Pular para o conteúdo principal

diante do trono e da mídia

Diante do Faustão, o Diante do Trono me pareceu diferente. As músicas encolheram, ninguém falou em línguas, não teve "unção do Leão". Foi uma dica dos produtores do programa, da gravadora, foi uma percepção de Ana Paula Valadão? 

Ana Paula é uma cantora carismática (em mais de um sentido). Quando respondia às perguntas do Faustão com aquela vozinha meiga nem parecia a pastora que adentra o terreno do êxtase com a mesma facilidade com que sai dele. Talvez por isso haja a crítica às performances teatralizadas da cantora. Quem não se entrega aos seus arroubos emocionados, acaba achando que ali tem muito teatro. Seria uma espécie de encenação da contrição. Olhos fechados, voz chorosa, gestos dramáticos: os DVDs do Diante do Trono estão repletos de cenas assim.

Por que no Domingão do Faustão isso não aconteceu? Por que a cantora não irrompeu no "falar em línguas"? Seria para não espantar os telespectadores não-evangélicos (ou mesmo parte dos evangélicos)? Ou o tempo no programa foi curto?

Quem estava acostumado a ouvir as longas repetições das canções do Diante do Trono viu na TV algo do tipo "Querida, encolhi as canções". O grupo esteve 15 minutos ao vivo no Faustão. Como esse é o tempo que eles levam pra terminar uma só música, certamente tiveram que encolher as canções.

Sem as repetições, as músicas ficaram mais agradáveis. Particularmente, não sou apreciador do estilo do Diante do Trono. Não por causa das letras simples. "Deus é tão bom" é pequena e simples e é bonita. Apenas aprecio outro tipo de música cristã, dou valor a outros quesitos musicais e teológicos. Embora isso não faça de mim um cristão mais justo do que aquele que esteve na multidão em Barretos para a gravação do dvd do Diante do Trono.     

Não há problema algum em cantores cristãos irem aos programas da TV secular. Tem que ir mesmo e estar pronto para falar e cantar. E Ana Paula Valadão esteve contida, com uma expressão simpática, falando sobre seu ministério religioso-musical. Mas a proposta de atingir o maior número de pessoas (o que é bom) levou a cantora a dizer que existe uma igreja para cada tipo de comportamento que se quer manter (o que é ruim). O cristianismo fica parecendo uma vitrine self-service: o cardápio doutrinário fica a gosto do freguês, digo, fiel. E se não agradar, abra-se outro restaurante, digo, igreja. Depois, ela acabou chamando os "adoradores apaixonados" de "fãs". Fecha-se o elo: o fiel se transforma em fã porque trata seu irmão como um ídolo. E vice-versa.

No entanto, a novidade é a senhora da indústria do entretenimento. O que hoje é fashion amanhã acordará obsoleto. Até outro dia era o Padre Marcelo Rossi e sua "aeróbica do Senhor", lembra? Agora é Aline Barros e Diante do Trono. Daqui a cinco, dez anos serão outros. A fila anda.

Que ninguém se iluda de que a grande mídia está abrindo as portas diretamente para o evangelho. Dick Asher,  executivo da CBS, disse certa vez: "Não vou fingir que estamos aqui por alguma explosão de fé religiosa. Estamos aqui pelo potencial de vender discos no mercado gospel". As redes de TV "abrem as portas" pelo mesmo motivo. Então, que os cristãos possam ter sabedoria para falar da sua fé e para cantar do Verbo sem se deixar encantar pelas verbas.

Comentários

dui disse…
temos q nos alegrar com o grupo q representa e muito bem todo o povo evangelicos a dez ou quinze anos atraz ñ se falava em jovens evangelicos nem nas rádios hoje estamos em uma das maiores redes de tv do mundo falando de cristo devemos nos ogulha do diante do trono e a Ana Paula se saiu muito bem......
Anônimo disse…
Eu sou adventista de berço, amo a IASD, mas discordo totalmente do autor desse texto. Primeiro por causa da ironia, das suposições e julgamentos que fez! Lamentável!

Eu conheço amigos próximos da Ana, já estive com ela e ela é aquela doçura mesmo que a gente vê na tv! Se ela faz teatro, isso só Deus pode dizer e dar sua recompensa, mas o que se vê é que ela é muito educada, sensível e uma cristã sincera que influencia positivamente toda uma geração de jovens fúteis!

Ainda que eu tbém não concorde com o tal "cristianismo self-service" defendido pela Ana, eu achei linda a sua postura e testemunho no programa do Faustão e queria deixar só uma reflexão ao autor: nós adventistas temos uma identidade, assim como os evangélicos, em suas várias correntes tbém têm, certo?
O que é mais COERENTE? A Ana Paula Valadão e o Diante do Trono estarem no Faustão defendendo aquilo que acreditam, ou o Leonardo Gonçalves se misturando na babilônia da Marcha para Jesus? Ou aquela vergonhosa participação da Alessandra Samadello na Hebe? Ou ainda, mais recentemente, o Sérgio Saas e sua turma do Raiz Coral, dançando e prostituindo suas crenças num programa de calouros?!
Quem foi mais COERENTE e defendeu melhor aquilo que acredita?!
Quem se corrompeu mais?

Ah, por favor, né?
joêzer disse…
pergunto a você: ela estava ou não diferente? faço suposições porque é o máximo que posso fazer. maldade seria afirmar sem saber. por isso mesmo nós fazemos suposições sobre a mudança de comportamento.
A Ana Paula Valadão tb me surpreendeu por sua postura contida. A forma musical de estender as canções que caracteriza seu grupo são evidentes para quem ouve sem se envolver emocionalmente. Não fiz comparações.
Também estive bem próximo da Alessandra Samadello e ela é um doce de pessoa. Mas no palco ela é completamente diferente devido a perfomance que ela dá as músicas.
A Ana Paula tb é assim: meiga no trato pessoal, no palco ela faz coisas que empolga a alguns e assusta outros. Não é assim?
Não a critiquei do ponto de vista comercial, até porque eu acho que o DT não abusa desse expediente.
Leonardo na babilônia da Marcha pra Jesus? Mas não é de babilônia que os evangélicos chamavam a Globo? OU a REcord é que a babilônia?
Como eu disse, se convidado, o cantor cristão deve ir à TV ou à programas e eventos gospel e fazer valer sua postura e princípios.
E a Ana Paula foi perfeitamente coerente com os princípios da cultura teológica neopentecostal ali no Faustão. Inclusive ao chamar os telespectadores/adoradores de fãs.
Anônimo disse…
A Anônima aí não deve ter lido todo o texto. Salvar jovens da "futilidade" muitos salvam, mas com uma roupagem "bonita" e adulterada biblicamente...é fato que a perfomance da Ana Paula foi limitada, já fui a Igreja dela e presenciei todo esse comportamento choroso e de extase. E a intenção da grande mídia é mesmo o "Vender".
Anônimo disse…
E mais, essa comparação por baixo usando Leonardo, Sérgio...ela diz não julgar a Ana Paula mas joga pedra nos próprios adventistas, ela sabe o que vai no coração deles? Não está discutindo a coerência, se os adventistas falharam errados tb, mas tenha DÓ em passar essa imagem da Ana Paula que tornou-se junto com seu irmão André um astro pop gospel.
Kátia Rocha disse…
Eu concordo com o primeiro Anônimo: em termos de coerência, o pessoal do
Diante do Trono está muito mais afinado com o que defende.
Eu tbém achei algumas colocações do texto muito infelizes!

Por exemplo: bater na tecla de que a Ana Paula estava "contida" e que as repetições das músicas foram cortadas, me parece tão óbvio!
15 minutos em plena Rede Globo, num programa de alcance gigantesco como o do Faustão, tem que ser muito bem aproveitado mesmo! Além do mais, é lógico que algumas das práticas deles não cabiam ali, assim como nós, se estivéssemos no lugar deles, talvez, tbém evitaríamos, né? Alguém aí defenderia o sábado ou o não uso da carne de porco em 15 minutos?! Seria burrice desperdiçar essa exposição nacional falando de assuntos impopulares e polêmicas, correndo o risco de repelir, ao invés de atrair!
Tem coisas que a pessoa só está preparada pra receber depois de atingir uma certa maturidade na experiência cristã. Eles, os batistas, tbém sabem disso!

Sou adventista de BH, já fui muitas vezes na Igreja Batista da Lagoinha e posso afirmar que a gente vê realmente coisas estranhas ali, mas eu tbém não posso deixar de compartilhar que algumas músicas do DT sempre foram uma bênção na minha vida!

Penso que o grande segredo é saber separar as coisas, pois se formos olhar pra fonte (de onde sai a mensagem), ninguém é digno! O efeito acontece onde essa mensagem CHEGA: se num terreno estéril, que só quer entretenimento e superficialidades, ou se num terreno sedento, carente da Graça!
O meu desejo é que o meu coração seja esse terreno aberto para a ação do Espírito Santo!

O penúltimo Anônimo, parecendo usar um tom pejorativo, falou que a intenção da mídia é só VENDER. Uai, mas essa tbém não é a intenção dos cantores adventistas, colportores, a CPB?!

O último Anônimo falou que a Ana Paula e seu irmão André se tornaram "astros pop gospel". Ora, não é isso que vários cantores adventistas tbém se tornaram ou estão aí, lutanto pra ser?!

Ah, gente, vamos ser justos! A questão não é deixar de "jogar pedra nos adventistas" e jogar somente contra os irmãos evangélicos. Antes de apontar o erro dos outros, vamos trabalhar pra consertar os nossos próprios!
Anônimo disse…
Isso me lembra os fariseus. Tão ocupados em julgar os outros e tão perdidos.
Sou adventista há 26 anos e nunca entendi essa mania irritante de alguns adventistas, aliás a maioria, de pensar mesmo que estão corretos em tudo, inclusive em questões parecidas com as que julgam.
Se a Ana Paula é ou não é teatral é problema dela com Deus. Há um só juiz e foi instituído advogado que é Jesus. Neste processo não foi solicitado assistente e nem testemunha.
Jesus corrigia com amor, com ironia jamais.
Anônimo disse…
Irmãzinha em Cristo, não há tom pejorativo nas minhas palavras, fique tranquila e serena. É uma discussão. Só acho que vc esse 1° Anônimo e vc são quase a mesma pessoa. Vamos ver se me entende dessa vez: Sobre "VENDER", tanto o meu comentário quanto o autor nos referimos não ao DT, mas a Rede Globo, que é obrigada a reconhecer que os evangélicos são muitos e que vale a pena "investir" numa audiência voltada pra eles. Imagina um grande empresário da Lagoinha ou Getsemani e de todo o Brasil, são muitos, ao ver uma atração gospel na maior rede de tv do Brasil pode achar por bem veicular propagandas na Globo... o autor, neste ponto, quis dizer que a Globo ñ tem interesse evangelistíco algum. Sobre os adventistas tb se enveredarem para serem astros, isso vc tem toda razão, e se fazem isso estão errados tb e ninguém aqui disse que eles estão certos. A abordagem no texto é exatamente pq o DT ganha mais visibilidade em cima de um ministério muito pop, admitido por próprios batistas. E sua comparação sobre "vender", usando colportagem é prova de quem desconhece o Ministério.
Barbara disse…
Entao... Katia aqui eh a Barbara (dai de BH) diretamente de Boston. Li o que vc postou no tweeter e vim conferir a discussao. Vlw por estar me atualizando, uma vez que moro fora do Brasil! Rsrs...
Sobre o assunto Diante do Trono...
Sou adventista ha quase 30 anos! Cresci ouvindo que bateria nas musicas da igreja era pecado. Ainda bem que eu amadureci. Hoje entendo que algumas coisas sao necessarias, ou nem tanto, mas que TUDO deve ser feito de forma moderada e para a honra e gloria de Deus! Mas perai, como eu posso dizer que fulano ou beltrano fazem o que fazem para gloria propria ou pra Deus. Nao posso afirmar isso. Acredito sim que mutia coisa ai fora eh show e que eh feita com fins lucrativos, mas honestamente nao eh verdade que o nosso trbalho deve ser compensado? A Ana Paula e o povo do DT fazem disse nao so um ministerio mas tbm uma profissao... acredito que eles. Acreditam que Deus os chamou pra esse ministerio assim como nossos pastores tbm acreditam assim... vamos deixar as pessoas em paz, fazendobo que precisa ser feito. Eles estao levando a mensagem do amor de Deus enquanto muitos de nos estamos aqui perdendo tempo julgando as acoes que nos deveriamos estar comentendo. Lamentavel!
joêzer disse…
É curioso a mania que alguns de nós temos de ser contra os outros que julgam quando passamos o tempo todo julgando.
Se alguém acha que a música do DT na sua vida é uma benção, que bom! as músicas deles extrapolam denominações e atraem um público bastante amplo. se isso resulta em benção para muita gente, ótimo!
nos dois casos, trata-se de um julgamento. julga-se que etal e tal música são adequadas e contribuem para a espiritualidade pessoal.
se essas músicas fazem pessoas aproximarem-se de Cristo, mais maravilhoso ainda.
mas o texto não tratou disso. no texto eu não fui julgar as intenções espirituais de ninguém.
o que analisei foi a mudança de postura no Faustão. E elogiei isso: achei que as músicas ficaram mais agradáveis sem as infindáveis repetições e clima de mantra.
Alguém disse que Jesus corrigia com amor e não com ironia. Desculpe, acho que alguém aí andou pulando trechos dos 4 evangelhos.
Jesus usava a ironia. E muito melhor que este web-escriba aqui te decepciona e contraria.
Além disso: Jesus brandiu chicote para expulsar mercadores do templo (eu ñ tenho coragem nem moral pra isso). Jesus usou expressões duras como "raça de víboras", "hipócritas". E isso não era ironia.
Em nenhum instante critiquei o estilo musical do DT que tantos apreciam. Meu gostomusical e meu interesse teológico são outros. E repito: isso não me torna um cristão melhor do que os "fãs" do DT nem melhor do que os amigos comentaristas que me puxaram a a orelha. Saibam que vou considerar oportunas as palavras de todas. E isso também não é uma ironia.
um abraço e obrigado por se darem ao trabalho de ler e concordar e discordar e comentar.
Boas novas disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Boas novas disse…
Eu tenho um grande amigo que vive me convidando pra participar dos debates na comunidade dos Jovens Adventistas; eu nunca quis, pois sei o quebra pau que é e como as pessoas apelam pra baixarias!
Eu detesto esse tipo de coisa! Gosto de discussão civilizada e principalmente edificante, pois acredito firmemente que as discordâncias podem ser feitas em alto nível.
Uma espetada aqui outra acolá mas, de uma maneira geral, não vi aqui nada que desabonasse nossa discussão, por isso, quero louvar a postura respeitosa de todos.

Pra mim a grande lição a ser posta em prática, por todos nós, é o que está escrito: "examinai tudo e retém o que é bom". I Tes 5:21. Simples assim.

Quanto aos erros, cada um, com Deus, cuide dos seus.

Beijo pra Bárbara/ Abraço ao Joêzer e Dui/ Saudação JA aos Anônimos!

Kátia Rocha :)
Anônimo disse…
Sugiro uma leitura: "Cristão em Busca do Extase", da UNASPRESS de autoria do Vandernei Dornelles, Mestre e Doutorando em Comunicação, é professor do UNASP. Elucida bem o comportamento dos músicos cristãos.
joêzer disse…
valeu, kátia.
sugiro tb a leitura de "Explosão gospel", da profa. Magali Cunha.Fiquem à vontade para vasculhar o blog sobre os temas da música sacra, cristã, gospel...
ou minha dissertação "O gospel é pop: música, religião e cultura pós-moderna" que está disponível para download no site do Instituto de Artes da UNESP.
Zaine Sá disse…
Seria coerente se os Anônimos aki se identificassem!
Anônimo disse…
"AKI"...Coerente por que?
Anônimo disse…
Não é por nada não, mas achei esta matéria uma total imbecilidade descabida e pobre, para não dizer inútil e sem objetivo nenhum a não ser trazer mais divisão e polêmicas ao corpo de Cristo já ferido e doente aqui na terra.

Manda quem escreveu isso ir lá botar a cara no Faustão e pregar o evangelho prá ver se vai. Vai nada.

E outra, como eles iam se derramar diante do Trono de Deus num lugar como aquele com tempo cronometrado e dançarinas seminuas fazendo performances ridículas com músicas de adoração.

Caraca que idiotice!!!!!!!!!!!!!!!

Glória a Deus que a Ana Paula não se intimidou e aceitou o convite de ir lá no meio dos filisteus pra dizer que só o Senhor é Deus.
joêzer disse…
Estão vendo? só pode falar do DT se for pra elogiar. perguntar, discordar, orientar, isso não pode.
Não importa onde vc vai comentar, quando o assunto é o DT muitas pessoas se comportam como fãs. o fã, igual ao fã de futebol, não pode ouvir ninguém criticando seu time. só ele pode ver as falhas do próprio time.
no caso do mundo gospel, tudo que se aponta como uma falha é visto como julgamento, idiotice, falta de amor, falta de Jesus no coração...

tantos e tantos especialistas bem melhores do que eu andam escrevendo livros, análises, estudos sérios sobre o que está acontecendo no mundo gospel. mas poucos se importam. ok, então. feche os olhos, levante a mão e siga a canção.
Que Deus tenha piedade de nossa ignorância. Começando pela minha.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta