Pular para o conteúdo principal

e o vencedor é...


Marina foi a grande vencedora dessas eleições. Será mesmo? Derrotou a candidata do PT e agora será cortejada como uma rainha Elizabeth pelo PSDB. Ela, Marina morena, foi a responsável pelo segundo turno e não a coordenação descoordenada da campanha de José Serra.

Talvez ela seja a grande vencedora. Mas, dos motivos que a levaram ao segundo turno, somente um vale a vitória: a indignação do eleitor com a corrupção petista no governo federal e com o comportamento de Lula na campanha pró-Dilma. O outro motivo é torpe como são torpes todas as calúnias: a satanização de Dilma. Começando pela senhora, Dona Veja, pelos senhores, Folha de S. Paulo e Estadão. Não inventaram fatos, mas exageraram relatos como duas comadres conversando da janela.

Noves fora os mitos e mil spams. Um dizia que Dilma mata criancinhas porque seria a favor do aborto. Outro dizendo que Dilma seria a favor do casamento gay já para ontem. Como se ela fosse correndo oficiar uma cerimônia coletiva de saída de armário como nunca antes na história da República. 

Mas a coisa degringolou mesmo quando os evangélicos entraram de vez na eleição. Pastores transformando púlpito em palanque. Blogueiros e tuiteiros partindo para a baixaria de segunda a sexta. No sábado, tuitavam #tags com temas cristãos. Como se já não fosse suficiente a quantidade de falsos profetas que enlameiam a política e envergonham o evangelho, chegaram a inventar que Dilma falou que "nem Cristo tiraria sua vitória". Ressuscitaram até aquela lorota em que o comandante do Titanic teria dito que nem Deus afundaria o navio.

A gente aqui trabalhando por um Estado laico e de repente eu vejo uma comitiva de bispos, pastores e apóstolos obrigando a candidata a dar explicações de que não fará isso, não fará aquilo. Não foram aos políticos para estudar a Bíblia ou para discutir liberdade religiosa. Foram impor suas doutrinas aos políticos. 

 Mas não duvide que Serra e Dilma não irão correndo até Marina fazer o beija-mão. É capaz que ambos prometam reflorestar a Avenida Paulista e a usina de Angra. Mas se ela apoiar a Dilma, os eleitores evangélicos e os eleitores antipetistas se decepcionarão. Se ela apoiar o Serra, ela terá que engolir a bancada ruralista do DEM. Seu próprio futuro está em jogo.

Por isso, acho que o melhor que Marina faz numa hora dessas é declarar neutralidade. Embora apareçam o prefeito de joelhos, o bispo de olhos vermelhos e o banqueiro com um milhão, não vá com eles não, Marina.

Comentários

Prof. Kelly disse…
Muito bom!!
e no meio de tudo isso a inevitável desilusão. E para alguns uma forma de expressar isso foi votar no Tiririca!! rsrsrs
joêzer disse…
o voto da "zoação" é o pior.
Jénerson Alves disse…
Bom saber que há pessoas como você, pelo Brasil, elucidando os cristãos e expressando qual deve ser o nosso papel no ambiente político.
Oxalá que essa onda do "Fique neutra, Marina" chegue aos ouvidos (e ao coração) da verde, a fim de que ela consiga alcançar lugares melhores em 2014.
E, assim, fique o eleitor livre para escolher entre o PT e o neoliberalismo tucano.
Denis Cruz disse…
Joêzer,

só pra variar, ótimo texto e ótima visão sobre a Marina.

Vou dar uma olhada no projeto do PV e, se nao houver cabelo, acho que vou me filiar. Quem sabe nao concorro a prefeito em 2012, rs.
joêzer disse…
denis,
os melhores escritores brasileiros foram funcionários públicos. taí um caminho pra você meu amigo escritor. rsrs
vlw
Regtime disse…
interessantes colocações. a campanha feita nos pulpitos (e emails pseudo cristãos) foi a que mais me irritou. tb sou pelo estado laico, e acho mto hipócrita que alguns peçam votos contra o casamento homossexual, por exemplo, sem pensar que um dia esse mesmo estado "cristão" poderá exercer seu poder exigindo práticas "cristãs" de uma maioria que firam a religiosidade de uma minoria... e aí, como ficará essa minoria para exercer sua liberdade?

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta