Pular para o conteúdo principal

quando a morte é uma vírgula na vida

Quando estamos mais crescidinhos e já saímos das fraldas dos porquês, as perguntas continuam simples, mas as respostas já são mais complicadas. Existia vida antes da vida na Terra? Existe vida após o fim da vida? As respostas variam conforme o sentido e a compreensão que temos da vida e da morte.

Um violoncelista demitido como Daigo Kobayashi só dá sentido à vida quando mais perto está dos mortos. De músico ele passou a “nokanshi”, alguém cuja especialidade é lavar e vestir os mortos para que a família se despeça com a dignidade que a tradição japonesa confere aos funerais.

Essa profissão não é bem vista na sociedade japonesa moderna. Até o próprio Daigo tem vergonha de seu novo emprego. Mas é nessa função que ele começará a refletir sobre a vida e a morte. Ele, que se sentia um morto entre os vivos, ao tratar dos mortos passa a enxergar a beleza dos vivos.

Daigo reconcilia-se com a música que foi obrigado a abandonar. Mas precisa ainda reconciliar-se com seu pai.

Essa é a história do filme A Partida. E você pode enxergá-lo com as lentes que quiser, assim como os personagens do filme, em que alguns vêem os preparativos dos funerais como pontos de reticência (ninguém sabe o que acontece depois da morte), outros veem a morte como um ponto final (não existe nada depois da morte) e outros creem que a morte é só uma vírgula (existe vida após a morte).

A Partida é tocante. Apesar dos (poucos) momentos melodramáticos e cenas exageradas do músico tocando em cenários naturais, a reverência e a gravidade dos funerais são tratados com respeitosa delicadeza. As cenas de reconciliação familiar me moveram às lágrimas pois me lembrou de separações e reconciliações em relação ao meu próprio pai.

Mas minha compreensão da vida e da morte é bíblica. Na Bíblia, a morte não é uma embaixada num limbo separando os passaportes de quem vai para onde. O livro de Eclesiastes diz que todos voltam ao pó, que os mortos não sabem de coisa alguma, que na sepultura não há obra nem projeto nem conhecimento.

No entanto, a morte não é um ponto final justamente porque não houve ponto final para Cristo na tumba. “Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele” (1 Tessalonicenses 4: 14). Mas isso acontecerá somente quando o próprio Cristo retornar à Terra segundo Sua própria promessa.

Na Bíblia, a morte é apenas uma vírgula na vida, Jesus diz “Quem crê em Mim, ainda que morra, viverá” (João 11:25).

De tanto corrermos e de tanto procurarmos algo que nos dê prazer, só temos outra perspectiva da vida quando nos vemos diante da morte, como o personagem Daigo Kobayashi. Mas o sábio já advertia que é “melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração” (Eclesiastes 7:2).

Comentários

Jetro disse…
Grande Joezer, também vi o filme... bem interessante e é bom pra arejar a nossa mente dos filmes de hollywood...

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta