04 outubro, 2010

e o vencedor é...


Marina foi a grande vencedora dessas eleições. Será mesmo? Derrotou a candidata do PT e agora será cortejada como uma rainha Elizabeth pelo PSDB. Ela, Marina morena, foi a responsável pelo segundo turno e não a coordenação descoordenada da campanha de José Serra.

Talvez ela seja a grande vencedora. Mas, dos motivos que a levaram ao segundo turno, somente um vale a vitória: a indignação do eleitor com a corrupção petista no governo federal e com o comportamento de Lula na campanha pró-Dilma. O outro motivo é torpe como são torpes todas as calúnias: a satanização de Dilma. Começando pela senhora, Dona Veja, pelos senhores, Folha de S. Paulo e Estadão. Não inventaram fatos, mas exageraram relatos como duas comadres conversando da janela.

Noves fora os mitos e mil spams. Um dizia que Dilma mata criancinhas porque seria a favor do aborto. Outro dizendo que Dilma seria a favor do casamento gay já para ontem. Como se ela fosse correndo oficiar uma cerimônia coletiva de saída de armário como nunca antes na história da República. 

Mas a coisa degringolou mesmo quando os evangélicos entraram de vez na eleição. Pastores transformando púlpito em palanque. Blogueiros e tuiteiros partindo para a baixaria de segunda a sexta. No sábado, tuitavam #tags com temas cristãos. Como se já não fosse suficiente a quantidade de falsos profetas que enlameiam a política e envergonham o evangelho, chegaram a inventar que Dilma falou que "nem Cristo tiraria sua vitória". Ressuscitaram até aquela lorota em que o comandante do Titanic teria dito que nem Deus afundaria o navio.

A gente aqui trabalhando por um Estado laico e de repente eu vejo uma comitiva de bispos, pastores e apóstolos obrigando a candidata a dar explicações de que não fará isso, não fará aquilo. Não foram aos políticos para estudar a Bíblia ou para discutir liberdade religiosa. Foram impor suas doutrinas aos políticos. 

 Mas não duvide que Serra e Dilma não irão correndo até Marina fazer o beija-mão. É capaz que ambos prometam reflorestar a Avenida Paulista e a usina de Angra. Mas se ela apoiar a Dilma, os eleitores evangélicos e os eleitores antipetistas se decepcionarão. Se ela apoiar o Serra, ela terá que engolir a bancada ruralista do DEM. Seu próprio futuro está em jogo.

Por isso, acho que o melhor que Marina faz numa hora dessas é declarar neutralidade. Embora apareçam o prefeito de joelhos, o bispo de olhos vermelhos e o banqueiro com um milhão, não vá com eles não, Marina.

6 comentários:

Prof. Kelly disse...

Muito bom!!
e no meio de tudo isso a inevitável desilusão. E para alguns uma forma de expressar isso foi votar no Tiririca!! rsrsrs

joêzer disse...

o voto da "zoação" é o pior.

Jénerson Alves disse...

Bom saber que há pessoas como você, pelo Brasil, elucidando os cristãos e expressando qual deve ser o nosso papel no ambiente político.
Oxalá que essa onda do "Fique neutra, Marina" chegue aos ouvidos (e ao coração) da verde, a fim de que ela consiga alcançar lugares melhores em 2014.
E, assim, fique o eleitor livre para escolher entre o PT e o neoliberalismo tucano.

Denis Cruz disse...

Joêzer,

só pra variar, ótimo texto e ótima visão sobre a Marina.

Vou dar uma olhada no projeto do PV e, se nao houver cabelo, acho que vou me filiar. Quem sabe nao concorro a prefeito em 2012, rs.

joêzer disse...

denis,
os melhores escritores brasileiros foram funcionários públicos. taí um caminho pra você meu amigo escritor. rsrs
vlw

Regtime disse...

interessantes colocações. a campanha feita nos pulpitos (e emails pseudo cristãos) foi a que mais me irritou. tb sou pelo estado laico, e acho mto hipócrita que alguns peçam votos contra o casamento homossexual, por exemplo, sem pensar que um dia esse mesmo estado "cristão" poderá exercer seu poder exigindo práticas "cristãs" de uma maioria que firam a religiosidade de uma minoria... e aí, como ficará essa minoria para exercer sua liberdade?