Pular para o conteúdo principal

o getsêmani de todos nós

É num jardim, é noite.
Um homem ora. Dilacerado
Chora
Calem a música, desliguem o riso
Um homem chora num jardim

Seus amigos são os galhos
Sua casa está muda
Seu quinhão, as pedras
Sua casa está cega

Que Pai é esse?
Que paisagem é essa?

Não se entra no Getsêmani para colher flores.
Ali, os joelhos se dobram
É onde se grita sem voz
Lá não há para ti um palco iluminado
Ali se entra descalço e sem gravata.

Eu fui ao Getsêmani e não te encontrei
Mas eu orei por ti
Porque todos têm que passar algum dia
De alguma forma pelo jardim

E quando chegares
Virás com os paredes dos sonhos no chão
E verás com outros olhos, com os olhos do céu,
Que o jardim não seca o ribeiro de lágrimas,
Que o jardim é só outro lado da página
Onde leio o sentido da vida com Deus.

o getsêmani de todos nós
Joêzer Mendonça, fins de setembro, pensando nas dores da irmã, lembrando das dores do Irmão.

Comentários

Prof. Kelly disse…
Lindo...
paulo roberto disse…
Joêzer,

há algum tempo tenho acompanhado a "nota", e gosto muito.
Pelo período de acompanhamento, mesmo sem conhecê-lo, sinto pelo momento que você e sua irmã (aparentemente) passam ou passaram.
Espero que, seja qual for o motivo que originou o poema, ao final as coisas se encaminhem e aumente ainda mais a sua esperança e fé num final feliz.
Admiro muito a forma como você escreve e já o recomendei a minhas filhas, irmãos e sobrinhos.

Abraço

Paulo Roberto
joêzer disse…
caro paulo roberto,
agradeço todas as letras que você escreveu. minha irmã, que deu sua nota ao "nota" no breve comentário acima, passou por cirurgia delicada, mas hoje está melhor.
Thiago disse…
Grande Joezer.
Me permita fazer o pedido de Publicar este poema em meu blog também...
Muito bonito e tocante. Belíssimo poema...
joêzer disse…
à vontade, thiago.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta