Pular para o conteúdo principal

música encurta viagem

Entre as tantas lendas que cercam os lendários escritores brasileiros, tem uma que conta que o poeta Manoel de Barros estava num barquinho a deslizar no macio de um rio pantaneiro e de repente avistou no convés ninguém mais ninguém menos que Guimarães Rosa. E Rosa mirava o rio. E escutava os sons dos pássaros na margem do rio. Talvez já elocubrando, por que não?, os contos de A Terceira Margem do Rio. Sem saber como se aproximar e como se dirigir ao colega de profissão, Manoel de Barros chegou  mais perto e disse: "Passarinho encurta viagem, não?"

Na cidade, que não tem barquinho mas tem busão, viajamos quilômetros intermináveis. No carro ou no metrô ou no trem, ou tudo isso junto, estamos sempre apertados. Ninguém passa. Nem o tempo. Nessa lentidão arrastada das horas, sem passarinho, resta-nos a música. No trânsito, a música é o melhor amigo do homem.

Quer dizer, às vezes. Se é você quem escolheu o repertório que vai nos seus fones, tudo bem. Pra quem gosta, dá até pra escutar a tal canção do barquinho a deslizar no macio azul do mar. É um contraste saudável para o corre-corre das manhãs lotadas.

Mas se é o seu próximo, e o seu próximo faz questão de celebrar seu próprio gosto musical, e nas lotações os próximos da gente sempre estão próximos demais e nunca têm o mesmo gosto musical da gente, e se esse mesmo dito próximo resolve escutar sem fone o último sucesso do pop-sertanejo, é hora de exercer a paciência dos santos com toda a tua alma e com todo o teu entendimento. Ou então, aumente o volume do seu fone e continue a deslizar.

Em minhas viagens semanais, acabei aderindo aos fones. Tanto que agora, quando me perguntam qual a distância da Estação Campo Limpo à Barra Funda, eu digo: "Dois CDs de doze músicas cada". E de São Paulo à Curitiba? "De avião, pouco menos de um CD. De ônibus, é bom levar sua coleção inteira dos Arautos do Rei".

Voltando ao encontro dos dois escritores lá na cumeeira dessa postagem, não sei se eles se tornaram grandes amigos com aquele início de conversa. Mas com uma companhia dessas quem é que precisa de música e passarinho para passar o tempo?


Imagem daqui.

Comentários

Deise Carelli disse…
Guimarães Rosa: "O rio não quer chegar, mas ficar largo e profundo".

Manoel de Barros: "Natureza é uma força que inunda como os desertos".

...
joêzer disse…
que bonito, deise!
Deise Carelli disse…
Joéser,

Que prazer em conhecer você!
Seus textos são demais!!!
Estou saboreando aos pouquinhos...
Um abraço.
Não tem nada melhor que música para viajar, para trânsito, para estudar, para namorar, enfim, pra tudo! Arte é vida! Ótimo post! ;)

Quando puder, conheça o meu Blog TUDO SOBRE MÚSICA. É minha pequena contribuição para informar os profissionais da música. Seja bem vindo! http://lidianemadureira.com/blog

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta