Pular para o conteúdo principal

10 anos em 10 filmes

Nem DVD nem Blu-Ray. Nos últimos dez anos, o cinema enfrentou a pior das concorrências: a vida como ela é. Ataque às Torres Gêmeas, terremotos e vulcões, eleição do Obama, replays esportivos em câmera lenta, a tomada do Complexo do Alemão. A realidade virou reality show e ficou mais interessante do que a ficção.

O cinema, como sempre, tem duas saídas para manter o poder de atração: 1) O cinema tecnológico que cria uma realidade virtual espetacular; 2) O cinema pedagógico que revela a dureza espetacular da realidade. 

Ecologia, terrorismo, misticismo e quadrinhos: os filmes a seguir não são os melhores da década (pelo menos, não são para mim. Metade deles, inclusive, nem assisti). Mas eles são o rosto real/ficcional dos últimos dez anos:

Farenheit 9/11
O que é: O que estaria por trás do ataque terrorista do fatídico 11 de setembro. O diretor Michael Moore foi criticado por manipular imagens e fatos. Em suma: É uma espécie de Globo Repórter dirigido por Nelson Rubens: Michael Moore aumenta, mas não inventa.

Uma verdade inconveniente
O que é: O ex-vice-presidente Al Gore dá uma palestra mostrando como o planeta está a dois passos do inferno ecológico. Em suma: é o primeiro Power Point a ganhar um Oscar.

Avatar
O que é: você não sabe o que é? Por onde você andou? Em Pandora? Em suma: James Cameron ficou alguns milhões mais rico ao combinar uma receita quase infalível: religião pré-moderna (espiritualismo mágico), tema moderno (ecologia), tecnologia pós-moderna (3-D). O resto é marketing.

Crepúsculo
O que é: quase todo adolescente passou pelas mesmas situações. A diferença é que os personagens são vegetarianos e castos.  Em suma: adolescentes sorumbáticos em uma historinha sangue-com-açúcar.

Wall-e
O que é: a preocupação com o meio ambiente contada com ternura e sem ecoterrorismo. Em suma: as animações da Pixar são um reduto de inteligência e nobreza de sentimentos em relação à indigência mental em que Roliúdi adora chafurdar.

2012
O que é: o fim do mundo com data, hora e local pra acontecer. Em suma: todo ano o cinema marca uma data apocalíptica. É uma espécie de turnê do fim do mundo.

Chico Xavier
O que é: junto com Nosso Lar, representa o sucesso do espiritualismo à moda da casa. Em suma: como nos filmes bíblicos, a fé moveu montanhas de espectadores.
Batman - o cavaleiro das trevas 
O que é: um super-herói não é nada sem o senso de justiça da população. Em suma: parece que Batman quer ser Macbeth. Why so serious? Por que nem só de "socs" e "pows" vive um super-herói.

Paradise now
O que é: dois jovens palestinos cooptados pelo terrorismo estão indecisos em dar a vida por uma briga que não é deles. Em suma: enfim alguém mostrou palestinos como gente e não como alvo militar.

Tropa de elite
O que é: você nem precisa ver. Já os bandidos do tráfico veem e tremem (será?). Em suma: o sucesso foi tanto que a recente subida dos militares nos morros do Rio foi filmada pelas TVs como um reality Bope show.

E pra você, quais filmes são o retrato desses tempos?

Comentários

Anônimo disse…
Postar por aqui, pra não fazer uma verdade... ops... uma estimulação inconveniente.
Não vi esse filme, mas a definição é ótima : historinha sangue-com-açúcar !

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta