Pular para o conteúdo principal

Deus não precisa de espectadores

Estou rodeado de imagens. Para onde olho há uma tela onde aparece alguém que não me conhece, que não faz a menor ideia de quem sou, que não paga minha conta de luz, a luz que pago para assistí-lo numa tela.

Estou rodeado de sons. Para onde olho há alguém que talvez não me conheça bem, mas eu conheço sua música, eu o ouço sem que ele me peça "me ouça, por favor".

Vejo imagens numa tela na minha sala. Ouço música numa igreja. Nos dois casos, eu não passo de um espectador. É mais fácil. É só apertar o play e relaxar. É só sentar no banco da igreja e assistir. Mas as pessoas devem ir à igreja para assistir um culto ou prestar um culto?

Deus não está precisando de espectadores. A Bíblia diz (em João 4:23) que Deus procura verdadeiros adoradores, que O adorem em espírito e em verdade. Ele não procura espectadores que assistem um culto. Ele quer adoradores que participem ativamente de um culto.

Que situação: Deus à procura de verdadeiros adoradores mas encontrando espectadores de mentirinha.

Não deixe que nada, nem assuntos pendentes da semana nem música que não faz seu gosto, nem pregador empolgado nem liturgia preguiçosa, não deixe que nada o faça esquecer seu desejo de prestar um culto ao seu Deus.

Comentários

Vanessa Meira disse…
espectadorismo: esse é nome da problema.
O negócio agora é assistir.
E os espectadores são cada vez mais exigentes.

Assistimos sermões, orações e louvores, feitos de preferência por profissionais.

Pena que às vezes não dá pra mudar de canal, pausar, passar pra frente...
A menos que sejam aquelas orações, sermões e louvores gravados e executados no player da igreja. Aí dá até pra desligar se não estiver agradando.
joêzer disse…
é, Vanessa, o povo quer ver show, a galera quer espetáculo.
Piu disse…
Muito bom o que vc escreveu.
Fato!
tava pensando nisso esses tempos o "Deus moderno" que quer audiencia e pra ser publicado e comprado !
se Jesus viesse pela 1ª vez nos dias de hoje ele expulsaria determinados cambistas e compradores.. agora se compra os milagres , a paz , o perdão.. não + por sacrificios de animais mas por conveniência e "batismo" eu entrego minha carcaça a Deus mas não minha essencia.

Deus o abençoe e nos ajude a sermos essencia e espirito e verdade

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta