29 novembro, 2010

cem palavras: a infantilização da vida



"Eu não quero crescer. Quero ser para sempre um menino e me divertir".
Peter Pan, fugindo para a Terra do Nunca

"A adolescência começa antes da puberdade e, para alguns, dura para sempre [...] a negação da idade está em toda parte".
Robert J. Samuelson (Adventures in Agelessness, Newsweek)

"Na indústria da moda, os vendedores visam a mãe que tenta parecer que tem 15 anos, ao mesmo tempo que a criança é enfeitada para parecer que tem 40 anos".
Ginia Bellafante (Dressing up, New York Times)

"Leitores adultos debandando para Harry Potter (quando não estão abandonando completamente o hábito da leitura); filmes inspirados em quadrinhos e videogames dominando o mercado do entretenimento" [...]
"As marcas da infância perpétua são impressas em adultos que são atraídos por: roupas sem formalidade, sexo sem reprodução, trabalho sem disciplina, aquisição sem propósito, certeza sem dúvida e narcisismo até a idade avançada [...] Na época em que vivemos, a civilização não é um ideal nem uma inspiração, é um videogame".
Benjamin Barber (Consumido, p. 16,17)

5 comentários:

Dhiogo Brustolin disse...

Eu acredito que na vida adulta as algumas responsabilidades e comportamentos devam mudar ate por causa de uma boa convivência social, mas nao acho q o gosto pelas coisas infantis como leitura, jogos ou mesmo um modo mais informal de se vestir devam sumir, afinal de contas é das crianças o reino dos céus.

joêzer disse...

isso tudo só é um problema quando o sujeito só lê, assiste, ouve e veste coisas para crianças e adolescentes. lembro que "quando eu era criança, eu agia como criança; mas hoje que sou mais velho...'

Daniella disse...

Muito bom! Posso reprodur no meu blog?

Daniella disse...

ReproduZIr hehehe

joêzer disse...

daniella,
estive em viagem e incomunicável.
fique à vontade.