jurados do programa. Como estão classificados para a próxima etapa, os cantores terão uma segunda oportunidade para mostrar o idioma que dominam.

A apresentação do coral no QST você assiste aqui.

Comentários

Rdriigo disse…
Muito bom post, muito boa observação!
Fénix disse…
Estou aos poucos explorando seu espaço, estou gostando muito!
Visite-me quando quiser:

contrastesdelalma.blogspot.com

Saludos!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta